Justiça suspende demissão de 300 funcionários de frigorífico em Passo Fundo - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Trabalho07/05/2016 | 08h50

Justiça suspende demissão de 300 funcionários de frigorífico em Passo Fundo

Juiz declarou a medida ineficaz e determinou que a empresa não faça novos desligamentos

A Justiça do Trabalho suspendeu a demissão de 300 empregados da Companhia Minuano de Alimentos, de Passo Fundo, que havia sido comunicada na segunda-feira.
A decisão da 2ª Vara do Trabalho de Passo Fundo atendeu pedido de antecipação de tutela em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT-RS). 

Além de declarar ineficazes as demissões, o juiz Luciano Ricardo Cembranel determinou que a empresa se abstenha de promover novos desligamentos sem prévia negociação coletiva, sob pena de multa de R$ 10 mil por empregado dispensado.

Leia mais:
Minuano demite 300 funcionários em Passo Fundo

As demissões da área de produção do frigorífico haviam ocorrido dia 2, quando o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação do município anunciou que recorreria à Justiça por conta da falta de notificação prévia.

A Minuano informou ao sindicato que a medida foi necessária por causa do término de um contrato com o Grupo JBS. A empresa abatia frangos para a multinacional. Ao ajuizar a ação civil pública, o Ministério Público do Trabalho destacou que as demissões não poderiam ter acontecido sem negociação coletiva com o sindicato da categoria, acompanhada pelo órgão.

O juiz Cembranel acatou o argumento do MPT-RS. Conforme o magistrado, embora a dispensa coletiva não esteja explicitamente prevista em lei, a doutrina e a jurisprudência vêm entendendo que ela não é um mero direito potestativo do empregador, ainda que justificada por dificuldade financeira.

De acordo com o magistrado, há necessidade de prévia negociação coletiva com o sindicato profissional dos empregados, já que a demissão em massa tem repercussões econômicas que ultrapassam os limites da relação de emprego, com reflexos na comunidade onde a empresa e os trabalhadores se inserem.

"A negociação prévia para a ocorrência do despedimento coletivo é indispensável para que suas repercussões sejam mitigadas, permitindo, assim, a adoção de medidas que reduzam as dificuldades aos abrangidos pelo desemprego e os demais problemas sociais ocasionados a toda a coletividade", diz trecho da decisão emitida na noite de sexta-feira.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros