Com condenação dos réus por morte de Bernardo, Três Passos descansa - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Justiça15/03/2019 | 22h11Atualizada em 15/03/2019 | 22h11

Com condenação dos réus por morte de Bernardo, Três Passos descansa

Logo após o julgamento, moradores seguiram em caminhada até a casa onde o menino morava

Com condenação dos réus por morte de Bernardo, Três Passos descansa Isadora Neumann / Agência RBS/Agência RBS
Cartazes estampidos nas grades da casa onde o menino morou foram retirados Foto: Isadora Neumann / Agência RBS / Agência RBS

Três Passos, a cidade que nos últimos cinco anos remoeu dor e revolta pela morte de Bernardo Uglione Boldrini e que esteve adormecida nos cinco dias de julgamento do crime, renasceu no início da noite desta sexta-feira (15). Logo após o anúncio da sentença, que condenou os quatro réus - Leandro Boldrini, Graciele Ugulini, Edelvânia e Evandro Wirganovicz -, houve mobilização para uma caminhada pelo menino. O trajeto começou no Fórum de Três Passos e seguiu até a casa onde ele morava com o pai, a madrasta e a irmã.

A cidade, que fez a repercussão do assassinato de uma criança ultrapassar fronteiras por causa de suas permanentes mobilizações, parecia irreconhecível na semana em que os quatro acusados estavam sentados no banco dos réus.

Leia mais
Quais as penas que os réus terão que cumprir
O caso Bernardo em imagens: veja os principais vídeos do júri

— Cadê a comoção que tanto falaram? — chegou a questionar Vanderlei Pompeo de Mattos, advogado de Graciele Ugulini, madrasta do menino.

Nos primeiros dias de sessão do júri, o plenário, com vaga para 40 pessoas, sequer ficava lotado. Por trás do silêncio, porém, havia uma estratégia: manter um ambiente tranquilo para que nada desse errado e pudesse atrapalhar o andamento do julgamento. Funcionou quase como um acordo entre comunidade e Ministério Público (MP). 

O promotor Bruno Bonamente teve participação no plano. Além de dedicado a estudar cada detalhe do processo a fim de apresentar uma acusação contundente contra os réus, Bonamente também buscou a parceria da população. Conversou. Explicou. Pediu apoio.

Com as ruas calmas, a tensão ficou apenas no plenário, onde muitas possibilidades poderiam interromper o tão esperado julgamento: a falta de jurados, um réu ficar doente, pedido de cisão. A segunda-feira (11) foi o dia mais difícil. Superada a formação do conselho de sentença, com o sorteio dos jurados, bastava dar andamento ao cronograma do julgamento.

Bares, restaurantes, mercados, comércios em geral e nas residências, a transmissão ininterrupta das sessões tomou conta da semana. Com imagens ou apenas áudio, o assunto estava presente. E as pessoas comentavam, arriscando palpites:

— Esse médico é muito querido aqui, perigam absolver. 

— Essa aí (uma das testemunhas ouvidas) é a única que via o Bernardo bem-vestido. Que vergonha falar isso.

A semana pareceu ter voado. Em plenário, as defesas dos réus adotaram estratégia de não responder a questionamentos dos promotores, que tiveram que direcionar suas questões para as horas de debates. A cada depoimento de réu, frases jurando inocência ecoavam pela transmissão ao vivo e repercutiam nas redes sociais. 

Leia mais
Caso Bernardo: os argumentos finais das defesas e do Ministério Público 
Leandro Boldrini usa camiseta com a frase "Pai, sigo seus passos" no julgamento

Já o MP levou Bernardo para dentro do plenário. Foi assim que Bonamente fez uma de suas falas, com a foto do menino no telão, disse que "Bê" estava presente e esperava Justiça. Foi na mesma sessão em que o horror do corpo franzino do menino em decomposição desfilou diante do olhar da plateia  e dos jurados. Leandro Boldirni, pai de Bernardo, quis sair da sala.

Nesta sexta-feira, ao fazer a réplica dos debates, o MP repetiu o vídeo em que Bernardo grita: "Socorro, socorro, socorro".

O clamor ainda ecoava na cidade até a nublada tarde desta sexta-feira. Agora, os manifestantes vão concluir o fim da saga de quase cinco anos. Cartazes e homenagens estampidos nas grades da casa serão retirados:

— É hora de ele descansar  — diz Tayná Petry.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros