Homem é condenado a 18 anos de prisão por matar e atear fogo a corpo de mulher - Polícia

Versão mobile

 

Vale do Rio Pardo29/03/2018 | 10h20Atualizada em 29/03/2018 | 10h20

Homem é condenado a 18 anos de prisão por matar e atear fogo a corpo de mulher

Deivid Stein de Oliveira, de 27 anos, já havia sido condenado pelo assassinato de uma jovem, estuprada e jogada de um penhasco em Santa Cruz do Sul

GaúchaZH
GaúchaZH

Em julgamento realizado nesta quarta-feira (28), em Santa Cruz do Sul, Deivid Stein de Oliveira, de 27 anos, foi condenado a 18 anos de prisão por matar e atear fogo ao corpo de Leodete Aparecida da Silva, em 2013. A sessão, no fórum da cidade, durou cerca de sete horas.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho   

O réu foi condenado por homicídio qualificado – pelo emprego de asfixia e fogo –, e a pena deve ser cumprida em regime inicialmente fechado. No mesmo julgamento, ele foi absolvido da acusação de estupro.

O crime aconteceu em Santa Cruz do Sul, no dia 30 de novembro de 2013. Exames de necropsia apontaram que o criminoso ateou fogo ao corpo de Leodete, de 35 anos, enquanto ela ainda estava viva e que a vítima teria morrido em decorrência de asfixia.

Deivid Stein de Oliveira está preso desde janeiro de 2014. Em maio de 2016, ele já havia sido condenado a 30 anos de prisão por outro homicídio: o assassinato de Ana Paula Sulzbacher, de 15 anos, ocorrido um ano antes da morte de Leodete.

Jovem suspeito de arremessar adolescente de penhasco é indiciado por nova morte em Santa Cruz do SulPolícia acredita que o homem de 24 anos tenha espancado e ateado fogo em uma mulher de 35 anos em dezembro vítima: Leodete Aparecida da Silva
Corpo de Leodete foi encontrado em um matagal, em novembro de 2013Foto: Polícia Civil / Divulgação

A adolescente foi estuprada e atirada do Morro da Cruz, também em Santa Cruz do Sul. Exames indicaram que ela foi jogada ainda com vida do penhasco, com cerca de 40 metros de altura. O celular da vítima ainda foi roubado. 

O homem chegou a ser preso depois da morte de Ana Paula, mas foi solto pela Justiça – que, à época, entendeu que havia poucas provas contra ele. Em liberdade, ele atacou Leodete.

Atualmente, o condenado cumpre pena em Charqueadas. O advogado de defesa afirmou que ainda analisará se a decisão do júri cabe recurso.

— A interposição de recurso será objeto de apreciação — disse o defensor público Renan Angeli.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho   

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros