Estupro de universitária adolescente em festa de calouros é investigado - Polícia

Versão mobile

 

Fronteira Oeste12/04/2018 | 08h00

Estupro de universitária adolescente em festa de calouros é investigado

Estudante da Uergs teria sido violentada por colega em Santana do Livramento

GaúchaZH
GaúchaZH

A Polícia Civil de Santana do Livramento investiga o estupro de uma universitária de 17 anos durante a festa de calouros na unidade de Santana do Livramento da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs).

De acordo com a delegada Giovana Muller, responsável pelo caso, o abuso teria acontecido no dia 8 de março, numa confraternização de veteranos e calouros organizada no apartamento de um dos estudantes. Na ocasião, a estudante teria sido estuprada por um colega da Uergs.

— Foi no apartamento de um deles. Eles se reuniram, beberam e a menina não estava em condições de entender o que estava acontecendo quando houve o estupro — explica a delegada.

Leia mais
Vereadores de Não-Me-Toque propõem CPI contra prefeito após denúncias de assédio sexual
Indiciamento de autor confesso da morte de Naiara aponta que ele não deve ir a júri
Entra em vigor nesta quinta lei que trata da escuta da criança e adolescente vítimas de violência

Ainda de acordo com a delegada, a adolescente de 17 anos registrou o caso cinco dias depois, em 13 de março, quando começou a relembrar o que havia acontecido. Após o registro da ocorrência, a Polícia Civil priorizou a investigação do caso.

— No começo, houve boatos de que teria ocorrido um estupro coletivo, mas essa possibilidade está afastada. A menina estava com a capacidade dela reduzida em razão da bebida alcoólica. Foi estupro de vulnerável, isto nós já constatamos. É um autor (do crime), ainda estamos aguardando resultados da perícia técnica, mas os depoimentos nos apontam para um agressor — complementa.

Conforme a policial, a estudante abandonou a universidade após o caso. A autoria do crime foi apurada pela polícia após depoimentos de testemunhas. As informações sobre o homem que teria cometido o estupro não serão divulgadas para não atrapalhar as investigações.

— A cultura do estupro precisa ser abordada. O fato de a menina ter ingerido bebida alcoólica não autoriza o estupro. Essas questões precisam ser discutidas — conclui a delegada.

Em nota, a Uergs divulgou que está auxiliando a polícia nas investigações, mesmo o caso não tendo acontecido nas dependências da instituição.

Nota na íntegra
"Diante da gravidade do fato noticiado, envolvendo estudantes da Instituição, a UERGS adotou todas as medidas cabíveis no âmbito educacional:
a) acolheu a estudante e familiares e ofereceu orientação sobre os procedimentos que deveriam ser tomados perante esferas criminais, para apuração e repressão de crime;
b) promoveu evento de caráter educativo, inclusive chamando à participação não só instituição pública, mas também entidades da sociedade civil, para tratar sobre o tema da violência contra a mulher com a comunidade acadêmica;
c) por fim, aguarda as investigações e uma resposta dos órgãos competentes em âmbito criminal, como ente da sociedade.
Assim, manifesta publicamente que diante de situação de extrema gravidade não quedou silente, mas, contrário senso, adotou todas as medidas nos limites da sua competência funcional."

A administração da universidade esclareceu ainda que “tomará todas as medidas cabíveis no que lhe compete” quando esclarecida a autoria do crime.

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros