Saiba se suas dívidas passaram do limite aceitável e veja 10 dicas para sair desta situação - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Os riscos do superendividamento03/08/2016 | 09h00Atualizada em 04/08/2016 | 08h16

Saiba se suas dívidas passaram do limite aceitável e veja 10 dicas para sair desta situação

Primeiro passo para vencer o problema é conhecer o valor que se deve. Faça o teste e veja como está o seu nível de endividamento

Saiba se suas dívidas passaram do limite aceitável e veja 10 dicas para sair desta situação Mateus Bruxel/Agencia RBS
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Difícil achar quem possa bater no peito e dizer que não tem dívidas. Tê-las pode ser necessário para a aquisição de patrimônio ou para uma emergência. Agora, quando sair delas parece impossível, a coisa é séria. E o pior é que a maioria dos brasileiros nem tem ideia do tamanho do problema: 60% dos consumidores não sabem quanto estão devendo. 

LEIA MAIS
Confira mais de 2 mil vagas em cursos gratuitos no Estado
15 direitos que os consumidores muitas vezes não conhecem
Mais de 80 mil benefícios do INSS serão revisados no Estado. Tire suas dúvidas

Aí está a diferença entre os endividados e os superendividados: os primeiros fazem uma dívida para a aquisição de um bem. Os segundos não conseguem pagar todas as dívidas e se veem obrigados a pedir emprestado para pagar suas contas. O dado é de pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). E 36% não sabem também para quantos estão devendo. Eles podem se enquadrar na categoria dos superendividados. 

– O superendividamento traz efeitos além dos econômicos, mexe na autoestima, nos relacionamentos. O tema deve ser contemplado em uma atualização do Código de Defesa do Consumidor – diz a juíza e professora Clarissa Costa de Lima, coordenadora do Observatório do Crédito e Superendividamento do Consumidor da Ufrgs.

Ela reforça que o desemprego, um caso de doença na família ou outros imprevistos podem ser gatilhos para colocar uma família nas situações reveladas pela pesquisa, divulgada em março.

– Os níveis gerais de endividamento são muito altos. Percebeu-se uma leve queda em junho, pode ser mais gente tentando pagar o que deve. Mas é cedo para falar. Desempregados com cartão de crédito, por exemplo, são cenário que preocupa – avalia Cláudia Rodrigues, coordenadora do curso de Ciências Econômicas da Fadergs.  


À procura de negociação

Em Porto Alegre, o Poder Judiciário oferece a Conciliação Pré-Processual de Superendividamento do Centro Judiciário de Soluções de Conflitos e Cidadania (Cejusc). Entre 150 e 200 atendimentos são realizados todo o mês no Foro Central.

– É o devedor quem nos procura, e ele tem de querer pagar a dívida. Então, chamamos os credores dessa pessoa para renegociar o débito. Vemos que muitas pessoas, por falta de planejamento, acabam nessa situação por imprevistos como doença e desemprego – conta a juíza e coordenadora do Cejusc Central, Geneci Campos. 

Diante de conciliadores como Márcia Silveira, devedor e credores tentam se acertar. Há seis anos no projeto, ela consegue perceber o perfil atual de quem está com a corda no pescoço: pessoas com empréstimos consignados (aposentados, principalmente) e com cartões de supermercados ou lojas.

– Conseguimos reduzir muito os juros. Daqui, o devedor sai com o compromisso de cumprir o acordo. O importante para chegar aqui é aceitar que tem o problema – afirma Márcia.

Segundo o educador financeiro Adriano Severo, não é preciso chegar à situação extrema de ter mais dívidas do que salário no final do mês para se considerar superendividado. Para ele, bem antes já se deve ligar o sinal de alerta.

– O máximo da renda que pode ser comprometido com dívidas é 30%. Depois disso, já se deve ligar o alerta e revisar as contas. É o momento em que ainda se pode evitar o pior – adverte ele.


Destelhamento foi estopim

Carlos Pinheiro, 57 anos, já consegue ver a luz no fim do túnel. Foto: Diego Vara / Agencia RBS

O rodoviário aposentado Carlos Pinheiro, 57 anos, não vê a cor do dinheiro de quase 40% do seu benefício. Ele diz que mais de R$ 900 da aposentadoria, de cerca de R$ 2,5 mil, são descontados por conta de empréstimos consignados. Para o que sobra, muitos destinos. 

– É aluguel, alimentação, vestuário, remédios. Sou hipertenso, diabético e tenho problemas cardíacos. Mas, hoje, eu me considero meio a meio em matéria de endividamento – avalia.

Carlos diz isso porque consegue ver uma luz no fim do túnel, diferentemente de oito anos atrás, quando um vendaval destelhou a casa dele e da filha no Bairro São Tomé, em Viamão. Ali, começou uma superdívida. Entre consignados e outra linha de crédito no banco para dar conta da obra, chegou a ter mais de R$ 7 mil a pagar. 

Saldo do FGTS pode ser garantia em empréstimos consignados

Quando não sobrava nada da aposentadoria, começou a entrar no cheque especial. Ele conta que tentou renegociar a bolada, mas o banco não quis conversa. Por fim, levou a questão à Justiça, onde ainda tramita. Agora, recebendo a aposentadoria em outro banco, avista o fim dos consignados e é otimista com o resultado da ação.

– Até o próximo ano, eu termino de pegar os consignados. Não quero mais saber de empréstimo. Se tem a ilusão de que vai resolver um problema, mas se entra em outro – alerta o aposentado.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros