Preso suspeito de assalto em hipermercado que terminou com morte de dona de casa em Alvorada - Polícia

Versão mobile

 

Um criminoso morto22/12/2017 | 11h41

Preso suspeito de assalto em hipermercado que terminou com morte de dona de casa em Alvorada

Alexsander Ferreira, 23 anos, foi detido junto com outros três assaltantes em ataque a uma farmácia em Canoas

Preso suspeito de assalto em hipermercado que terminou com morte de dona de casa em Alvorada Reprodução/Divulgação
Alexander Ferreira foi preso no ataque a uma farmácia em Canoas Foto: Reprodução / Divulgação

Foi preso na noite de quinta-feira (21), em Canoas, na Região Metropolitana, o suspeito identificado pela investigação de duas delegacias da Polícia Civil como integrante da quadrilha que assaltou uma joalheria dentro do hipermercado BIG de Alvorada, no dia 9 deste mês. Naquele dia, um tiro, provavelmente disparado por um dos criminosos, culminou na morte da dona de casa Mariza Iracema Cassol Jaques, 54 anos, que arrecadava roupas para doações. 

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho 

Alexsander Ferreira, 23 anos, foi preso junto com outros três assaltantes no ataque a uma farmácia do bairro Boqueirão, em Canoas, na última noite. O crime foi impedido pela Brigada Militar (BM), que trocou tiros com assaltantes. O tiroteio causou a morte de um dos comparsas dele, identificado como Gilmar de Matos Costa, 33. 

A descoberta de que Ferreira era o bandido procurado pelo crime de Alvorada aconteceu na Delegacia de Pronto Atendimento de Canoas. Um dos policiais achou ele parecido com o criminoso que aparece agindo de forma violenta nas imagens divulgadas pela imprensa. Depois, os policiais da cidade procuraram colegas  do Departamento Estadual de Investigações Criminais  e confirmaram a suspeita. 

Além do ataque em Alvorada, ele estava foragido por um outro crime e ainda é apontado pelo Deic como integrante de um grupo que assaltou a joalheria Astratto, no Shopping Bourbon Assis Brasil, no bairro São João, em Porto Alegre, no dia 3 de dezembro. 

O delegado Joel Wagner, da Delegacia de Roubos do Deic, fala sobre a maneira de agir da quadrilha de Ferreira. 

— Perigosos eles são pelo método da ação nos shoppings, pegando refém, em locais de grande movimento, com risco de tiro. É uma ação perigosa por si só, que mostra também ousadia — diz o delegado.

Os demais membros da quadrilha ainda são investigados. 

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho 


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros