Como está a investigação sobre o esquartejamento de duas crianças em Novo Hamburgo - Polícia

Versão mobile

 

Vale do Sinos21/02/2018 | 12h23Atualizada em 21/02/2018 | 12h23

Como está a investigação sobre o esquartejamento de duas crianças em Novo Hamburgo

Apuração se iniciou após encontro de corpos de crianças, em setembro do ano passado, e foi dividida após testemunhas mentirem em depoimento

Como está a investigação sobre o esquartejamento de duas crianças em Novo Hamburgo Fernando Gomes/Agencia RBS
Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS
GaúchaZH
GaúchaZH

Uma mentira de três testemunhas à polícia acabou dividindo a investigação da morte de duas crianças, encontradas esquartejadas em setembro do ano passado em Novo Hamburgo, no Vale do Sinos. Agora, são duas investigações, apuradas em setores diferentes da Polícia Civil.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho   

Na Delegacia de Homicídios de Novo Hamburgo ocorre o inquérito que verifica a morte das duas crianças. A investigação das crianças esquartejadas tem até o dia 15 de março para ser finalizada. Em janeiro, a polícia conseguiu na Justiça mais 60 dias para seguir apurando, porém, o delegado Rogério Baggio afirma que o prazo deixou de contar após o caso "voltar à estaca zero" e as sete prisões serem revogadas pelo Judiciário. 

Sem presos preventivos, não haveria período legal para ser atendido, como aponta o Código do Processo Penal (CPP).

— É absolutamente impossível concluir nesse prazo. Vamos mandar um relatório assim que possível mostrando a situação — salienta Baggio.

Delegado Moacir Fermino investigou morte de duas crianças em Novo Hamburgo em ritual satânico.
Delegado Moacir Fermino (ao centro) foi afastado de suas funções em 9 de fevereiroFoto: Cid Martins / Agência RBS

Penas

Caso a investigação das crianças esquartejadas aponte suspeitos para o crime, eles podem ser indiciados por homicídio simples ou qualificado – no último caso, se for identificado motivo fútil, pagamento de recompensa, uso de veneno, emboscada ou uso de recurso que dificulta a defesa. 

No caso do homicídio simples a pena varia de seis a 20 anos de prisão, já no qualificado de 12 a 30 anos de reclusão.

Já o outro inquérito pode render penas distintas. Para denunciação caluniosa pode gerar reclusão de dois a oito anos mais multa. Já o falso testemunho pode render de dois a quatro anos de prisão, além de multa.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho   


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros