Como age loira misteriosa que ilude motoristas em Porto Alegre - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Golpe25/09/2018 | 20h23Atualizada em 25/09/2018 | 20h23

 Como age loira misteriosa que ilude motoristas em Porto Alegre

Mulher utiliza serviço de táxi ou de transporte por aplicativos, finge entrar em hotel e desaparece sem pagar a corrida

 Como age loira misteriosa que ilude motoristas em Porto Alegre Gabriel Renner/Arte
Foto: Gabriel Renner / Arte

A cena é sempre a mesma: uma loira de cerca de 1m70cm, que se identifica como Suzi, descrita como "escultural" por uma testemunha, utiliza o serviço de táxi ou de transporte por aplicativo e orienta o motorista a parar na frente do portão da garagem do Hotel Rodoviária, no cruzamento da Rua Ernesto Alves com a Rua Voluntários da Pátria, bairro Floresta, região central de Porto Alegre

Leia mais
Veja dicas para não cair na fraude da "carta de consórcio contemplada"
Golpe aplicado por corretor de imóveis fez mais de 30 vítimas no RS
Presos funcionários de hospitais que desviaram R$ 300 mil aplicando golpes em pacientes

Pede então ao motorista que a aguarde por cerca de 10 minutos pois, supostamente, tem de entrar no estabelecimento, onde estaria hospedada, para pegar o dinheiro da corrida. Aproveitando-se da localização de esquina do hotel, ela estrategicamente simula uma entrada no prédio, mas segue em frente pela Voluntários da Pátria, até "sumir" nas imediações da Rua Comendador Coruja.

O golpe, aplicado a 150 metros da sede da Secretaria da Segurança Pública e a 350 metros da 17ª Delegacia de Polícia (DP), já fez pelo menos oito vítimas, nos últimos dois meses.

— O pior é que alguns motoristas ficam exaltados e não acreditam quando a gente diz que a tal loira não é nossa hóspede. Já chegaram a ameaçar funcionários. Teve um que queria revistar todos os quartos. Outro, queria examinar o fichário — conta o proprietário do hotel, Guido Jacó Hilgert, 78 anos.

Guido lembra que outro motorista chegou a chamá-lo de mentiroso, quando foi informado de que havia caído no golpe.

— E além de tudo, queria brigar comigo. Imagina se eu, na minha idade, iria estar mentindo para proteger uma mulher que nem conheço — argumenta. 

Pela reação de algumas vítimas, o proprietário do hotel desconfia que o golpe não se resuma ao não pagamento da corrida. Ele acredita que a mulher faça outras promessas aos motoristas.

— Um dos hóspedes já viu a loira e disse que ela é muito atraente, usa roupas curtas e, pelo visto, ela sabe encantar — diz. 

Guido atribui à localização de esquina e à "má fama" da região a escolha de seu hotel pela loira para a aplicação do golpe.

— Tenho hotel aqui há 41 anos. Essa região mudou muito, está cheia de igrejas, tem shopping aqui perto, mas muita gente a enxerga como se ainda estivéssemos no passado, quando tinha prostituição na Rua Voluntários da Pátria — diz.

Devido à repetição do golpe e à irritação de alguns motoristas, o proprietário do hotel registrou ocorrência na 17ª DP. As vítimas não tiveram a mesma iniciativa.

— Acredito que eles (os motoristas) fiquem com vergonha por caírem num golpe assim —avalia. 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros