Corpo encontrado perto de carro em Gravataí é de mulher que desapareceu com o cunhado - Polícia

Versão mobile

 

Região Metropolitana13/09/2018 | 21h49

Corpo encontrado perto de carro em Gravataí é de mulher que desapareceu com o cunhado

Elaine Silva da Silva, 52 anos, não era vista desde terça-feira (11), quando saiu de casa com Evandro Ferreira, 42 anos. Ele ainda não foi localizado

Corpo encontrado perto de carro em Gravataí é de mulher que desapareceu com o cunhado Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Elaine Silva da Silva, 52 anos, e o cunhado Evandro Ferreira, 42 anos Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

 A Polícia Civil confirmou, no final da tarde desta quinta-feira (13), que o corpo encontrado em Morungava, na área rural de Gravataí, ao lado do carro de Evandro Ferreira, 42 anos, é de Elaine Silva da Silva, 52 anos, cunhada dele. Os dois saíram da residência onde viviam em Cachoeirinha, na Região Metropolitana, na terça-feira (11) e não foram mais localizados pelos familiares — ele segue sumido.

A equipe coordenada pelo delegado Leonel Baldasso, da 1ª Delegacia de Polícia de Cachoeirinha, chegou ao local em que estava o corpo de Elaine após receber informações sobre o possível paradeiro dos dois desaparecidos. O Siena vermelho tinha o porta-malas aberto, e o corpo da mulher estava próximo.

Leia mais
Polícia Civil suspeita que jovem desaparecida em Porto Alegre esteja morta
Família procura há sete anos por adolescente grávida que desapareceu em Três Passos
Polícia localiza carro de homem desaparecido e corpo de mulher em Gravataí

O corpo de Elaine, que tem uma marca de pancada na cabeça, estava em um mato, coberto por capim. Perto, estava a bolsa dela, com documentos e dinheiro.    

Desaparecimento na terça-feira

Na manhã de terça-feira, Evandro disse que levaria Elaine para o emprego, em uma revenda, em Cachoeirinha. A empresa fica a cerca de dois quilômetros da moradia. Depois, o homem seguiria para curso profissionalizante em Gravataí

O trajeto era feito diariamente pelos dois. Pouco depois das 9h, a empresa onde Elaine trabalhava informou aos familiares que ela não havia comparecido. Desde então, os dois passaram a ser procurados por familiares e pela polícia. A família chegou a obter imagens de câmeras que registraram o momento em que o veículo de Evandro saiu do pátio da residência em Cachoeirinha.

Imagens de câmeras obtidas pela família mostram o momento em que o Siena saiu da moradia. De acordo com o delegado Leonel Baldasso, a mulher não aparece nessa imagem.

— Ele costumava dar carona para a cunhada. A rotina seria ele sair com o carro da garagem, parar e ela embarcar. Mas isso não foi visto na imagem — diz o delegado.

Com o trabalho de investigações, policiais apuraram que pouco após sair de casa, Evandro esteve em um motel de Cachoeirinha. Cerca de uma hora depois, saiu, aparentemente estava sozinho, e alegou a funcionárias do estabelecimento que a mulher que aguardava não havia chegado. No entanto, uma camareira disse aos agentes que o quarto estava desarrumado, com indícios de que havia sido usado "por mais de uma pessoa".

Na manhã de ontem, a polícia recebeu relatos de moradores de Morungava de que o Siena estava abandonado no matagal, no final da Estrada Santa Cruz. Um homem "com as roupas sujas", teria sido visto circulando pela região. 

A partir da localização do veículo, os investigadores chegaram ao corpo, que estava seminu e coberto por uma blusa e por capim, utilizado pelo autor do crime na tentativa de ocultá-lo. Com a chegada da perícia, foi encontrada uma bolsa com uma quantia em dinheiro, documentos e alguns pertences de Elaine.

— Solicitamos a quebra do sigilo telefônico dele (Evandro) dos últimos três meses — diz o delegado Baldasso. 

Não usavam nem celular

Solteira e, aparentemente, sem relacionamentos amorosos, Elaine foi descrita para a polícia como uma mulher "recatada".

— Quando um desaparecimento é registrado, costumamos apurar inicialmente se existe um crime a ser investigado ou se foi apenas uma saída voluntária. Elaine tinha uma vida social muito restrita. Tanto que ela não tinha perfis em redes sociais e nem sequer celular ela usava — explica Baldasso.

Funcionária durante cerca de 20 anos da área administrativa de uma revenda de automóveis de Cachoeirinha, ela nunca havia faltado ao trabalho e costumam ser pontual. Tanto que, na terça-feira, quando seu atraso alcançou uma hora, colegas entraram em contato com sua família, indagando se havia acontecido alguma coisa que alterasse sua rotina.

Casado, há 20 anos, o instrutor de danças estaria vivendo um momento de crise no relacionamento.   



 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros