Acusada de matar filho por envenenamento e marido a machadadas vai a júri nesta terça-feira  - Polícia

Versão mobile

 

Canoas27/03/2018 | 07h47

Acusada de matar filho por envenenamento e marido a machadadas vai a júri nesta terça-feira 

Conhecida pela polícia como "viúva-negra", devido a disfarce, Elisângela Rius está presa no Presídio Madre Pelletier

Acusada de matar filho por envenenamento e marido a machadadas vai a júri nesta terça-feira  Reprodução/Arquivo Pessoal/Facebook
Elisângela Rius com o marido Patrick Moraes Marques Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal/Facebook
GaúchaZH
GaúchaZH

Conhecida pela polícia como "viúva negra" de Canoas, Elisângela Rius vai a júri nesta terça-feira (27). Ela é acusada de matar o marido, Patrick Moraes Marques, 27 anos, e o filho, Eduardo William Rius Mebius, 16 anos, em um intervalo de dois meses, em 2013. 

A sessão ocorre às 9h30 na sala do Tribunal do Júri do Foro de Canoas e será presidida pela juíza Betina Mostardeiro Mühle de Constantino. O júri é aberto ao público.

Presa a viúva negra de Canoas. Elisângela Rius, 38 anos, é suspeita de matar o marido, Patrick Moraes Marques e o filho, Eduardo William Rius (foto).
Eduardo tinha 16 anos Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal/Facebook

Presa há quase dois anos, a mulher está hoje no Presídio Madre Pelletier. O codinome "viúva negra" surgiu devido a mudança no visual, ocorrida antes de ser presa. Estava com os cabelos curtos e tingidos, e usava uma peruca loira. Além disso, vivia como se fosse uma clandestina, só saindo de casa às escondidas. 

OUTROS CASOS
Polícia investiga se mulher tentou matar marido por dinheiro em hospital de Vacaria
Idosa de 80 anos é presa suspeita de matar o marido, de 84, a facadas na Região Central
Mulher mata marido no local de trabalho e comete suicídio

O advogado dela, Francisco José Rodrigues Alves, acredita que não há "provas concretas" que indiquem a participação dela nas duas mortes.

— O filho tinha envolvimento com o tráfico de drogas e o marido saiu para jogar futebol e nunca mais foi visto. A Elisângela desde o início alega inocência — observa o advogado. 

Nesta segunda-feira (26), Alves salientou que ré está "tranquila" e "esperançosa" em relação ao júri.

GaúchaZH também procurou a promotora Denise Sassen Girardi de Castro. Por meio da assessoria do Ministério Público, disse que as provas são contundentes:

— O Ministério público tem convicção da responsabilidade de Elisângela.

acusada de matar o marido e o filho, Elisângela Rius
Elisângela no dia da prisãoFoto: Divulgação / Polícia Civil

 

Relembre o caso

No final de julho de 2013, Patrick foi encontrado morto, com o corpo carbonizado, em Cachoeirinha, próximo ao limite com Canoas. A perícia constatou que ele havia sido morto a machadadas e teve o corpo jogado naquele local. No começo de outubro daquele ano, Eduardo foi encontrado morto em circunstâncias semelhantes, com o corpo abandonado em Triunfo.

Nos dois casos, Elisângela registrou desaparecimentos dias depois dos sumiços. Exames periciais demonstraram sinais de envenenamento por medicação nas duas vítimas. A suspeita da polícia é de que ela teria cometido o primeiro crime por interesse financeiro. Depois, teria matado o filho para garantir sua impunidade.

Em depoimento, Elisângela negou a autoria dos fatos. 

Em 29 de março de 2016, Elisângela Rius foi presa após ter a prisão temporária decretada pela Justiça.  A polícia chegou até a mulher a partir de uma denúncia da mãe dela, que alegava que vinha sendo ameaçada pela filha e temia por sua vida. 

A própria mãe havia feito ocorrência na polícia de desaparecimento de Elisângela meses depois dos crimes. 

— Ela também ajudou a acobertar o crime com uma falsa ocorrência policial — salientou o delegado Pablo Rocha, responsável pela investigação na época.


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros