Corregedoria deve abrir novos inquéritos para apurar conduta de equipe do delegado Fermino - Polícia

Versão mobile

 

Novo Hamburgo25/03/2018 | 14h00

Corregedoria deve abrir novos inquéritos para apurar conduta de equipe do delegado Fermino

Moacir Fermino foi indiciado por corrupção de testemunhas e falsidade ideológica na condução das investigações da morte de duas crianças esquartejadas no Vale do Sinos. Além dele, responderão pelos mesmos crimes um outro policial e uma testemunha

Corregedoria deve abrir novos inquéritos para apurar conduta de equipe do delegado Fermino Vanessa Kannenberg/Agencia RBS
Delegado Moacir Fermino (foto) citou "revelação divina" ao apresentar os resultados da investigação Foto: Vanessa Kannenberg / Agencia RBS

A Corregedoria da Polícia Civil (Cogepol) pretende abrir novos inquéritos para apurar a conduta do delegado Moacir Fermino e da equipe de quatro agentes que atuaram com ele, no caso das crianças esquartejadas, encontradas em setembro de 2017, em Novo Hamburgo.

Conforme o corregedor-geral da Polícia Civil, Marcos Meirelles, os inquéritos ainda não instaurados pretendem averiguar possíveis delitos no curso das investigações, relatados por testemunhas e por pessoas presas na época. Caso comprovadas novas irregularidades, tanto o delegado quanto os quatro agentes poderão ser indiciados por outros crimes não detalhados pelo órgão.

Na apresentação do primeiro inquérito, na sexta-feira (16), o delegado Moacir Fermino, um policial e um informante do delegado, que atuava interinamente nas investigações, foram indiciados por corrupção de testemunhas e falsidade ideológica. A corregedoria informou que Fermino e os quatro agentes seguem afastados das funções.

Leia mais
Corregedoria indicia delegado que investigou morte de crianças esquartejadas
"Pena branda", avalia advogado sobre indiciamento de delegado Fermino
As sete falhas encontradas em investigação de delegado sobre crianças esquartejadas

Histórico da reviravolta

- Os corpos de duas crianças foram encontrados nos dias 4 e 18 de setembro de 2017, no bairro Lomba Grande, em Novo Hamburgo.

- Perícias nos restos mortais comprovaram que se tratavam de dois irmãos, por parte de mãe. A investigação foi conduzida inicialmente pelo delegado Rogério Baggio, mas foi assumida nas férias dele pelo delegado Moacir Fermino.

- Na época, uma testemunha relatou a Fermino ter presenciado um ritual satânico em uma casa em construção, no qual teria visto duas crianças e sete suspeitos, para os quais o delegado pediu à Justiça e obteve prisão preventiva.

- Depois do retorno do delegado Baggio ao caso, constatou-se que tudo era uma "farsa" e que testemunhas haviam mentido após receber promessa de dinheiro.

- As prisões foram revogadas e a investigação voltou à estaca zero. Um homem, que teria orientado os testemunhos falsos, foi preso — ele não teve a identidade revelada.

- Cinco policiais foram afastados das suas funções, entre eles o delegado Moacir Fermino. A Corregedoria da Polícia Civil (Cogepol) abriu apuração sobre o equívoco.

- No dia 16 de março, a Cogepol indiciou Fermino, outro policial e o homem que está preso por falsidade ideológica e corrupção de testemunhas.

- No mesmo dia, a delegacia de homicídios de Novo Hamburgo pediu a retirada do prazo para a investigação das mortes das crianças. A Justiça ainda não deu decisão.

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros