Anunciadas no ano passado, três prisões que criariam mais de mil vagas no RS ainda não saíram do papel - Polícia

Vers?o mobile

 

Promessas 30/11/2018 | 20h38Atualizada em 30/11/2018 | 20h38

Anunciadas no ano passado, três prisões que criariam mais de mil vagas no RS ainda não saíram do papel

Sapucaia do Sul e Alegrete receberão presídios estaduais e Charqueadas terá a primeira penitenciária federal do Rio Grande do Sul

Anunciadas no ano passado, três prisões que criariam mais de mil vagas no RS ainda não saíram do papel Robinson Estrásulas/Agencia RBS
Governo trocou ginásio da Brigada Militar, no cruzamento da Avenida Ipiranga com a Rua Silva Só, por construção de presídio Foto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

Apresentados como alternativa para atenuar a superlotação, três prisões que criariam 1,1 mil vagas no sistema prisional  ainda não saíram do papel. São os presídios estaduais de Alegrete e Sapucaia do Sul, além da penitenciária federal de Charqueadas. O Governo do Estado aponta entraves burocráticos como razões que impediram o início das obras.  

Leia mais
Governo do RS confirma troca de ginásio da BM em Porto Alegre por presídio em Sapucaia do Sul
Governo do RS decide trocar Ginásio da Brigada Militar por presídio
Anunciada há um ano, penitenciária federal de Charqueadas segue no papel

No caso de Alegrete, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) alega que enfrentou, por mais de um ano, problemas na liberação de recursos pela Caixa Econômica Federal. Com o dinheiro em mãos, a SSP precisa agora assinar a ordem de serviço para início das obras do presídio, com 286 vagas. A secretaria afirmou que pretende fazer isso ainda em 2018, mas recusou uma previsão de data para o começo das obras, alegando que "em virtude dos atrasos já ocorridos, qualquer prazo só será repassado após a assinatura da ordem".

A construção do outro presídio estadual, em Sapucaia do Sul, ainda não teve início porque a pasta aguarda a liberação de licença ambiental da prefeitura. Inicialmente, foi anunciado que Viamão receberia a prisão, mas depois o local foi alterado por causa de divergências com a Administração Municipal. A estrutura deve ter cerca de 600 vagas. O governo trocou o Ginásio da Brigada Militar na Avenida Ipiranga pela obra

A expectativa do governo é de que receba a licença da prefeitura de Sapucaia do Sul em até 10 dias — a reportagem aguarda retorno da Administração Municipal para saber quanto tempo irá demorar para conceder a liberação. Depois disso, a construção deve ser feita em nove meses, a contar da data de início dos trabalhos. Com a obra concluída, a SSP calcula que serão necessários mais 60 dias para a inauguração do presídio, o que acontecerá em outubro de 2019 se os prazos forem cumpridos. 

O primeiro anúncio do presídio, ainda como Viamão sendo a sede, foi feito pelo secretário da Segurança Pública em junho de 2017. Depois, já com Sapucaia do Sul como local,  em outubro de 2018.

A penitenciária federal de Charqueadas também não passa de projeto até agora. Segundo o diretor-geral do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Tácio Muzzi, a empresa contratada, a Modular Construção Industrial, foi alvo de órgãos de controle interno do Governo Federal, que recomendavam a realização de licitação para o começo das obras e não a contratação em regime diferenciado, como havia sido feito. Por isso, uma nova empresa precisará ser encontrada.

Em entrevista à RBSTV, o diretor afirmou que o Governo Federal está "verificando novas soluções que permitam uma construção rápida, com atendimento dos órgãos de controle". A obra foi anunciada em janeiro de 2017 pelo presidente Michel Temer. 

A primeira unidade federal no RS deve ter 218 vagas e deve receber presos considerados de alta periculosidade. A construção deve custar R$ 42 milhões, com emprego de 250 agentes federais e a contratação de 70 servidores. Procurada por GaúchaZH, a SSP afirmou que não se manifestará sobre o tema. "Toda a parte que tocava ao Estado, relacionada à área do presídio, foi executada", informou a secretaria. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros