"Fui muito feliz, mas não sou aquela pessoa", diz Sandy sobre turnê "Nossa História" - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Independente14/08/2020 | 10h51Atualizada em 14/08/2020 | 10h51

"Fui muito feliz, mas não sou aquela pessoa", diz Sandy sobre turnê "Nossa História"

Cantora celebrou o reencontro com o irmão Junior nos palcos, porém destacou que seu foco está na carreira solo

"Fui muito feliz, mas não sou aquela pessoa", diz Sandy sobre turnê "Nossa História" Félix Zucco/Agencia RBS
"Sou a Sandy solo", declarou a cantora Foto: Félix Zucco / Agencia RBS
GaúchaZH
GaúchaZH

Sandy se pronunciou recentemente sobre a turnê que realizou com o irmão Júnior, Nossa História, no ano passado. A artista afirmou que se sente grata pela oportunidade, mas que não voltaria com a dupla agora.

— Eu sou extremamente grata e extremamente realizada com toda a minha história, minha trajetória. Eu fui muito feliz cantando com o meu irmão, fui muito feliz na turnê do ano passado, mas eu não sou aquela pessoa. Deu para ver. Eu me diverti, corri para o abraço, me joguei de verdade, foi uma experiência muito legal.

A declaração foi dada em entrevista para o canal do YouTube de Marcos Mion, com quem a cantora trabalhou na série Sandy & Júnior.

— Eu sou a Sandy solo, estava louca para voltar para isso. Estou muito realizada e feliz com tudo o que aconteceu no ano passado e muito feliz de poder voltar a ser só eu, (a ser) o que eu já tinha entendido sobre mim mesma e já vinha traçando em 10 anos de carreira solo. Essa sou eu — disse.

A artista relembrou sua trajetória e confessou que teve medo, quando era mais nova, de encarar a carreira solo. De acordo com a cantora, antes da turnê com Junior, ela questionou se conseguiria retornar ao pop e lidar com todas as questões que envolvem o estilo, como um palco gigante e um balé a acompanhando.

— O projeto era para ter 10 shows, em lugares muito menores e depois virou tudo aquilo, a segunda maior turnê do mundo. Estava assustada mesmo sem saber que viraria uma loucura. Foi um grande medo. Daí, fui lá e vi que eu consegui. Foi maravilhoso entender que tenho essa versatilidade, ainda tenho essa veia pop. Artisticamente, explorei outra áreas que não explorava há muito tempo. Foi uma experiência muito rica, um aprendizado enorme, até para eu conquistar um pouco mais de confiança. Não sou uma pessoa confiante sempre.

Sandy ainda contou como foi a tomada de decisão para se tornar cantora solo:

— Eu ponderei muito, busquei bastante em mim o que eu queria. Terminei com uma convicção: estava precisando me reinventar como artista, fazer algo que fosse só minha. Precisava de um momento de recolha. Fiquei muito tempo naquela de show enorme, estádio, números e números. Vivi muito tempo isso.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros