Polícia prende homem suspeito de matar jovem dentro de motel na zona sul de Porto Alegre - Polícia

Versão mobile

 

Defescho10/10/2018 | 21h44Atualizada em 10/10/2018 | 21h44

Polícia prende homem suspeito de matar jovem dentro de motel na zona sul de Porto Alegre

Airton Luis Fagundes Aires, 45 anos, foi localizado em casa no bairro Vila Nova, na Zona Sul

Polícia prende homem suspeito de matar jovem dentro de motel na zona sul de Porto Alegre Facebook / Reprodução/Reprodução
Gabriela da Rosa Silva foi encontrada morta em motel em Porto Alegre Foto: Facebook / Reprodução / Reprodução

Agentes da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) prenderam na manhã desta quarta-feira (10) o suspeito de matar uma mulher dentro de um motel na zona sul de Porto Alegre. O corpo de Gabriela da Rosa Silva, 18 anos, foi encontrado em 3 de outubro

O suspeito é Airton Luis Fagundes Aires, 45 anos. Ele foi preso preventivamente em sua casa no bairro Vila Nova, na Zona Sul. Em depoimento à polícia, o homem confirmou ter estado com Gabriela, mas negou tê-la matado, conforme a delegada Tatiana Bastos. 

Leia mais
A história de Gabriela, 18 anos, vítima de feminicídio na zona sul de Porto Alegre
Quais são os 10 municípios gaúchos com maior número de feminicídios
"Não pude fazer mais nada", conta sobrinho de mulher morta pelo ex-marido

— Ele afirma que os dois consumiram bastante drogas, mas que não lembra direito do que teria acontecido no dia — salienta a delegada. 

A polícia chegou até o suspeito por meio de digitais encontradas no quarto, que passaram por uma análise e comparação das existentes no banco de dados do Instituto-Geral de Perícias (IGP). Foram coletados materiais genéticos na genitália da mulher e resíduos embaixo das unhas dela, o que indica que ela teria tentado se defender. Com a prisão, o DNA dele deve ser comparado com esses resquícios.

Além disso, testemunhas reconheceram o homem. Com a prisão de Aires, a polícia tem mais 10 dias para concluir o caso.

Vítima deixa filho de seis meses

A mãe de Gabriela, Gerci da Rosa, relata que a filha era usuária de drogas desde os 11 anos. O pouco dinheiro que ela conseguia juntar com o trabalho de serviços gerais era gasto para pagar as nove internações da filha. Em seis oportunidades, ficou de 20 dias a um mês reclusa. Na última ocasião, passou três meses sob cuidados médicos. 

Devido ao consumo de drogas, segundo a mãe, a jovem apresentava comportamento agressivo. Chegou inclusive a bater no ex-companheiro em um ataque de fúria, e decidiu terminar o relacionamento em maio deste ano. A jovem deixou o colégio e, conforme Gerci, parou na 5ª série.  

 Quando soube que a filha estava grávida, a mãe imaginou que Gabriela tomaria novo rumo. Mas, logo que o bebê completou um mês, o laço materno com o menino ficou estremecido. Ela reclamava que seria trabalhoso cuidar do pequeno. A avó, preocupada, assumiu a responsabilidade. Com o dinheiro da pensão do pai, cerca de R$ 300, colocou o menino em um creche no período que trabalhava.

— Se falasse alguma coisa, ela gritava e dizia que já tinha 18 anos – lembra.

Segundo a polícia, a jovem tinha antecedentes por roubo e agressão. A família acrescenta que Gabriela chegou a ficar internada na Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase) pelos delitos.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros