Assaltantes levam padre refém em roubo a paróquia e, no final, pedem desculpa - Polícia

Versão mobile

 

VALE DO SINOS21/03/2018 | 11h18Atualizada em 21/03/2018 | 11h18

Assaltantes levam padre refém em roubo a paróquia e, no final, pedem desculpa

Criminosos roubaram R$ 500 da vítima na tarde de segunda-feira (19), no bairro Lomba Grande, em Novo Hamburgo

O padre cônego Círio João Schommer, responsável pela Paróquia São José, no bairro Lomba Grande, em Novo Hamburgo, reforçou seus agradecimentos ao padroeiro da comunidade. Foi a São José que ele recorreu em pensamentos para manter a calma diante das armas de três assaltantes encapuzados escapou ileso, na tarde de segunda-feira (19). Mais do que isso, com um pedido de desculpa.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho   

— Eles não sabiam que eu sou padre. Me pegaram e botaram deitado no banco de trás do carro que usavam. Eu tentava falar, e eles não deixavam. Quando consegui conversar com eles, perguntei porque faziam isso com um padre de 78 anos. O rapaz ficou surpreso, disse que não sabia que eu era padre. Quando me largaram, pediram desculpa — conta Schommer.

Ele chegava a pé à casa paroquial, junto ao salão da igreja, depois de pagar algumas contas no banco, quando foi abordado pelo trio que estava em um Sandero vermelho. Sem que o padre pudesse falar, foi jogado para dentro do veículo e mantido ali por um dos bandidos. Os outros dois entraram no salão e surpreenderam as pessoas que ajudavam na limpeza do local, depois do almoço em homenagem a São José, ocorrido no sábado.

— Eles me ameaçavam, diziam que era o meu fim se eu não lhes desse dinheiro. Quando entraram no salão queriam dinheiro também, mas nós já não guardamos nem deixamos dinheiro na paróquia, justamente por sabermos que há este risco. Estamos arrecadando recursos para a reforma da nossa igreja, então, tudo o que entra já vai direto para o pagamento das obras — explica o padre.

Os criminosos reviraram o salão, mas saíram sem levar nada. De volta ao veículo, fugiram levando o padre, que só foi libertado cerca de três quilômetros adiante, depois de repetir que era padre. Ele entregou aos criminosos R$ 500 que haviam sobrado depois do pagamento de algumas contas no banco.

O caso é apurado pela 2ª DP de Novo Hamburgo, que busca informações sobre o Sandero vermelho usado pelo trio de assaltantes. O cônego Círio conta que a paróquia nunca havia sido assaltada mas, para ele, o crime só repete uma realidade triste do Brasil.

— Infelizmente nosso país está nessa situação de violência. Em qualquer lugar você pode ser assaltado e sofrer algum mal pessoal ou material. Tenho certeza que Deus ama essas pessoas que fizeram isso contra nós. Eu oro para que eles não façam mal para outras pessoas — diz o padre.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho   

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros