Giulia: aos 16 anos, assassinada a facadas na esquina de casa, em São Jerônimo - Polícia

Versão mobile

 

Feminicídios02/11/2018 | 21h09Atualizada em 02/11/2018 | 21h09

Giulia: aos 16 anos, assassinada a facadas na esquina de casa, em São Jerônimo

Réu por morte da adolescente é seu primeiro namorado, de quem havia se separado seis meses antes. Ele está preso

Giulia: aos 16 anos, assassinada a facadas na esquina de casa, em São Jerônimo Mateus Bruxel/Agencia RBS
Irmãs com camiseta com fotografia de adolescente, assassinada em junho Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS
Leticia Mendes

Quando uma jovem de 19 anos ouviu os gritos da irmã na esquina de casa, em São Jerônimo, na Região Carbonífera, não havia mais tempo para socorrê-la. Correu para a rua e deparou com Giulia Faleiro Nascimento, 16 anos, golpeada por 12 facadas. 

A REPORTAGEM
Casada, mãe e alvo de violência doméstica: o perfil das vítimas de feminicídio no RS
Paula: atropelada e morta a facadas a caminho do trabalho em São Gabriel
Bruna: mesmo com medida protetiva, foi arrastada e morta em Santo Augusto
Agressores anônimos: como funcionam os grupos reflexivos que buscam regeneração

Poucos meses antes, a vida das irmãs era muito diferente. As três jovens, de 15, 16 e 19 anos, viviam com a mãe, Liziane Faleiro Oliveira, 34. A casa estava sempre agitada, perfumada e colorida. Um cenário que começaria a mudar quando a mãe adoeceu. Por dois meses, as filhas iam e vinham do hospital. Uma complicação causada por uma meningite levaria a mulher à morte em pouco tempo. Em 2 de junho, um sábado, Liziane não resistiu. 

Na segunda-feira, dois dias depois, as irmãs receberam uma visita: o primeiro namorado de Giulia, Gabriel Borba Rigotti, 18 anos, com quem ela terminara o relacionamento seis meses antes. A mãe havia proibido a relação, que tinha se estendido por dois anos. O rapaz havia se mudado para outra cidade, mas retornou após constatar a ausência de Liziane. 

Giulia não queria mais namorar com ele. Respondeu negativamente às sistemáticas insistências do rapaz, que a procurou em casa e na escola naqueles dias. Na quinta-feira à tardinha, cinco dias após a morte de Liziane, Giulia contou à irmã que estava incomodada com a presença do ex. As duas decidiram que, no dia seguinte, iriam à polícia. 

SÃO JERÔNIMO, RS, BRASIL, 26-10-2018: As irmãs Leonarda Nascimento, 15 anos, e Anelise Santos Faleiro, 19, seguram uma foto em que aparecem com a irmã Giulia Faleiro Nascimento (à esquerda), 16, vítima de feminicídio. Ela foi morta pelo ex-namorado, que não aceitava o fim do relacionamento. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)
Com a morte da mãe e da irmã Giulia (a esquerda na foto), jovens tentam lidar com o vazio Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Naquela mesma noite, Giulia saiu para jantar com o garoto que estava começando a namorar. A residência dele ficava a quatro quarteirões de sua casa. Por volta das 23h, Giulia decidiu voltar caminhando, acompanhada do novo namorado. No trajeto, depararam com Gabriel. 

— A Giulia não conseguiu correr. Ele a pegou pelo braço. Quando saí correndo, ela estava no chão, não falava mais. Gritei, fiz o que pude. Ela deu os últimos suspiros abraçada em mim — conta a primogênita, que prefere não ser identificada. 

Era uma família grande e feliz. Agora somos só duas. Está sendo bem difícil. A gente ficou desestabilizada, sem entender. Não durmo. Não tenho mais vontade de sair, de fazer nada. Fico imaginando a dor que ela sentiu. Tudo isso vem à minha cabeça.

IRMÃ DE GIULIA

19 anos

O suspeito foi preso na manhã seguinte. Gabriel é réu por homicídio qualificado por motivo torpe, com recurso que dificultou defesa da vítima e feminicídio. 

Uma semana após o velório da mãe, as irmãs se viram outra vez na mesma capela. Dessa vez, para velar Giulia. O local estava lotado de adolescentes. A garota fazia amizades com facilidade. Sua escola decretou luto e cancelou as aulas. 

OUTROS CASOS
Polícia prende homem suspeito de matar jovem dentro de motel na zona sul de Porto Alegre
A história de Gabriela, 18 anos, vítima de feminicídio na zona sul de Porto Alegre
"Ela era uma mãe maravilhosa", diz irmã de mulher assassinada em Carazinho

— Sempre fomos apegadas. Era uma família grande e feliz. Agora somos só duas. Está sendo bem difícil. A gente ficou desestabilizada, sem entender. Não durmo. Não tenho mais vontade de sair, de fazer nada. Fico imaginando a dor que ela sentiu. Tudo isso vem à minha cabeça. E, querendo ou não, a gente sabe que ela não vai ser a última — lamenta a jovem. 

Segundo a Polícia Civil, Gabriel se reservou ao direito de permanecer em silêncio sobre o caso. 

 Leia outras reportagens sobre feminicídios no RS:

 Casada, mãe e alvo de violência doméstica: o perfil das vítimas de feminicídio no RS 

 Paula: atropelada e morta a facadas a caminho do trabalho em São Gabriel  

  Bruna: mesmo com medida protetiva, foi arrastada e morta em Santo Augusto    

Agressores anônimos: como funcionam os grupos reflexivos que buscam regeneração  

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros