Polícia trabalha com duas hipóteses para depredação de escola na Capital - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Vandalismo18/07/2016 | 20h21

Polícia trabalha com duas hipóteses para depredação de escola na Capital

Escola Estadual Erico Verissimo foi alvo de ataques, descobertos na manhã desta segunda-feira pela vice-diretora da instituição

Polícia trabalha com duas hipóteses para depredação de escola na Capital Omar Freitas/Agencia RBS
Pó químico de extintores de incêndio foi jogado em mais de trinta salas Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

O delegado da 15ª DP, Fernando Soares, trabalha com duas hipóteses para a depredação à Escola Estadual Erico Verissimo, no Bairro Jardim Carvalho, Zona Leste da Capital. Uma das suspeitas é de que o crime tenha sido fruto de desentendimento entre alunos e professores. Episódios recentes de rigidez por parte dos educadores poderiam ter motivado a atitude.

Outra suspeita é a possível represália pelo fato de a escolar ter aberto as portas à Brigada Militar e por ter promovido discussões com a violência como pano de fundo. O delegado acredita que há participação de alunos no crime.

— Se for problema interno, o vandalismo pode ter originado da cabeça dos alunos. Se for represália, é orientação de organização criminosa — avalia.

Leia mais
Escola aberta da Cruzeiro busca um novo prédio para seguir atendendo
Escola da Capital abre novamente com segurança reforçada
"Local mais seguro é dentro da escola", diz comandante da BM sobre retomada de aulas na Erico Verissimo

O inquérito foi instaurado para investigar os crimes de vandalismo e de furto, já que os suspeitos levaram notebook, dinheiro, câmera fotográfica e um HD externo. Para o delegado, o objetivo principal dos criminosos foi destruir a escola e o furto pode ter sido por ocasião. Em 20 anos de polícia, ele nunca se deparou com uma depredação nesta proporção.

— Eu já investiguei vários crimes em escola, mas esse foi muito impactante.

Escola foi encontrada depredada na manhã desta segunda-feira pela vice-diretora Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

"Jamais vou desistir"

A Escola Erico Veríssimo é a primeira experiência de trabalho de um dos professores que não quis se identificar. Ele escolheu o magistério com a expectativa de melhorar o mundo. Embora tenha ficado em choque com a depredação, não pretende desistir do objetivo.

— Meu coração está doendo, mas jamais vou desistir. Somos mais fortes que isso. Se conseguir salvar um, já é alguma coisa.

Uma colega com 20 anos de experiência percorria os corredores aos prantos. Ela nunca imaginou se deparar com tamanha destruição.

— A gente saiu daqui na sexta-feira com tudo arrumadinho. Me chocou muito ver os trabalhinhos destruídos, está sendo muito dolorido.

"Quando teremos paz?"

Sem condições de receber os alunos, a escola anunciou as férias de julho com dois dias de antecedência. Mesmo sabendo que não havia mais nada o que fazer diante da destruição, dois pais permaneceram ali, caminhando entre as salas, inconformados. Um deles, de 32 anos, lembra do tempo em que foi aluno e lamenta a insegurança que se estabeleceu no bairro.

— Estamos de mãos atadas e com medo. A comunidade está recuada, não temos para onde correr.

Outro pai de 53 anos disse estar deprimido e incerto sobre o futuro da comunidade.

— Depois que acalmou os tiroteios acontece isso? Quando teremos paz?

Leia mais notícias

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros