Polícia investiga estudante que se passou por empresário de Luan e Damião para aplicar golpes - Polícia

Versão mobile

 

Estelionato no futebol18/10/2018 | 21h13Atualizada em 18/10/2018 | 21h13

Polícia investiga estudante que se passou por empresário de Luan e Damião para aplicar golpes

Investigado, que atuava como ajudante de empresários, passou a tentar intermediar direitos de jogadores sem autorização deles ou dos clubes

Polícia investiga estudante que se passou por empresário de Luan e Damião para aplicar golpes Reprodução/
Polícia encontrou anotações de supostos salários de jogadores, com custos e lucros de cada falsa negociação Foto: Reprodução

Uma ação da Polícia Civil, na manhã desta quinta-feira (18), apreendeu documentos falsos de jogadores da dupla Gre-Nal com um estudante de Direito, de 33 anos, que se apresentava como empresário de atletas em Porto Alegre. De acordo com a investigação, o homem realizou tentativas de negociação de passes de atletas com diversos clubes do mundo. 

Entre as tentativas do estelionatário, estaria uma falsa negociação do jogador Luan, do Grêmio, com o clube inglês Everton, e outra de Leandro Damião, do Inter, com o Al Wehda Soccer Club, da Arábia Saudita

Durante cumprimento de mandados em endereços dos bairros Cavalhada e Passo da Areia, na Capital, foram encontrados documentos falsos – como uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) com foto e assinatura falsa de um atleta –, documentos bancários, assim como da Confederação Brasileira de Futebol e do Grêmio. Havia ainda anotações em libra esterlina (moeda do Reino Unido) de supostos salários de jogadores, com custos e lucros de cada falsa negociação.

Leia mais
Polícia Civil realiza três operações contra o tráfico de drogas no RS
Justiça determina que motorista de Camaro seja julgado pelo Tribunal do Júri
Após quase sete horas, polícia resgata mulher mantida em cárcere privado pelo filho em Viamão

A investigação teve início após a descoberta da existência de um perfil falso se passando por um empresário renomado no aplicativo WhatsApp. De acordo com o delegado Marco Guns, o investigado usava outro número para falar com o próprio perfil falso criado por ele. Depois, se aproximou de empresários de futebol usando prints de suas conversas para ganhar credibilidade, passando a trabalhar como ajudante no ramo. 

— A partir de um ponto começou a ele mesmo tentar ser o intermediador entre o empresário e o clube que pretendia comprar o jogador, só que sem a devida autorização e conhecimento do clube detentor do contrato, do jogador e muito menos do empresário respectivo — explica Guns. 

Até o momento, a polícia não identificou nenhum golpe que tenha resultado em prejuízo financeiro a algum clube ou jogador. No entanto, segundo o delegado, as meras tentativas já configuram crime. Não se descarta que o investigado tenha tentado outras ofensivas. 

— Agora vamos aprofundar a investigação para ver se houve lesão patrimonial para alguém, também se houve prejuízo contratual ou de algum outro tipo a algum clube, porque envolve o emocional do atleta — declara.

O estudante é investigado pelo crime de estelionato e não teve o nome revelado pela polícia. Ele foi levado até a sede do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) para dar depoimento, mas não foi preso. A Polícia Civil disse que teve seu pedido de prisão negado pelo Judiciário. 

A polícia reforça que os clubes detentores dos atletas e seus reais empresários não tinham informações sobre os golpes no início, mas quando souberam colaboraram com as investigações. Grêmio e Internacional foram procurados pela reportagem e preferiram não se pronunciar.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros