Casada, mãe e alvo de violência doméstica: o perfil das vítimas de feminicídio no RS - Polícia

Versão mobile

 

Levantamento exclusivo02/11/2018 | 21h03Atualizada em 02/11/2018 | 21h05

Casada, mãe e alvo de violência doméstica: o perfil das vítimas de feminicídio no RS

GZH comparou e analisou dados para mostrar particularidades de 62 mortes neste ano. Quarenta e cinco mulheres deixam 81 órfãos

Casada, mãe e alvo de violência doméstica: o perfil das vítimas de feminicídio no RS José Dagoberto Almerom Vaz/Especial
Família guarda cordão que era usado por Paula no dia em que foi assassinada em São Gabriel Foto: José Dagoberto Almerom Vaz / Especial
Leticia Mendes

O golpe de faca que atingiu Paula Estefani Schultz Lopes Lacerda, 23 anos, partiu a correntinha dourada em seu pescoço. Do cordão, pendia o nome Benjamin, o filho de um ano e quatro meses, que ela deixara poucos minutos antes na casa da mãe. A caminho do trabalho, na manhã de 5 de março, foi atropelada pelo ex-companheiro sobre a calçada e assassinada no centro da cidade de São Gabriel.

A REPORTAGEM
Paula: atropelada e morta a facadas a caminho do trabalho em São Gabriel
Giulia: aos 16 anos, assassinada a facadas na esquina de casa, em São Jerônimo
Bruna: mesmo com medida protetiva, foi arrastada e morta em Santo Augusto
Agressores anônimos: como funcionam os grupos reflexivos que buscam regeneração

O desfecho da vida de Paulinha se entrelaça com os de outras dezenas vítimas de feminicídio no Rio Grande do Sul. GZH cruzou dados de inquéritos concluídos pela Polícia Civil e registros de feminicídios, além de tentativas de assassinatos e desaparecimentos, que culminaram na morte da vítima, envolvendo contexto de gênero. Só neste ano, entre janeiro e setembro, foram mapeados 60 casos no Estado, com 62 mulheres mortas (há duas ocasiões em que, além da mulher, a sogra também foi assassinada).

Os crimes ocorreram em 46 municípios de diferentes regiões gaúchas. A maior parte das vítimas, 80%, foi assassinada no meio urbano. Foram 49 mortes na cidade e 13 na área rural. Em mais da metade dos casos (34), o suspeito é o marido, companheiro ou namorado.

Quando analisados os últimos cinco anos, há queda nos números brutos: houve 101 mortes registradas por feminicídio em 2012, primeiro ano computado pela Secretaria da Segurança Pública do Estado, e 83 no ano passado.

Simone Kellerer dos Santos, 27 anos, é uma das vítimas de 2018. Ela foi morta a facadas em fevereiro em Boqueirão do Leão, no Vale do Rio Pardo, na frente do filho de quatro anos. O marido teria quebrado seu celular e a atacado com uma facada no peito. Simone chegou a ser socorrida pela família, mas não resistiu. O homem, com quem ela fora casada por oito anos, está preso.

Giulia Faleiro Nascimento, 16 anos, morta em São Jerônimo
Giulia Faleiro, assassinada aos 16 anos Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

O suspeito é o ex em 24 dos 60 casos analisados. Também em 24 casos (40% do total), foi possível apontar que o homem não aceitava o fim do relacionamento.

Giulia Faleiro Nascimento, de apenas 16 anos, foi morta com 12 facadas, na esquina de sua casa em São Jerônimo. O suspeito é o primeiro namorado, com quem havia rompido a relação.

Para a delegada Tatiana Bastos, da Delegacia da Mulher de Porto Alegre e subcoordenadora estadual das delegacias especializadas no atendimento à mulher, a separação é o momento mais crítico.

— Não é o ciúme, não é a traição, o que geralmente as pessoas pensam. O caso é que ele não aceita o fim. O homem entende que a mulher não pode ousar decidir romper um relacionamento — analisa.

Outra característica dos feminicídios é a brutalidade. Em parte das 25 mulheres mortas a facadas, os golpes no rosto e no pescoço muitas vezes buscaram desconstituir a imagem da vítima.

— Não é só uma facada. A maioria dos feminicídios tem 10, 20, 30 facadas. O que é isso? É um sentimento de ódio, de domínio. O feminicídio pressupõe o menosprezo à condição de mulher — complementa Tatiana.

Não é o ciúme, não é a traição, o que geralmente as pessoas pensam. O caso é que ele não aceita o fim. O homem entende que a mulher não pode ousar decidir romper um relacionamento.

TATIANA BASTOS

Delegada de Polícia

Das 62 mortes, 21 foram por assassinato a tiros, sete, por espancamento, cinco, por estrangulamento e duas devido a queimaduras. Gisele de Oliveira Braz, 32 anos, foi submetida a uma série de torturas dentro de casa, em Pelotas. Teve parte do corpo queimado com ferro quente na frente das duas filhas. Gisele tinha registrado ocorrência contra o companheiro, mas depois reatou o relacionamento.

O histórico de violências, seguido do arrependimento e reconciliação, é comum entre as agredidas. O isolamento é frequente. Quando se percebe vítima, a mulher não tem a quem recorrer. Romper esse ciclo pode levar anos.

OUTROS CASOS
Quem era a jovem morta por companheiro na zona norte de Porto Alegre
"Achava que envelheceríamos juntas e cuidaríamos da nossa mãe", diz irmã de jovem que teve execução gravada 
Desaparecida há três meses, contadora de Boa Vista das Missões completa 49 anos 

— A violência começa com a destruição da autoestima da mulher. O companheiro chama de feia, gorda, incapaz. Depois, a isola da família, dos amigos. Ela sofre tantas violências que, quando recebe um tapa, acredita que é a culpada — avalia a psicóloga Ivete Vargas, que acompanha os grupos reflexivos para mulheres e agressores no Tribunal de Justiça da Capital.

A psicóloga atenta para a cobrança por uma perfeição inatingível, que pressiona ainda mais as mulheres e faz com que se sintam culpadas. 

— Para que ela receba um tapa, basta não ter cumprido alguma coisa adequadamente. Deixou a filha sair com aquelas amigas, queimou a comida, as crianças se atrasaram para o colégio. Vem a responsabilização por tudo o que não está dando certo — explica. 

Diversos fatores levam as mulheres a serem vítimas das chamadas "relações cativeiro", que podem terminar com o feminicídio: dependência emocional ou financeira, a existência de filhos e o medo do que virá após a denúncia são aspectos que contribuem para que essas relações se mantenham. 

— Às vezes, a mulher confunde certas violências com amor, com cuidado. É um padrão negativo de relacionamento. Se essa mulher não sair do ciclo ruim restaurada, fortalecida e desconstruindo esses estereótipos de gênero, resolvemos esse procedimento aqui, mas ela entra em outro — alerta a delegada Tatiana.

Uma fábrica de órfãos 

Paula Schultz Lopes Lacerda, 23 anos, morta em São Gabriel
Paula deixou um filho órfãoFoto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Nem a existência de filhos é empecilho para que o crime aconteça. Das 62 vítimas, foi possível identificar que 45 (72,5%) eram mães. Elas deixaram, no total, 81 órfãos. Com a filha nos braços, uma mulher de 33 anos (que aqui não identificamos para preservar a criança) foi morta a facadas em Farroupilha, na Serra. A menina, de um ano e dois meses, também foi atingida, mas sobreviveu.

— Muitas vezes a mulher pensa: "Ele é agressor, mas é bom pai". Não existe bom pai agressor. Tem crianças muito pequenas que interferem, que fogem para pedir ajuda ao vizinho, que presenciam o pai matando a mãe — diz Tatiana.

No nordeste brasileiro, uma pesquisa da Universidade Federal do Ceará (UFC) realizada em nove Estados apontou que um terço das mulheres assassinadas deixa três filhos.

— E grande parte desses órfãos ficam sendo criados pela família do assassino — pontua José Raimundo Carvalho, professor da Pós-Graduação em Economia da UFC, que coordena a Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Familiar contra a Mulher.

No Rio Grande do Sul, não há dado preciso sobre o número de órfãos. Em 2012, reportagem de ZH mostrou que as 99 mulheres vítimas de feminicídio naquele ano deixaram 157 filhos.

No Nordeste, o estudo acompanhou 10 mil famílias. O objetivo, agora, é ampliar a pesquisa para outros locais, incluindo o Rio Grande do Sul. O levantamento, que depende da liberação de recursos do governo federal, seria feito com mil a 1,2 mil mulheres em Porto Alegre.

— O Rio Grande do Sul é um Estado que também tem uma cultura já sedimentada de machismo. É parecido com o Nordeste. A expectativa é que o projeto vá a campo entre março e abril de 2019 - afirma Carvalho.

A pesquisa mostrou ainda o impacto da violência doméstica no mercado de trabalho. O custo estimado é cerca de R$ 1 bilhão por ano, com base no número de mulheres agredidas que têm de faltar no emprego.

— Muitas mulheres passam a noite apanhando e vão trabalhar. É claro que não vão render a mesma coisa. Esse custo não contabilizamos. É algo que o setor privado precisa pensar — comenta.

Segundo o 12º Anuário Brasileiro da Violência, o Rio Grande do Sul aparece em terceiro lugar no país em feminicídios - atrás de Minas Gerais e São Paulo. Com 83 registros em 2017, apresentou redução de 14%: em 2016, foram 96 feminicídios. Quando considerada a taxa por 100 mil mulheres, o Estado é 10º no ranking, com 1,4 feminicídios - mesmo índice de Minas Gerais, Santa Catarina e Maranhão.


Proteger e prevenir 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 01-0506-2017: Delegada Tatiana Bastos. Humanização da Delegacia da Mulher em Porto Alegre. No local uma exposição fotográfica com retratos de mulheres vítimas de violância doméstica e um espaço para crianças deixam o ambiente mais acolhedor. (CARLOS MACEDO/AGÊNCIA RBS)
Delegada Tatiana Bastos, responsável pela Delegacia da Mulher, onde é feita mensuração de risco dos casosFoto: Carlos Macedo / Agencia RBS

Há um ano, a Delegacia da Mulher de Porto Alegre mensura o risco das ocorrências, como forma de evitar que os casos de violência em geral cheguem à morte. Entre os sinais de alerta, estão o descumprimento de medidas protetivas, reiteradas ocorrências, dependência química e uso de arma dentro de casa - como a faca, por exemplo.

A juíza Madgéli Frantz Machado, titular do 1º Juizado de Violência Doméstica de Porto Alegre, lembra que a Lei Maria da Penha prevê aspectos como prevenção e tratamento, mas são necessárias políticas públicas para que isso ocorra na prática.

— Muitas mulheres não têm capacitação. E, se forem trabalhar, não têm onde deixar os filhos. Enfrentamos dificuldades imensas de conseguir vaga em escola quando precisamos mudar a vítima de endereço. Algumas não têm passagem de ônibus para se deslocar para receber atendimento. A questão da violência doméstica precisa ser prioridade — defende.

A promotora Cristiane considera que é preciso implementar a lei de forma mais completa, especialmente na prevenção e na articulação das redes de proteção.

— O Brasil tem a quinta maior taxa de feminicídios do mundo. Precisamos atuar para interromper o ciclo da violência antes que a morte ocorra. A gente precisa compreender que a violência doméstica é fenômeno complexo e multifatorial. A tutela penal, ainda que reforçada, de forma isolada não faz frente ao problema — afirma.


A barbárie dentro de casa

SÃO JERÔNIMO, RS, BRASIL, 26-10-2018: As irmãs Anelise Santos Faleiro, 19 anos, e Leonarda Nascimento, 15, vestidas com camisetas que lembram a irmã Giulia Faleiro Nascimento, 16, vítima de feminicídio. Ela foi morta pelo ex-namorado, que não aceitava o fim do relacionamento. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)
Jovens com camiseta que lembra irmã, vítima de feminicídio em fevereiro, aos 16 anos Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

A média de idade das vítimas de feminicídio em 2018, no Rio Grande do Sul, conforme levantamento de ZH, é de 37 anos. A mais jovem, morta em Santana da Boa Vista, na Campanha, tinha 15 anos. Ela, que residia no interior do município, foi asfixiada pelo namorado, que se suicidou na sequência.

Essa é uma característica que diferencia o feminicídio. Dos suspeitos dos 62 assassinatos, 14 se suicidaram (23% dos casos). Há um 15º caso com indicativo que o autor tenha se matado — mas o corpo não foi localizado. Esse aspecto leva a polícia a comparar o feminicídio com o terrorismo.

— Só terroristas não se importam de morrer. O assassino vai fazer isso nem que seja o último ato da vida dele. Vai matar na frente dos pais, dos vizinhos, dos filhos, em qualquer ambiente — interpreta a delegada Tatiana.

Acostumada a dar palestras há oito anos sobre o tema, a policial entende que é preciso educar as crianças para romper com o ciclo de insegurança e linguagem violenta. Defende que se preparem meninos e meninas para uma sociedade igualitária.

— A violência doméstica deforma toda a sociedade. Ela corrompe a família, a comunidade, todo o tecido social. A gente fala que é a origem de todas as violências. Temos de pensar que pessoas estamos formando. Há um abandono emocional, que gera indivíduos inseguros. E o indivíduo inseguro tende a, ali adiante, tornar-se agressor. Ou vítima — analisa Tatiana.

Sem denúncia, risco aumenta

Autora do livro Violência Doméstica Contra a Mulher - Programas de Intervenção com Agressores e sua Eficácia como Resposta Penal, a promotora Catiuce Ribas Barin argumenta que o feminicídio como regra é continuidade de violências anteriores. 

— O assassinato é o fato extremo, uma ponta de violências perpetradas antes. Certamente houve injúria, difamação, ameaça, agressão, tudo isso antes da morte. O número dos registros retrata infimamente a realidade vivida. São pequenos os números de registros frente à violência do mundo real — diz. 

É consenso entre especialistas que os casos de violência doméstica que chegam à polícia representam parcela ínfima dos que realmente ocorrem - há muitos que não são registrados. Para tentar alcançar as mulheres vítimas, as delegacias especializadas realizam atividades preventivas, como a distribuição de materiais informativos e palestras. 

Leia mais
Polícia prende homem suspeito de matar jovem dentro de motel na zona sul de Porto Alegre
Homem confessa que matou cunhada dentro de casa em Cachoeirinha
"Se não fosse a minha filha, teria sido outra", diz mãe de jovem assassinada em Santa Cruz do Sul 
"É difícil saber que nunca mais ela vai dizer 'tô indo aí'", lamenta mãe de jovem morta por companheiro na Capital

— Tem risco ao denunciar? Tem. Mas tem muito mais se a mulher não falar nada. Se ela está sozinha, calada, sofrendo, só pode ser vítima de violências cada vez mais graves. Todas essas mulheres mortas gritaram, pediram socorro, apareceram lesionadas. E ninguém fez absolutamente nada. Quem consegue mudar essa dinâmica é quem está no entorno. É um compromisso que a sociedade precisa assumir — avalia Tatiana. 


Oscilação nos números

Em 2012, primeiro ano em que a Secretaria da Segurança Pública compilou dados, 101 mulheres foram vítimas de feminicídio no Rio Grande do Sul. Em 2017, foram 83. Em 2018, até o fim de setembro, há 70 registros, oito além dos 62 mapeados por ZH. As delegacias especializadas e a Patrulha Maria da Penha são apontados como políticas de coibição aos crimes. 

A abertura de novas unidades de Salas Lilás, para atendimento às vítimas, e a implantação de um aplicativo que permite às cadastradas acionar um "botão do pânico" - implementado no bairro Restinga, na Capital - também contribuem para reduzir os índices. 

No país, o Rio Grande do Sul é o terceiro Estado com mais feminicídios, segundo o 12º Anuário da Violência — só Minas Gerais e São Paulo têm mais casos. Veja, abaixo, a evolução dos feminicídios no Estado ano a ano.

Leia outras reportagens sobre feminicídios no RS:

Paula: atropelada e morta a facadas a caminho do trabalho em São Gabriel    

Giulia: aos 16 anos, assassinada a facadas na esquina de casa, em São Jerônimo   

Bruna: mesmo com medida protetiva, foi arrastada e morta em Santo Augusto   

Agressores anônimos: como funcionam os grupos reflexivos que buscam regeneração 



 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros