Prefeito de Planalto é investigado por oferecer dinheiro para fazer sexo com menina de 13 anos - Polícia

Versão mobile

 

Norte do RS15/05/2018 | 09h38

Prefeito de Planalto é investigado por oferecer dinheiro para fazer sexo com menina de 13 anos

Segundo MP, político teria marcado encontro com pais da menina na tentativa de convencê-los a retirar a queixa

Prefeito de Planalto é investigado por oferecer dinheiro para fazer sexo com menina de 13 anos Ministério Público/
Promotores cumpriram mandado na prefeitura Foto: Ministério Público

O Ministério Público cumpre, na manhã desta terça-feira (15), três mandados de busca e apreensão em uma investigação contra o prefeito do município de Planalto, no Norte do Estado, por estupro de vulnerável. Conforme as investigações, Antonio Carlos Damin, o Tonho (PDT), teria oferecido R$ 1 mil para uma garota de 13 anos para que fizesse sexo com ele. 

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho  

Os mandados de busca e apreensão, autorizados pela Justiça, são cumpridos no gabinete do prefeito e em duas casas dele. 

Além das buscas, a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça também proibiu que o prefeito entre em contato com a vítima e os pais dela, por qualquer meio, seja pessoalmente ou por terceiros, ou mesmo por meios eletrônicos ou telefônicos, além de guardar distância mínima de 200 metros da família. Ele também está proibido de sair da cidade sem autorização judicial.

A Procuradoria de Prefeitos também identificou que, após o início da investigação, o prefeito ainda marcou encontro em um local de baixa movimentação com os pais da menina, para tentar convencê-los a retirar a representação. A menina ainda denunciou que Tonho mostrou a ela fotos e vídeos de outras jovens nuas, inclusive da cidade. 

As buscas cumpridas pelo MP têm o objetivo de confirmar a existência de fotos de outras meninas e também verificar se ele cometeu o mesmo tipo de crime com outras pessoas.

GaúchaZH tenta, desde as 8h30min, entrar em contato com o prefeito por telefone para comentar as acusações. Até as 9h10min, Antônio Carlos Damin não havia atendido as ligações, tanto no gabinete da prefeitura quanto em seu telefone pessoal.

Uma das casas do prefeito foi alvo de mandado de busca e apreensãoFoto: Ministério Público / Divulgação

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho  


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros