Adolescente apreendido na Capital com R$ 28 mil e pistola já havia sido detido seis vezes  - Polícia

Versão mobile

 

Tráfico de drogas26/09/2018 | 21h48Atualizada em 26/09/2018 | 21h49

Adolescente apreendido na Capital com R$ 28 mil e pistola já havia sido detido seis vezes 

Além do dinheiro, rapaz foi flagrado pela Brigada Militar com porções de crack e maconha no bairro Partenon

 

/Divulgação
Dinheiro apreendido estava armazenado dentro de sacolaFoto: Divulgação / Brigada Militar

A apreensão de um adolescente de 17 anos na Vila Maria da Conceição, no bairro Partenon, zona leste de Porto Alegre, com porções de crack e maconha, uma pistola .40, carregadores e R$ 28,2 mil em dinheiro não foi novidade para a polícia nem para o próprio rapaz:  a reportagem apurou que foi a sétima vez que ele foi detido por tráfico de drogas e já cumpriu medidas socioeducativas. Sua trajetória, na avaliação de autoridades da área da infância e da juventude, é parecida com a de muitos outros da mesma faixa etária.

A apreensão ocorreu na tarde de terça-feira (25). Avistado pela Brigada Militar, o adolescente teria escondido uma sacola no pátio de uma casa. Durante a revista, os PMs encontraram a pistola, os carregadores e as porções de drogas. Na bolsa abandonada, estavam os R$ 28,2 mil. O rapaz foi levado ao Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (Deca), onde foi autuado por atos infracionais análogos ao tráfico de drogas e ao porte ilegal de arma de fogo.

Leia mais
Criminosos roubaram R$ 60 mil entre dinheiro e pertences de passageiros de ônibus
Polícia já tem um suspeito da morte de bebê e pais na zona norte de Porto Alegre
Adolescente é morto e outro fica ferido em confronto com a BM em Porto Alegre

A grande quantia em dinheiro apreendida, à primeira vista, pode parecer um indicativo de que, apesar da pouca idade, o adolescente ocupe uma posição de destaque no esquema do tráfico de drogas na Vila Maria da Conceição, uma das áreas mais conflagradas da Capital desde 2013. No entanto, para o delegado Raul Vier, da 2ª Delegacia de Polícia para o Adolescente Infrator do Deca (DPAI/Deca), o montante e a arma automática não obrigatoriamente se constituem em indicativo de poder na hierarquia do crime.

— O que acontece é que, na esfera infracional, o Estatuto da Criança e do Adolescente prevê medidas que, na prática, resultam em um tratamento mais brando. A apreensão do adolescente ocorre quando o ato infracional envolve violência, grave ameaça ou reintegração. O tráfico por si só, mesmo que faça parte de um esquema  relacionado a outros crimes, como roubos e homicídios, não obrigatoriamente resulta na internação do adolescente — diz.      

O delegado refere-se à súmula número 492 do Superior Tribunal de Justiça (STJ), segundo a qual, "o ato infracional análogo ao tráfico de drogas, por si só, não conduz obrigatoriamente à imposição de medida socioeducativa de internação do adolescente." Com isso, de acordo com Vier, os adolescentes acabam sendo usados pelos patrões e gerentes do tráfico.

— São utilizados como soldados do tráfico. Se houver a apreensão, o traficante vai perder a droga e o dinheiro, mas a mão de obra (adolescente) logo estará liberada.

"Por ganância e pelo mito do dinheiro fácil"

Mesmo sem fazer referência direta ao adolescente apreendido na terça-feira, o delegado Raul Vier avalia que as condições de vida dos infratores são variadas.

— Há os que vivem em situação de vulnerabilidade, mas também os que pertencem a famílias minimamente estruturadas. Talvez por ganância, pelo mito do dinheiro fácil, envolvem-se não só com o tráfico, como também com o roubo de veículos. Quando movimentam grandes quantidades, armas de fogo e drogas, com certeza é porque são financiados (por facções). Dificilmente, esses adolescentes juntam muito dinheiro, pois costumam gastar tudo em festas, drogas, bebidas  — diz o delegado.

O adolescente apreendido na terça-feira deverá ficar em internação provisória até ser julgado pelo Juizado da Infância e da Juventude.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros