A história de Eduarda, nove anos, raptada e assassinada na Região Metropolitana - Polícia

Versão mobile

 

Morte prematura23/10/2018 | 06h00Atualizada em 23/10/2018 | 06h00

A história de Eduarda, nove anos, raptada e assassinada na Região Metropolitana

Corpo da menina foi encontrado às margens da RS-118 nessa segunda-feira (21), um dia depois de ela ter desaparecido

A história de Eduarda, nove anos, raptada e assassinada na Região Metropolitana Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Perícia isola local onde criança foi achada sem vida, em Alvorada Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Ainda era claro quando a criançada começou a brincar na rua no final da tarde de domingo, no bairro Rubem Berta, na zona norte da Capital. Eduarda Herrera de Mello, a Duda, nove anos, estreava os rollers, que tinha ganhado de Dia das Crianças. Estava com o irmão e uma vizinha, ambos de seis anos.

Leia mais
Polícia divulga retrato falado de homem que teria sequestrado menina que foi localizada morta
Laudo aponta que menina Eduarda foi morta por afogamento, diz subchefe da Polícia Civil
Corpo encontrado às margens da RS-118 é de menina desaparecida em Porto Alegre
Ticiano Osório: "Eduarda, não consigo parar de pensar em ti"

Com o anoitecer, a mãe de Eduarda, Kendra Camboim Herrera, 31 anos, que acompanhava os filhos de perto e trabalha como atendente em um posto de combustíveis, percebeu que a luz da casa estava falhando. Decidiu chamar um eletricista, que chegou pouco tempo depois. Entrou na moradia e deixou Duda brincando sozinha. Pelos cálculos da mãe, a menina ficou desacompanhada por pouco tempo.

— Só entrei para mostrar as tomadas. Foram sete minutos. O eletricista saiu e fiquei procurando ela — lembra.

Kendra foi até um bar onde a menina costumava comprar guloseimas e nenhum sinal da filha. Passou pela amiga de Eduarda. A garota contou que a menina e o irmão foram abordados por um homem, dentro de um carro escuro. A vizinha tinha deixado o local para buscar tintas para uma nova brincadeira. Quando voltou, deparou com Duda sendo puxada para dentro do carro. Segundo relato do irmão à família, o homem teria os convidado para comprar casacos.

Conforme um tio da criança, o veículo estaria rondando pela região. Investigadores buscam imagens para tentar identificar as placas. Uma casa que fica na diagonal do local onde a menina foi abordada têm 16 câmeras de segurança que estavam em funcionamento, mas não gravaram o momento em que Eduarda foi raptada.

A mãe chamou a polícia, que fez buscas durante a madrugada. No começo da manhã de ontem, praticamente sem dormir, Kendra ficou sabendo que uma menina foi encontrada morta às margens da RS-118, em Alvorada. Primeiro, titubeou em ir até o local, mas mudou de ideia logo em seguida:

— Quando vim, não me deixaram entrar. Depois, passei. Vi a calça que ela estava usando para brincar. Minha filha era maravilhosa. Não tenho outra palavra para falar dela.

A cerca de 500 metros do local onde o corpo de Eduarda foi encontrado, foi localizado um outro cadáver, ainda não identificado.

"Aluna excelente", afirma professora

Duda estudava a 15 minutos de casa, na Escola Estadual de Ensino Fundamental Lídia Moschetti, onde cursava o 3º ano. A professora, Nilce Chrusciel, conta que ela era excelente estudante — em desempenho e comportamento.

— Se relacionava bem com os colegas. Era uma criança doce, meiga, não causava problemas —  afirma professora que complementou dizendo que ontem as aulas da turma foram suspensas.

Segundo Alessandra Pajares, vizinha, eles se mudaram há seis meses. Segundo uma tia-avó da criança, a família residia antes na Rua Guilherme Alves, no Petrópolis. Apesar do pouco tempo, Eduarda já havia conquistado a amizade da filha de Alessandra, que virou testemunha do crime.

— Ela estava sempre alegre, sempre feliz. Minha filha sempre falava: quero brincar com a Duda — conta.

Alessandra tem três filhos e, após o caso, teme pela segurança deles.

— Podia ter sido minha filha. Aqui na vizinhança passaram a semana toda comentando de sumiço de criança e acontece isso — observa a mulher.

Enquanto aguardavam uma resposta da polícia às margens da rodovia, a família ganhou reforço. O pai da criança, Robson Gomes de Mello, que cumpre pena no regime semiaberto no Instituto Penal de Charqueadas, conseguiu liberação e foi até o local. O homem tem antecedentes por quatro crimes.



 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros