Depois de três adiamentos, bebê consegue realizar cirurgia no crânio em Porto Alegre  - Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Seu problema é nosso16/02/2018 | 09h27Atualizada em 16/02/2018 | 10h15

Depois de três adiamentos, bebê consegue realizar cirurgia no crânio em Porto Alegre 

O menino, morador do bairro Chapéu do Sol, em Porto Alegre, teve sua história contada pelo Diário Gaúcho em 16 de novembro do ano passado. Depois da publicação, sua operação foi realizada

Depois de três adiamentos, bebê consegue realizar cirurgia no crânio em Porto Alegre  Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Josué está se recuperando Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Enfim, o pequeno Josué Vasconcelos, um ano e um mês, foi operado, após o procedimento que deveria ter sido realizado em seu crânio ser adiado por três vezes. O menino, morador do bairro Chapéu do Sol, em Porto Alegre, teve sua história contada pelo Diário Gaúcho em 16 de novembro do ano passado

Leia mais
Sofrendo com dores no abdômen, moradora de São Leopoldo espera por exame há sete meses
Rompimento de rede pluvial aguarda por conserto há três anos, em Alvorada
Sem médico no posto desde janeiro, pacientes não sabem onde buscar atendimento em bairro da Capital

Nascido com uma má-formação no crânio, ele precisava passar por uma cranioplastia para permitir o crescimento normal de seu cérebro. Depois da publicação, o Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) prometeu que a operação seria realizada em 8 de dezembro. 

Mãe de Josué, a cuidadora Andréia Caldas Vasconcelos, 45 anos, conta que o prazo foi cumprido. No fim do ano passado, o garoto passou cerca de cinco horas sob os cuidados de uma equipe cirúrgica do HCPA. 

— Os médicos levaram-no para o bloco cirúrgico por volta das 6h, e consegui vê- lo novamente perto do meio-dia — recorda a mãe. 

Após a operação, Josué passou cinco dias internado no hospital, antes de receber alta. 

Descoberta 

A má-formação que afeta Josué é chamada de trigonocefalia, uma falta de espaço para o cérebro crescer em razão da não abertura das moleiras. A mãe recebeu o diagnóstico quando o garoto tinha dois meses de vida. 

Depois de notar que o menino sentia dores constantes, levou- o até o posto de saúde do seu bairro, onde recebeu encaminhamento para o HCPA. Lá, foi feita uma tomografia e descoberto o problema. Na época, o médico que atendeu o bebê explicou à mãe que, pela força e pela demora do parto, os ossos de Josué se "acavalaram" e, assim, as moleiras ficaram fechadas. 

Operação 

O período ideal para a realização da cirurgia é entre os seis e os 12 meses de vida. Porém, quando Andréia procurou o jornal, Josué estava com dez meses e já tinha tido sua Josué está se recuperando operação adiada três vezes devido à falta de equipe ou de leito. 

Preocupada com a situação do filho e com medo de o procedimento não ser realizado dentro do período ideal, a mãe conseguiu um posicionamento do HCPA por meio do jornal. 

— O Diário me ajudou bastante, mais uma vez gostaria de agradecer — diz a cuidadora. 

No dia 14 de março, Josué terá uma consulta de revisão. Mas a mãe aposta que a operação foi um sucesso. Segundo ela, "o garoto está ativo, caminhando, interagindo e brincando bastante". 

*Produção: Alberi Neto 

Leia mais notícias da seção Seu Problema é Nosso!


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros