Polícia Federal tem 160 apurações  sobre notas falsas na Região Metropolitana - Polícia

Versão mobile

 

Criminalidade25/05/2018 | 10h16

Polícia Federal tem 160 apurações  sobre notas falsas na Região Metropolitana

Principal dificuldade, conforme a PF, é identificar origem dos adulteradores

Polícia Federal tem 160 apurações  sobre notas falsas na Região Metropolitana Polícia Federal/Divulgação
Cédulas falsas apreendidas pela Polícia Federal na Grande Porto Alegre Foto: Polícia Federal / Divulgação

As redes sociais se tornaram vitrine para compra de apartamentos, móveis e até roupas. Nos últimos dias, também apareceu a venda ilegal de dinheiro em pelo menos dois grupos conhecidos da Região Metropolitana no Facebook. Notas de R$ 20, R$ 50 e R$ 100 são comercializadas abertamente por pessoas que informam números de telefone para contato. Outras, reconhecendo que a prática é ilegal, afirmam que não fazem a entrega pessoalmente, mas ressaltam para compradores não insistirem na tentativa, uma vez que pretendem seguir no anonimato.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho 

O titular da Delegacia Fazendária da Polícia Federal, delegado Cristiano Gobbo, explica que apesar de as redes sociais terem aumentado consideravelmente a venda de notas ilegais, as investigações sobre crimes vindos a partir da internet representam menos de 10% do total de ocorrências. Para o policial, mesmo que os casos sejam investigados somente por meio de denúncias, o número pode ser considerado alto.

— Se a gente pensar que muitos não denunciam por vergonha, por receio de ser punido, a quantidade de denúncias sobre essa prática na internet ainda é pequena no nosso universo total, que são 160 casos registrados só na Superintendência da Polícia Federal, que abrange Porto Alegre e Região Metropolitana — esclarece.

Conforme Gobbo, mesmo com 160 denúncias em andamento na PF, não é fácil a identificação dos grupos que violam o Código Penal brasileiro.

— Em geral, encontramos notas com pessoas de boa fé, que acabaram recebendo o dinheiro em lotérica, mercados. Em bancos, funcionários acabam percebendo. Nosso papel é tentar descobrir quem entregou essas moedas a elas para chegar ao criminoso — explica.

Para Gobbo, a principal dificuldade é chegar à raiz da produção ilegal, visto que o ato funciona como cadeia empresarial:

— Há o grupo que produz a moeda e outro que repassa para terceiros, que irão vender e distribuir. É um trabalho importante contra um crime que precisa ser combatido.

Segundo a Delegacia Fazendária, a ocorrência mais antiga é do ano de 2014 e em média, os inquéritos ficam sob investigação por um ano. O delegado afirma que, nesse período, as notas passam pela perícia para a verificação da veracidade das cédulas:

— As perícias demandam tempo para ser feitas e precisamos aguardar a conclusão dos laudos.

Há o grupo que produz a moeda e outro que repassa para terceiros, que irão vender e distribuir. É um trabalho importante contra um crime que precisa ser combatido.

CRISTIANO GOBBO

Titular da Delegacia Fazendária da Polícia Federal

Como identificar notas falsas:

Comparado ao dinheiro verdadeiro, as notas falsas têm algumas diferenças que, com atenção, podem ser percebidas. O Banco Central, inclusive, mantém tutorial com dicas para identificação.

— Notas falsas têm, geralmente, pontos borrados no dinheiro, ao contrário das verdadeiras.

— Apesar de o papel ser semelhante, o dinheiro falso não apresenta tamanhos diferentes de cada nota.

— O papel da cédula falsa é mais liso e no verso tenta imitar a parte da frente de uma nota verdadeira, no entanto, os relevos da moeda falsa são menos perceptíveis.

— Nas legítimas, é possível ver nitidamente o valor do dinheiro na contraluz.

— No dinheiro falso, a marca d'água está bastante visível.

— Se molhada ou umidecida, a nota falsa fica borrada, devido ao jato de tinta utilizado nessas moedas.

— O verdadeiro tem fita transversal, que, apesar de imitada, em notas falsas não é encontrada.

— Em caso de dúvida, ligue para o atendimento do Banco Central no número 145. A ligação terá o custo de chamada local.

Até 12 anos de reclusão e multa

— O Código Penal prevê no artigo 289 que quem falsificar, fabricar ou alterar moeda metálica ou papel-moeda de curso legal no país ou no estrangeiro estará sujeito a reclusão em regime fechado de três a 12 anos, além de multa. A mesma sentença poderá cumprir quem adquirir, vender, emprestar, importar, exportar, guardar e introduzir as cédulas falsas no mercado, tendo conhecimento da falsificação.

— Em um de seus parágrafos, a lei dispõem sobre as pessoas que recebem e circulam a moeda com boa fé, ou seja, sem ter conhecimento da ilegalidade. Nesses casos, a pena é mais branda, com previsão de seis meses a dois anos de detenção e multa.

— O delegado Cristiano Gobbo, da PF, afirma que, quando há percepção de boa fé no público que procura a delegacia, ocorre o interrogatório e a liberação da pessoa:
— Se a gente for punir quem nos procura com boa vontade para informar essa ilegalidade, as pessoas terão medo de vir até nós.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho 


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros