Imagens não auxiliam a polícia na identificação de assassinos de taxista em Parobé - Polícia

Versão mobile

 

Vale do Paranhana 02/05/2018 | 07h49

Imagens não auxiliam a polícia na identificação de assassinos de taxista em Parobé

Sílvio Luiz da Silva foi morto em 25 de abril; polícia investiga o caso como latrocínio 

 

Sete dias depois da morte do taxista Sílvio Luiz da Silva, 54 anos, na Estrada do Salto, em Parobé, a Polícia Civil informou que as imagens de câmeras de segurança não auxiliaram na identificação dos suspeitos até o momento. Segundo o delegado Rafael Sauthier, não é possível identificar com precisão o rosto dos envolvidos. Pelo ângulo das imagens, a polícia também não conseguiu confirmar o suspeitos. 


Apesar de nada ter sido levado do motorista, o caso é tratado como latrocínio. Apuração da polícia apontou que houve luta corporal. A vítima levou três tiros na cabeça. 

Leia mais
Homicídios, latrocínios e roubos de veículos: os números das cinco maiores cidades do Interior
Polícia Civil solucionou 12 dos 16 latrocínios de 2017 em Porto Alegre
Como reforço policial impactou na queda de latrocínios em Porto Alegre 


De acordo com o boletim de ocorrência, o taxista foi visto pela última vez no ponto em que atuava, na noite da terça-feira da semana passada,  e logo depois fez uma corrida levando um casal para destino que a polícia está apurando. Sauthier informou que está averiguando esta informação e que o casal já foi identificado. No entanto, em princípio, estas duas pessoas não teriam envolvimento com o crime e o objetivo do depoimento delas, como testemunhas, seria para detalhar mais a rota feita pela vítima antes do assassinato. 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros