Jovem que teve execução gravada em vídeo é reconhecida pela família - Polícia

Versão mobile

 

Investigação17/05/2018 | 07h20

Jovem que teve execução gravada em vídeo é reconhecida pela família

Vídeo que circula nas redes sociais mostra vítima sendo executada dentro de cova

Jovem que teve execução gravada em vídeo é reconhecida pela família Reprodução/Reprodução
Paola Avaly Corrêa, 18 anos, foi morta dentro da cova em local ainda desconhecido pela Polícia Civil Foto: Reprodução / Reprodução

A família de uma jovem de Porto Alegre a reconheceu como vítima de execução registrada em vídeo pelo seus algozes. As imagens, que repercutem em redes sociais, foram mostradas aos parentes de Paola Avaly Corrêa, 18 anos, na manhã desta quarta-feira (16), no Departamento de Homicídios da Polícia Civil.

A 2ª Delegacia de Homicídios já investigava o desaparecimento da mulher desde o domingo (13). A família a viu pela última vez quando ela informou que sairia de casa, no bairro Bom Jesus, na Zona Leste, para buscar roupas. Naquele mesmo dia, familiares registraram o desaparecimento. Na terça-feira (15), o vídeo começou a circular em redes sociais e chegou até os investigadores, que mostraram para a família e confirmaram que ela foi vítima do crime.

Leia mais
Suspeito de executar primos que cavaram a própria cova é preso em Santo Antônio da Patrulha
Dois primos cavaram a própria cova antes de serem mortos em Gravataí
Raio X da Violência: mapa interativo faz retrato dos homicídios em Porto Alegre

O vídeo é gravado em um matagal e mostra uma pessoa com uma arma atirando duas vezes contra Paola. Outra pessoa filma. Antes de ser baleada, a vítima se deita em uma cova, que parece ter sido recentemente aberta pelos criminosos. Ela não reage à ação.

A polícia tenta descobrir, agora, onde ocorreu o crime. O delegado Gabriel Bicca, diretor de investigações do Departamento de Homicídios, diz ainda não ter pistas sobre a cova e que a localização é considerada fundamental para o inquérito.

Também no domingo, mas na madrugada, por volta de 4h45min, Paola fez postagem em seu Facebook afirmando que seu ex-marido teria colocado uma foto sua em um grupo de troca de mensagens atribuído a traficantes de uma das maiores facções do Rio Grande do Sul. Na mensagem, ela diz que "apanhava horrores" dele.

Bicca garante que a polícia está tratando de delimitar com quem Paola se relacionava. O objetivo é tentar descobrir o motivo do crime. Para ele, o crime ocorreu "no contexto dos grupos criminosos" de Porto Alegre e, com a divulgação do vídeo, o caso deixou de ser um "simples desaparecimento". A polícia não descarta a possibilidade de as postagens que ela fez terem motivado o crime.

GaúchaZH teve acesso ao vídeo, mas em respeito à família e aos leitores não publica o material.

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros