Mulher morre vítima de bala perdida em parada de ônibus em Canoas - Polícia

Versão mobile

 
 

Duplo homicídio03/08/2015 | 09h41Atualizada em 03/08/2015 | 14h27

Mulher morre vítima de bala perdida em parada de ônibus em Canoas

Troca de tiros entre criminosos e agentes da Susepe também matou detento na BR-116

Mulher morre vítima de bala perdida em parada de ônibus em Canoas DIEGO VARA/Agencia RBS
Duplo homicídio aconteceu na BR-116, em Canoas Foto: DIEGO VARA / Agencia RBS
Mauricio Tonetto, de Canoas*
Mauricio Tonetto, de Canoas*

mauricio.tonetto@zerohora.com.br

Uma troca de tiros entre criminosos e agentes da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) deixou dois mortos no começo da manhã desta segunda-feira no centro de Canoas, na Região Metropolitana — uma das vítimas é uma mulher atingida por uma bala perdida.

A pedagoga Vera Beatriz Amaral Pereira de Souza, 57 anos, esperava um ônibus na parada do viaduto Santos Ferreira, no quilômetro 265 da BR-116. A outra vítima é um detento do Instituto Penal de Canoas que havia acabado de sair do regime semiaberto. O duplo homicídio ocorreu por volta das 7h30min.

Quais seriam as alternativas do sistema semiaberto?
Leia as últimas notícias

Pessoas que passavam pelo viaduto e presenciaram o crime disseram que três suspeitos chegaram em um Fox escuro, desceram armados com metralhadoras e atiraram em direção ao detento. Uma das balas atingiu a mulher na cabeça. Em seguida, agentes da Susepe trocaram tiros com os criminosos e um deles foi atingido na perna.

— Só deu tempo de me jogar para trás do balcão. Foram várias rajadas — falou um comerciante que pediu anonimato.

— Acordei com os barulhos de metralhadoras. Minha mulher estava na parada e me desesperei. Felizmente, não aconteceu nada com ela — comentou um morador da região.

Mesmo com a paralisação anunciada por categorias de servidores da segurança pública, policiais rodoviários federais, civis e militares atenderam à ocorrência. Um investigador da Delegacia de Homicídios de Canoas passava pelo local e parou para colher informações.

— É serviço essencial para a população, não há como deixar de atuar — ressaltou ele.

O capitão Beling, do 15º Batalhão da Polícia Militar (BPM) de Canoas, afirmou que não há greve na Brigada Militar da cidade e classificou a situação como "dificuldades materiais". A área do duplo homicídio foi isolada para perícia, e a polícia obteve um vídeo, feito por um pedestre, que mostra os suspeitos fugindo.

Vera Beatriz pegaria ônibus para se deslocar até Triunfo, onde atuava como orientadora educacional em uma escola municipal. Vera era funcionária do município desde 1999, quando passou no concurso de especialista de educação. Conforme a supervisora da Secretaria Municipal de Educação, Cristiane Daniel Vieira, as aulas foram suspensas no turno da tarde na Escola Professor Liberato Salzano Vieira da Cunha, onde ela atuava.

* colaborou Adriana Irion

ZERO HORA

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros