Mulher é condenada a 37 anos e seis meses de prisão por matar o filho e o marido - Polícia

Versão mobile

 

Canoas28/03/2018 | 07h39

Mulher é condenada a 37 anos e seis meses de prisão por matar o filho e o marido

Crimes ocorreram em um intervalo de quatro meses, em 2013

Mulher é condenada a 37 anos e seis meses de prisão por matar o filho e o marido Reprodução/Arquivo Pessoal/Facebook
Elisângela Rius com Patrick Moraes Marques Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal/Facebook

Após quase 11 horas de julgamento no Fórum de Canoas, nesta terça-feira (27), Elisângela Rius — conhecida pela polícia como "Viúva-Negra" — foi condenada a 37 anos e seis meses de prisão em regime fechado pelos assassinatos do marido e do filho e pela ocultação dos cadáveres. Os crimes ocorreram em um intervalo de quatro meses, em 2013.  

Leia mais
Suspeita de matar o marido e o filho é presa em Canoas três anos depois dos crimes
Acusada de matar filho por envenenamento e marido a machadadas vai a júri nesta terça-feira 

Antes de ir para o Presídio Feminino Madre Pelletier, em Porto Alegre, onde está detida desde 2016, Elisângela vivia de forma clandestina. Saía de casa somente às escondidas, usando uma peruca loira.

O disfarce e o fato de ter matado o próprio companheiro deram a ela o apelido de "Viúva-Negra". Ela foi presa após a mãe denunciá-la à polícia, alegando temer por sua vida, já que vinha sendo ameaçada. 

Nesta terça, a juíza Betina Mostardeiro Mühle de Constantino, que presidiu o júri, aceitou a argumentação da promotoria de que a ré participou ativamente do assassinato do marido, Patrick Moraes Marques, na época com 27 anos, e do filho, Eduardo William Rius Mebius, morto aos 16. 

Presa a
Eduardo foi encontrado morto em circunstâncias semelhantes às de Marques, com o corpo abandonado em TriunfoFoto: Reprodução / Arquivo Pessoal/Facebook

O advogado de Elisângela, Francisco Rodrigues Alves, disse que irá recorrer da decisão. 

— A defesa considera que o inquérito policial produzido não aponta para a autoria nem participação dela — afirmou. 

Relembre o caso

Em julho de 2013, Patrick Marques foi encontrado morto, com o corpo carbonizado, em Cachoeirinha, próximo ao limite com Canoas. A perícia constatou que ele havia sido assassinado a machadadas e teve o corpo jogado no local.

No começo de outubro daquele mesmo ano, Eduardo foi encontrado morto em circunstâncias semelhantes, tendo o corpo sido abandonado em Triunfo. 

Nos dois casos, Elisângela registrou o desaparecimento dias depois do sumiço. Exames periciais mostraram sinais de envenenamento por medicação nas duas vítimas.

A suspeita da polícia é de que Elisângela teria cometido o primeiro crime por interesse financeiro. Depois, teria matado o filho para garantir sua impunidade.

Em depoimento, ela negou a autoria dos fatos. Em 29 de março de 2016, foi presa após ter a prisão temporária decretada pela Justiça.

Elisângela estava detida no Presídio Feminino Madre Pelletier desde 2016Foto: Polícia Civil / Divulgação


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros