Fã de música gaúcha, apaixonado por motos e recém-empregado: quem era o jovem assassinado no hospital - Polícia

Versão mobile

 

Vale do Sinos09/11/2018 | 20h59

Fã de música gaúcha, apaixonado por motos e recém-empregado: quem era o jovem assassinado no hospital

Gabriel Vilas Boas Minossi, 19 anos, foi executado por engano na casa de saúde, em São Leopoldo, na madrugada desta sexta-feira (9)

Fã de música gaúcha, apaixonado por motos e recém-empregado: quem era o jovem assassinado no hospital Arquivo pessoal / Reprodução/Reprodução
Última foto feita por Marcelo com o filho Gabriel Foto: Arquivo pessoal / Reprodução / Reprodução

No meio da madrugada desta sexta-feira (9), o celular começa a tocar incessantemente. Ainda sonolento, o empresário Marcelo Minossi tateia os móveis próximos até encontrar o aparelho. Era sua irmã, Márcia  Minossi, 45 anos, que estava acompanhando o filho dele, Gabriel Vilas Boas Minossi, 19 anos, internado no Hospital Centenário, em São Leopoldo

Leia mais
"O hospital fez sua parte, mas o poder público não fez", diz pai de jovem executado por engano
"Eu não identifico falha", diz comandante da BM em São Leopoldo sobre segurança em hospital
VÍDEO: câmeras de hospital flagram ação de atiradores que executaram paciente
Alvo de grupo que matou jovem em hospital por engano sofreu tentativa de homicídio há dois dias
Polícia já tem suspeito de executar jovem por engano dentro de hospital em São Leopoldo

"Vem para o hospital que atiraram no Gabriel",  alertou Márcia, com a voz embargada, sem dar muitos detalhes.

— Eu comecei a tremer — lembra o pai.

Minossi colocou a primeira roupa que encontrou e saiu da casa da namorada, em Cachoeirinha, na Região Metropolitana. Em 20 minutos, chegou ao hospital. Já era quase 5h e ele ainda não sabia da morte do filho.

— Uma mulher que trabalha no hospital se aproximou e me perguntou: "tu que é o pai do jovem que morreu baleado?". E eu nem sabia de nada. Em seguida, um porteiro do hospital veio me abraçar — relata Minossi.

Apesar de ter recebido conforto, ele não teve coragem de ver o filho sem vida. Por volta do meio-dia, ainda esperava ser chamado para fazer a identificação do corpo no Instituto-Geral de Perícias (IGP).  

— Acho que aí vai cair a ficha — lamentou.

Chamado desde criança de Gordinho por amigos e familiares, ele estava internado desde 1º de novembro na casa de saúde. O jovem havia sofrido um acidente de trânsito. A motocicleta em que estava colidiu em um Nissan Versa, na BR-116, em São Leopoldo. 

No dia do acidente, voltava do serviço, em Campo Bom,  e ia para a casa de seu pai, em Cachoeirinha. O jovem era mecânico de uma multinacional de bebidas e tinha sido contratado há cerca de dois meses, após ficar um ano desempregado. Durante o tempo que ficou sem trabalhar, fazia bicos de cuidador de crianças em festa infantis.

Devido ao acidente, o jovem fraturou as duas pernas, passou por uma cirurgia e estava prestes a receber alta nessa quinta-feira (8). Só não deixou o hospital por ter sido constatada pressão alta e falta de ar. Para o pai, o quadro clínico era reflexo da apreensão do jovem de ficar no hospital.

— Era nervosismo do que acontecia na volta — acredita.

Durante a semana que permaneceu na casa de saúde, os pais do jovem se revezam para pernoitar no local. A mãe Indianara Villas Boas, 40 anos, veio de Santa Catarina para ajudar, onde mora há cerca de dois anos.

Na quinta-feira (8), o pai viu o filho com vida pela última vez. A visita no hospital durou 1h. A fotografia que ilustra essa reportagem, feita ainda no leito da casa de saúde, agora serve como uma lembrança para Minossi.

— Estava alegre, falante. Eu lembro de fazer cócegas nos pés dele e ele ficar reclamando — diz o pai, com os olhos cheios de lágrimas.

Minossi pediu para uma irmã dele pernoitar no hospital naquela que seria a última noite de Gabriel internado. O pai queria arrumar a casa. Antes de sair dali, soube que Gabriel dividia quarto com um criminoso,  Alex Junior Abreu Tubiana, 28 anos — o verdadeiro alvo dos atiradores desta sexta-feira. Soube ainda que uma mulher procurou Tubiana no hospital antes de trocar de quarto e que criminosos estariam rondando o local desde as 16h.

No momento que os assassinos entraram no quarto, Gabriel estava na primeira cama de quem acessa o cômodo: no leito 23. Após os tiros, a tia dele ainda correu na sua direção. Assustou-se ao ver o sobrinho com o peito todo ensanguentado.

— Ele deu o último suspiro no pé dela — conta o pai.

Marcelo e Gabriel
Gabriel com o pai, Marcelo MinossiFoto: Facebook / Reprodução

Apaixonado por música gauchesca 

O jovem era um apaixonado pela música tradicionalista gaúcha e, desde os seis meses de idade, já frequentava com o pai a Sociedade Gaúcha da Lomba Grande, em Novo Hamburgo. Desde que retornou de Santa Catarina, há cerca de um ano, voltou a frequentar o grupo tradicionalista com a família.

Leia mais
Atiradores assassinam paciente dentro de hospital em São Leopoldo
VÍDEO: câmeras de hospital flagram ação de atiradores que executaram paciente
"Fuzilaram meu filho na cama por engano, sem saber quem era", diz pai de jovem morto em hospital
Alvo de grupo que matou jovem em hospital por engano sofreu tentativa de homicídio há dois dias

Desde o começo da manhã desta sexta-feira, o pai começou a receber mensagens de integrantes de bandas tradicionalistas, lamentando a perda. Para homenagear o gosto pela cultura gaúcha, a família decidiu sepultar Gabriel com bombacha, chinelo campeiro e camiseta do grupo que ele fazia parte. O enterro deve ocorrer no Cemitério Municipal de Cachoeirinha.

— Ele era um guri ímpar. Tocava violão e cantava. Apreendeu tudo no coral da igreja — detalha o pai.

Quando criança, Gabriel foi criado entre a casa do mãe e do pai. Os dois não chegaram a casar. Eram amigos e tiveram um breve relacionamento. Três semanas depois, Marcelo descobriu que seria pai.

Apaixonado por motos, o jovem pretendia abrir uma oficina com o pai. Mas com o emprego recente, ainda não tinha planejado frequentar uma faculdade.

— Ele estava feliz de estar trabalhando. Recebeu o primeiro salário desse emprego e já queria comprar uma televisão. E eu disse: "calma lá" — lamenta. 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros