"Perdoo, mas quero que ele fique preso", diz jovem que teve as mãos decepadas pelo companheiro - Polícia

Versão mobile

 

Violência Doméstica12/08/2015 | 07h02Atualizada em 27/03/2018 | 12h23

"Perdoo, mas quero que ele fique preso", diz jovem que teve as mãos decepadas pelo companheiro

Agressor e vizinhos acreditaram que Gisele Santos, 22 anos, estava morta

<p class="embed-content"><div style="position: relative; display: block; max-width: 650px;"><div style="padding-top: 56.2508%;"><iframe src="https://players.brightcove.net/5712514580001/BkogZU3DG_default/index.html?videoId=5759055052001" allowfullscreen webkitallowfullscreen mozallowfullscreen style="position: absolute; top: 0px; right: 0px; bottom: 0px; left: 0px; width: 100%; height: 100%;"></iframe></div></div></p><p>"Eu s&oacute; queria me despedir da minha m&atilde;e e dos meus irm&atilde;os".</p><p>A frase ilustra o sentimento da jovem Gisele Santos, 22 anos, no momento em que estava ca&iacute;da em sua casa, sozinha,&nbsp;com as m&atilde;os, o p&eacute; esquerdo e parte do direito decepados e cortes profundos por v&aacute;rias partes do corpo. Ela chegou a acreditar que vivia seus &uacute;ltimos instantes, <a target="_blank" href="http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/policia/noticia/2015/08/homem-decepa-maos-e-um-pe-da-companheira-e-alega-legitima-defesa-4816206.html"><strong>ap&oacute;s ter sido atacada brutalmente pelo companheiro, a golpes de fac&atilde;o</strong></a>.</p><p>Gisele, que <a target="_blank" href="http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/dia-a-dia/noticia/2014/12/assassinato-de-mulheres-triplicou-nas-ultimas-tres-decadas-4661527.html"><strong>por pouco n&atilde;o engrossou a lista das v&iacute;timas de&nbsp;assassinatos passionais </strong></a>e que ficou com graves sequelas, falou &agrave; reportagem do<strong> Di&aacute;rio Ga&uacute;cho</strong> nesta ter&ccedil;a-feira. Por quest&otilde;es de seguran&ccedil;a, ela deixou S&atilde;o Leopoldo e foi para uma cidade distante.</p><p>A jovem lembra com detalhes o drama vivido no dia 2 deste m&ecirc;s, na casa em que ela e o ent&atilde;o companheiro, &Eacute;lton Jones Luz de Freitas, 26 anos, moravam, na Rua Alberto Link, no Bairro Vicentina, em S&atilde;o Leopoldo. Tentando salvar a pr&oacute;pria vida, ela chegou a se fingir de morta. Depois, foi considerada morta pelo agressor e por algumas vizinhas, que deixaram de socorr&ecirc;-la. Por fim, acreditou que realmente morreria.</p><p><br><em>Foto: Reprodu&ccedil;&atilde;o / Facebook</em></p><div class="materia-foto"><img src="http://zerohora.clicrbs.com.br/rbs/image/17564919.jpg?w=640" title="" alt=""/><div class="legenda"><span></span><span class="credito">Foto: </span></div></div><p><em><br></em><strong>Violento como nunca</strong></p><p>Gisele admite que as brigas do casal n&atilde;o eram fato incomum. Principalmente depois que passaram a morar somente os dois, havia dois meses (antes, residiam com a fam&iacute;lia dela). No total, a rela&ccedil;&atilde;o j&aacute; durava sete anos.</p><p>- A gente tinha v&aacute;rias brigas e todas as vezes que ele me bateu, eu revidei. No domingo (dia 2) pela manh&atilde; a gente brigou e eu disse pra ele sair de casa. Ou sairia ele, ou sairia eu. Ele come&ccedil;ou a chorar e a me pedir perd&atilde;o - conta.</p><p>Decidida, ela tentou sair da casa, mas &Eacute;lton a teria impedido, colocando um cadeado na tranca da porta. Gisele, ent&atilde;o, tentou ligar para a m&atilde;e, mas tamb&eacute;m foi impedida pelo companheiro, que avan&ccedil;ou sobre ela, tirando-lhe o celular.</p><p>Quando &Eacute;lton apareceu com o fac&atilde;o na m&atilde;o, Gisele n&atilde;o acreditou que ele fosse us&aacute;-lo para agredi-la. O rapaz deu-lhe um primeiro golpe na cabe&ccedil;a. Na sequ&ecirc;ncia, foram v&aacute;rios outros.</p><p>- Eu coloquei a m&atilde;o na cabe&ccedil;a, vi que tava sangrando e disse para ele: "N&atilde;o acredito que tu teve coragem de fazer isso. Abriu minha cabe&ccedil;a".&nbsp;&nbsp;&nbsp;</p><p><br><em>Foto: Diego Vara</em></p><div class="materia-foto"><img src="http://zerohora.clicrbs.com.br/rbs/image/17564938.jpg?w=640" title="" alt=""/><div class="legenda"><span></span><span class="credito">Foto: </span></div></div><p>Antes de sair,&nbsp;acreditando que a companheira realmente estivesse morrendo, &Eacute;lton ainda teria tripudiado.</p><p>- Ele disse: "Eu to indo l&aacute; me despedir da minha m&atilde;e. Vou dar um beijo e um abra&ccedil;o nela porque sei que vou ser preso. E tu t&aacute; morta, desgra&ccedil;ada".</p><p>Ap&oacute;s a sa&iacute;da do companheiro, Gisele, al&eacute;m do sofrimento com a dor, viveu momentos dram&aacute;ticos pela demora no socorro. Ela calcula que tenha ficado cerca de dez minutos gritando, at&eacute; que uma vizinha teve coragem de entrar na casa. Acreditando que estivesse morrendo, Gisele implorou:</p><p>- Eu dizia pra ela: "Vizinha, vizinha, eu s&oacute; quero me despedir da minha m&atilde;e e dos meus irm&atilde;os".</p><p>&nbsp;<br><em>Gisele tenta se recuperar f&iacute;sica e psicologicamente</em><br><em>Foto: Diego Vara</em></p><div class="materia-foto"><img src="http://zerohora.clicrbs.com.br/rbs/image/17564781.jpg?w=640" title="" alt=""/><div class="legenda"><span></span><span class="credito">Foto: </span></div></div><p>Duas mulheres que, para&nbsp;Gisele, eram da igreja da comunidade, entraram na casa.</p><p>- Eu s&oacute; enxerguei a saia delas. Elas me olharam e disseram para a vizinha: "N&atilde;o tem como fazer mais nada no estado em que ela est&aacute;. E n&atilde;o podemos mexer na cena do crime". E todas sa&iacute;ram, me deixando ali sozinha. Minha m&atilde;e, que estava em Sapucaia, foi para S&atilde;o Leopoldo e s&oacute; cinco minutos depois dela &eacute; que chegou o Samu - queixou-se.</p><p><strong>"Quero a justi&ccedil;a de Deus"</strong></p><p>Na noite do mesmo dia, &Eacute;lton apresentou-se &agrave; pol&iacute;cia. Foi &agrave; DPPA de S&atilde;o Leopoldo, relatou o que havia feito, mas alegou que "n&atilde;o estaria suportando mais as agress&otilde;es que sofria da companheira". N&atilde;o convenceu e foi autuado em flagrante por tentativa de homic&iacute;dio. E segue no Pres&iacute;dio Central.</p><p>Gisele ficou quatro dias internada, em estado grave, na UTI do Hospital Centen&aacute;rio, em S&atilde;o Leopoldo. Foi submetida a cirurgias para reimplante dos p&eacute;s. Em rela&ccedil;&atilde;o &agrave;s m&atilde;os, a recomposi&ccedil;&atilde;o n&atilde;o foi poss&iacute;vel. Ap&oacute;s mais dois dias em um leito do hospital, Gisele recebeu alta.</p><p><br><em>Foto: Diego Vara</em></p><div class="materia-foto"><img src="http://zerohora.clicrbs.com.br/rbs/image/17564950.jpg?w=640" title="" alt=""/><div class="legenda"><span></span><span class="credito">Foto: </span></div></div><p>Os p&eacute;s, ainda que recompostos, correm o risco de sofrerem rejei&ccedil;&atilde;o. Para as m&atilde;os, a &uacute;nica solu&ccedil;&atilde;o &eacute; a substitui&ccedil;&atilde;o por pr&oacute;teses, mas, de acordo com uma familiar de Gisele, as pe&ccedil;as custam entre R$ 24 mil e R$ 26 mil cada.</p><p>Bastante traumatizada, ela ainda tenta se recuperar psicologica e fisicamente. Em rela&ccedil;&atilde;o ao ex-companheiro, ela s&oacute; espera justi&ccedil;a.</p><p>- Eu perdoo pelo o que ele fez. Eu s&oacute; quero que ele fique preso at&eacute; pela minha seguran&ccedil;a e para pagar pelo o que fez. Quero a justi&ccedil;a de Deus.<br></p><p><strong>Corrente solid&aacute;ria</strong></p><p>Amigos e pessoas que se sensibilizaram com o seu drama tentam ajud&aacute;-la. Em Canoas, o m&uacute;sico Sergio Mossmann, da banda The Prozak Park, est&aacute; organizando um show com as participa&ccedil;&otilde;es de outros grupos para arrecadar doa&ccedil;&otilde;es ou dinheiro para ajudar Gisele.</p><p class="embed-content"><SCRIPT xmlns="http://www.w3.org/1999/xhtml">(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/en_US/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, 'script', 'facebook-jssdk'));</SCRIPT></p><p><BLOCKQUOTE cite=https://www.facebook.com/photo.php?fbid=848918725193544&amp;set=a.571666349585451.1073741828.100002262735203&amp;type=1> Posted by <a href="https://www.facebook.com/sergio.mossmann">Sergio Mossmann</a> on&nbsp;<a href="https://www.facebook.com/photo.php?fbid=848918725193544&amp;set=a.571666349585451.1073741828.100002262735203&amp;type=1">Sunday, August 9, 2015</a></p><p>A&iacute; galera. Essa &eacute; a Gisele Santos, uma linda jovem que foi brutalmente mutilada pelo Marido de 23 anos.A Gisele teve...</p><p>Enquanto isso, pelo Whatsapp (51) 8324-0378 e pelo <a href="https://www.facebook.com/photo.php?fbid=848498845235532&amp;set=a.571666349585451.1073741828.100002262735203&amp;type=1&amp;__mref=message_bubble"><strong>Facebook</strong></a>, ele organiza doa&ccedil;&otilde;es de fraldas e len&ccedil;os umedecidos,&nbsp;que est&atilde;o sendo usados por Gisele na recupera&ccedil;&atilde;o.</p><p><br><strong>Viol&ecirc;ncia contra a mulher</strong></p><p>De acordo com o levantamento mantido pelo Di&aacute;rio Ga&uacute;cho, at&eacute; ter&ccedil;a-feira, dia 11, pelo menos 77 mulheres foram assassinadas na Regi&atilde;o Metropolitana&nbsp;- 63,8% a mais do que no mesmo per&iacute;odo do ano anterior (47). Das 77 v&iacute;timas deste ano, pelo menos 17 teriam sido mortas por motivos passionais.</p><p><em>Onde buscar ajuda:</em></p><p>0800-5410803<br>Telefone Lil&aacute;s (servi&ccedil;o do Estado com orienta&ccedil;&atilde;o para mulheres v&iacute;timas de viol&ecirc;ncia. Funciona de segunda a sexta, das 8h30min &agrave;s 18h.)</p><p>180<br>Central de Atendimento &agrave; Mulher (servi&ccedil;o nacional, funciona 24 horas, para orientar mulheres v&iacute;timas de viol&ecirc;ncia.)</p><p>190<br>Brigada Militar</p><p>Deam<br><a target="_blank" href="https://sistema3.planalto.gov.br/spmu/atendimento/busca_subservico.php?uf=RS&amp;cod_subs=11"><strong>Delegacia Especializada no Atendimento &agrave; Mulher</strong></a>. A v&iacute;tima precisa procurar a de sua cidade (nem todos os munic&iacute;pios disp&otilde;em da especializada), ou de um munic&iacute;pio pr&oacute;ximo. Em Porto Alegre, funciona no Pal&aacute;cio da Pol&iacute;cia, na Avenida Jo&atilde;o Pessoa. Telefone: 3288-2172. E-mail: <a href="mailto:poa-dm@pc.rs.gov.br">poa-dm@pc.rs.gov.br</a><br></p><p><a target="_blank" href="http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/ultimas-noticias/"><strong>Leia mais not&iacute;cias do dia</strong></a><br><a target="_blank" href="https://www.facebook.com/diariogaucho"><strong>Curta a nossa p&aacute;gina no Facebook</strong></a></p><p><em>* Di&aacute;rio Ga&uacute;cho</em></p><!-- contentFrom:cms -->
 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros