Desavença dentro de presídio teria motivado execução por engano em hospital - Polícia

Vers?o mobile

 

São Leopoldo12/11/2018 | 22h05

 Desavença dentro de presídio teria motivado execução por engano em hospital

Mandante do ataque que resultou na morte de Gabriel Minossi estava detido em São Leopoldo e foi transferido para Penitenciária de Montenegro

 Desavença dentro de presídio teria motivado execução por engano em hospital Reprodução/Reprodução
Morte de paciente foi flagrada em vídeo Foto: Reprodução / Reprodução

A Polícia Civil segue na busca por mais informações para descobrir os motivos e identificar os suspeitos de matar por engano Gabriel Vilas Boas Minossi, 19 anos, na última sexta-feira (9) dentro do hospital Centenário de São Leopoldo

Além de analisar novas imagens de câmeras de segurança e de aguardar resultados de perícia no carro usado pelos bandidos que procuravam Alex Junior Abreu Tubiana, a Delegacia de Homicídios do município descobriu que o mandante do crime estava detido na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento da cidade, sendo transferido logo depois para a Penitenciária de Montenegro, no Vale do Caí. Ele e Tubiana tiveram uma desavença dentro da Penitenciária Estadual do Jacuí (PEJ), em Charqueadas. 

Leia mais
VÍDEO: câmeras de hospital flagram ação de atiradores que executaram paciente
"Eu não identifico falha", diz comandante da BM em São Leopoldo sobre segurança em hospital
Homem confessa que matou cunhada dentro de casa em Cachoeirinha

A investigação da Delegacia de Homicídios ainda não pode divulgar o nome do mandante. Por enquanto, apenas afirma que o motivo do conflito entre ele e Alex Tubiana teria ligação com o tráfico de drogas. Tubiana, que foi baleado na semana passada e por isso buscou atendimento no hospital Centenário, agora é considerado foragido. 

Ele deveria se apresentar na última sexta-feira (9) à Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), já que havia progredido de regime há menos de um mês e, como não tinha vaga no regime semiaberto, iria colocar tornozeleira eletrônica. Ele saiu do hospital assinando um termo de responsabilização e desde então não foi mais localizado pela polícia. 

Marcelo Minossi, pai de Gabriel, deve depor hoje na delegacia. O principal motivo é para saber detalhes de uma mulher que teria procurado por Tubiana no hospital um dia antes da execução. Além dele, outras pessoas devem ser acionadas para prestar depoimentos nos próximos dias. 

Os agentes ainda obtiveram mais imagens de câmeras de segurança, principalmente do  trajeto feito pelo carro dos quatro criminosos do hospital até onde o veículo foi abandonado. Os investigadores também irão nesta segunda-feira procurar moradores de várias residências no entorno destas regiões em busca de pistas.

Eles também irão em uma empresa para falar com funcionários e saber se algum deles teria visto os suspeitos. Por enquanto, os policiais preferem não dar mais detalhes para não prejudicar a investigação. 

Até agora, o delegado Alexandre Quintão, responsável pelo caso, disse que um suspeito foi identificado. Ele aguarda resultado de análise pericial feita no veículo usado pelos criminosos. Gabriel Minossi foi sepultado no sábado (10) em Cachoeirinha

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros