Homem morre após ser baleado em táxi na saída de festa em escola de samba - Polícia

Versão mobile

 

Atentado em Porto Alegre15/10/2018 | 10h22Atualizada em 15/10/2018 | 10h22

Homem morre após ser baleado em táxi na saída de festa em escola de samba

Vítima foi levada ao HPS, com vida, mas não resistiu aos ferimentos

Homem morre após ser baleado em táxi na saída de festa em escola de samba Vitor Rosa / Agência RBS/Agência RBS
Homem baleado dentro do táxi acabou morrendo no HPS Foto: Vitor Rosa / Agência RBS / Agência RBS

Um homem foi baleado em um táxi na saída de uma festa que ocorria na quadra da Escola de Samba Praiana, na Avenida Padre Cacique, em Porto Alegre, na madrugada deste sábado (13). O ataque a tiros de pistola causou correria entre a multidão que deixava o local, por volta das 4h.

 A vítima, que não foi identificada ainda, foi socorrida e levada ao Hospital de Pronto Socorro, onde acabou morrendo. Caso nenhum familiar procure a polícia, será colhida a digital do homem para cruzar com o banco de dados Instituto-Geral de Perícia. 

Leia mais
O raio X de 24 horas de roubos de veículos em Porto Alegre
Mulher é morta a facadas dentro de casa em Gravataí

Segundo a Polícia Civil, a vítima entrou no carro junto com outros dois homens. Ainda antes de o taxista partir, pelo menos um criminoso aproximou-se a pé e abriu fogo contra ele. Ao menos seis disparos de pistola 9 milímetros foram feitos. 

Os dois passageiros que não se feriram saíram correndo, enquanto o baleado ficou inconsciente no carro. O taxista também saiu apressado. Sem se identificar, ele contou à reportagem que sequer conseguiu ver os atiradores:

- Deram os tiros e eu me abaixei, não tinha noção que era no meu carro. Quando pararam os tiros, vi que os vidros estavam quebrados e saí correndo. Tinha muita gente, muita gente na rua - contou.

Homem foi morto a tiros quando deixava a Escola de Samba Praiana, em Porto Alegre
Vítima deixava uma festa na Escola de Samba Praiana, em Porto Alegre, por volta das 4hFoto: Vitor Rosa / Agência RBS

Presidente da escola de samba, Jacira Costa relata que o evento não era de organização da Praiana: o espaço havia sido locado para terceiros. Ela estava presente, e não conhecia a vítima. Relata que foi tudo "muito rápido". 

—  Durante todo o decorrer da festa não teve briga, foi uma noite linda.  Terminou às 4h, abrimos as portas para o pessoal sair da escola e nisso ocorreu (os tiros). 

O delegado Amílcar de Souza Neto, do Departamento de Homicídios, explicou que a investigação vai entender em um primeiro momento se a vítima possuía algum desafeto. Familiares e amigos devem ser ouvidos. Até agora, não há suspeitos identificados.

A única câmera de segurança da região encontrada pela polícia nãos flagrou o momento do crime. As imagens mostram somente a correria da multidão após os tiros. O ponto onde estava o táxi estava encoberto por um coqueiro.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros