Morto por ladrões que tentavam roubar sua bicicleta, músico gaúcho sonhava brilhar no sertanejo - Polícia - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Violência28/11/2017 | 15h57

Morto por ladrões que tentavam roubar sua bicicleta, músico gaúcho sonhava brilhar no sertanejo

Marco Aurélio Boettier, conhecido como Marco Boettier, foi assassinado com um tiro no peito por assaltantes quando pedalava por São Leopoldo no fim da tarde de segunda (27)

Morto por ladrões que tentavam roubar sua bicicleta, músico gaúcho sonhava brilhar no sertanejo Reprodução/Arquivo Pessoal/Facebook
Na rede social, Marco Boettier registrou o passeio por Ivoti minutos antes de ser morto em assalto Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal/Facebook

Duas fotos ao lado da bicicleta, diante da paisagem natural de Ivoti, postadas no Facebook por volta das 17h de segunda-feira (27), são o último registro em redes sociais do músico Marco Aurélio Boettier. Foi para a pequena cidade do Vale do Sinos a última pedalada do músico de 30 anos antes de ser morto com um tiro no peito em uma tentativa de assalto na altura da Avenida Mauá, no bairro Rio dos Sinos, em São Leopoldo. 

Boettier estava a caminho de casa, em Sapucaia do Sul, quando, por volta das 18h, foi atacado por dois criminosos que queriam levar sua bicicleta e os equipamentos. Depois de balear o músico, os bandidos fugiram a pé sem levar nada. A bicicleta era a mais recente companhia do homem que há dois anos havia largado a profissão de eletrotécnico para apostar no sonho de se tornar cantor sertanejo. Conhecido como Marco Boettier no mundo da música, ele já tinha a agenda lotada com shows na região do Vale do Sinos.

Leia mais
Jovem é morto por dupla que tentava roubar sua bicicleta em São Leopoldo
Morta com tiro na cabeça em parada de ônibus, mulher lutava contra tumor no cérebro
Em 30 dias, vítima de latrocínio em São Leopoldo já havia sido assaltada outras duas vezes

  — Com a rotina de trabalho à noite, andar de bicicleta, pegar a estrada, era um passatempo para ele. E ele nunca andava sozinho, sempre pelo menos em dupla. Ontem à tarde ele convidou alguns amigos, convidou o nosso primo, mas eles não podiam. Foi a primeira vez que o Marquinhos saiu sozinho para a estrada com a bicicleta — lamenta a irmã, Daniela Boettier, 35 anos.

Minutos antes do crime, o músico havia ligado para casa avisando a esposa que chegaria para tomar café. De acordo com o delegado Rodrigo Zucco, da 2ª Delegacia da Polícia Civil de São Leopoldo, a bicicleta, o capacete e a câmera GoPro que Boettier carregava provavelmente foram os atrativos para a dupla armada. Os investigadores buscaram, na manhã desta terça-feira (28), imagens que pudessem levar à identificação dos suspeitos, mas nenhuma câmera de segurança foi encontrada nas proximidades.

— Os assaltantes abordaram a vítima e, pelas informações que colhemos, houve reação. Ele deu um soco em um dos criminosos e o comparsa acabou atirando — relata o delegado.

Um motorista ainda não identificado pela polícia, percebendo a situação, ainda jogou o carro sobre os bandidos, mas eles conseguiram fugir a pé. O homem prestou socorro ao músico, mas Boettier morreu em atendimento.

Marco Aurélio Boettier, 30 anos, morto em assalto por bandidos que queriam roubar sua bicicleta em São Leopoldo
Há dois anos, ele decidiu se dedicar exclusivamente à música sertanejaFoto: Reprodução / Arquivo Pessoal/Facebook

Sonho no sertanejo

A morte interrompeu o maior sonho de Marco Boettier, que era sair do Estado com a sua música.

— Ele estava persistindo e realmente estava dando certo. Tinha conseguido montar a casa como queria, com a esposa, e estava fazendo o seu nome aqui na região. Ele queria brilhar no sertanejo — conta a irmã.

No próximo sábado, Marco Boettier faria um show em São Leopoldo. Entre amigos e admiradores, estava Jean Moreira, 40 anos. 

— Todas as músicas que ele gravava, imediatamente nos mandava vídeo, gravava no pendrive para ouvirmos no carro. Sou suspeito para falar, porque o Maquinhos era como um irmão, mas ele tinha muito talento e um sonho. É inexplicável uma pessoa morrer, e ter tudo isso destruído, por uma bicicleta.


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros