Homem que matou ex-mulher e ex-sogra a facadas pediu para vizinha cuidar das filhas - Polícia

Versão mobile

 

Feminicídio26/04/2018 | 07h43Atualizada em 26/04/2018 | 07h43

Homem que matou ex-mulher e ex-sogra a facadas pediu para vizinha cuidar das filhas

Crianças de quatro e sete anos foram deixadas em imóvel no andar de baixo do apartamento onde Mariane da Silva Isbarrola e sua mãe foram assassinadas

Homem que matou ex-mulher e ex-sogra a facadas pediu para vizinha cuidar das filhas Vitor Rosa / Divulgação/Divulgação
Foto: Vitor Rosa / Divulgação / Divulgação

Moradores do Edifício Paraguay, na Rua Engenheiro Alexandre Martins da Rosa, viveram momentos de terror ao perceberem que o mesmo prédio em que moram havia sido palco dos assassinatos de Mariane da Silva Isbarrola, 30 anos, e Terezinha de Fátima Pereira da Silva, de 56. Três vizinhos do local do crime, com quem a reportagem de GaúchaZH conversou, afirmam que o ex-companheiro de Mariane é o autor do feminicídio.

Leia mais
Mãe e filha são mortas a facadas em apartamento no Humaitá
Assaltante morre e outros dois são presos após baterem em caminhão durante fuga em Gravataí
Justiça amplia prazo para governo do Estado criar novas vagas em presídios do Estado 

Por volta das 6h30min, Edgar Menezes do Nascimento, morador do quarto andar, acordou com gritos de socorro e saiu para ver o que ocorria. Logo percebeu que a confusão era no apartamento de Mariane e de sua mãe. Ele foi até o local e bateu forte na porta. 

— Quem atendeu foi ele, com uma faca na mão, meio sujo. Estava falando normal. Eu fiquei com medo e saí correndo pedindo por ajuda — relata o vizinho.  

Neide Maria Oliveira da Paixão, que mora na frente do prédio da família, tem relato semelhante. Ela acordou também com gritos de socorro. Logo, o marido dela viu o suspeito do crime deixando o imóvel correndo. Os vizinhos não entenderam o que ocorria e, por isso, não o detiveram. 

— O meu marido viu o rapaz abrir o portão e sair correndo. O pessoal falou que era ele mesmo que fugia. Fomos no apartamento delas, batemos na porta e nada. A Brigada Militar chegou em seguida e arrombou a porta. Elas já estavam mortas — conta Neide.  

De acordo com os vizinhos, antes de fugir, o ex-companheiro saiu com as duas filhas, de quatro e sete anos, frutos da relação dele com Mariane, no colo. Ele deixou as duas crianças na casa de Gabriela Latuada, no andar de baixo da cena do crime.

Leia mais
Dono de farmácia em Xangri-lá reage a mais um assalto e mata terceiro criminoso em cinco anos
Seis são presos em operação contra o tráfico de drogas em Nova Petrópolis

— Ele só pediu para deixar as crianças que a mãe dele ia buscar. Ele saiu, depois voltou e deixou o celular dizendo que ligaria. Depois não voltou — relata Gabriela. 

Conforme Gabriela, ele estava pálido e parecia desorientado. 

O homem deixou o prédio correndo e entrou em um HB20, que estava estacionado depois de um canteiro que divide a rua do prédio com a Avenida José Aloísio Filho. O nome dele ainda não foi revelado.

Casal descrito como tranquilo e educado

Foto: Vitor Rosa / Agência RBS

Os vizinhos afirmam que Mariane e o ex-companheiro eram educados com vizinhos e com todos a sua volta. Daniel Masson, que conhecia Mariane há 15 anos, descreveu-a como "trabalhadora e uma grande mãe". 

— Eles estavam em briga de separação. Separa, volta, separa, volta, e nas últimas vezes ele não estava mais aceitando. Tava um sufoco para o lado dela e ele já a tinha ameaçado, mas ela sempre achava que ele jamais faria isso. A gente também nunca imaginou que faria uma coisa dessas — revela.

Segundo a delegada Clarissa Demartini, a motivação do crime foi justamente o descontentamento dele com o término da relação que tinha com Mariane. O casal estava em processo de separação há dois meses, período em que o homem teria começado a ameaçar. Ela não registrou ocorrência policial contra ele.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros