Justiça concede liberdade provisória a mulher acusada de matar fotógrafo em Canoas  - Polícia

Versão mobile

 

Homicídio 07/11/2018 | 21h54Atualizada em 08/11/2018 | 07h31

Justiça concede liberdade provisória a mulher acusada de matar fotógrafo em Canoas 

Paula Caroline Ferreira Rodrigues e Juliano Biron da Silva, transferido para presídio federal, são acusados de matar em 2015 o fotógrafo José Gustavo Bertuol Gargioni

 

Foto: PM

A 1ª Vara Criminal de Canoas concedeu liberdade provisória para Paula Caroline Ferreira Rodrigues, 23 anos, que estava detida no presídio feminino de Guaíba. Ela e Juliano Biron da Silva, 35 anos, são acusados de matar em julho de 2015 o fotógrafo José Gustavo Bertuol Gargioni, 22 anos, no município. Os suspeitos teriam feito tiro ao alvo com o jovem antes de executá-lo com 19 tiros. Ela foi presa em janeiro de 2016 em Balneário Camboriú, em Santa Catarina, um dia depois de Biron, preso na mesma cidade.

Os dois respondem processo que apura crime de homicídio qualificado. Por enquanto, ainda não há data para julgamento, e a Justiça ainda não informou os motivos da soltura da ré. O crime teria como motivação ciúmes de Juliano Biron,que não aceitaria o fato de a companheira manter amizade com outros homens, principalmente com o fotógrafo. 

Leia mais
Fotógrafo de 23 anos é encontrado morto em Canoas
Justiça aceita denúncia contra casal acusado de matar fotógrafo em emboscada em Canoas
Presa acusada de participar do assassinato de fotógrafo em Canoas

Biron é suspeito, segundo a polícia, de ter movimentado mais de R$ 60 milhões por meio de 88 contas bancárias em nome de laranjas, além de adquirir veículos, imóveis e uma rede de lancherias. Investigado por tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, movimentando mais de R$ 2 milhões por mês na época do crime, Biron tinha até uma casa noturna dentro da Arena do Grêmio. Ele foi um dos 27 criminosos transferidos no ano passado para três presídios federais


Polícia Militar prende Juliano Biron em Santa Catarina
Juliano Biron da Silva foi um dos 27 presos gaúchos transferidos em 2017 durante megaoperação para três presídios federais Foto: Polícia Militar / Divulgação

Entenda o caso

De acordo com a investigação policial, o crime foi motivado por ciúmes. Por meio de um perfil masculino no Facebook, que usava para se comunicar com José Gustavo, Paula marcou um encontro com o amigo no dia do crime. Quando chegou ao lugar marcado, à noite, ele recebeu uma ligação telefônica dela mudando o local combinado para outro ponto no bairro Igara, em Canoas. José Gustavo deixou seu carro no novo endereço e embarcou no carro da acusada, onde Juliano Biron estava escondido no banco traseiro. Ele foi morto na Praia do Paquetá com 19 tiros. Durante o processo judicial, Paula teve pedidos de liberdade negados pela Justiça.

 A Polícia Civil investiga a morte do fotógrafo Gustavo Gargioni, ocorrida na terça-feira, em Canoas.
Fotógrafo José Gustavo Bertuol Gargioni foi executado em julho de 2015 em Canoas com 19 tiros e motivo seria ciúmes Foto: Facebook / Reprodução


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros