Morte por engano em hospital: o que se sabe e o que ainda é mistério sobre o crime - Polícia

Vers?o mobile

 
 

São Leopoldo11/11/2018 | 19h57

Morte por engano em hospital: o que se sabe e o que ainda é mistério sobre o crime

Digitais e câmeras de segurança estão sendo analisadas para chegar aos responsáveis

Morte por engano em hospital: o que se sabe e o que ainda é mistério sobre o crime Fernando Gomes/Agencia RBS
Crime ocorreu por volta das 4h de sexta-feira (9), no Hospital Centenário, em São Leopoldo Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

A morte de um paciente dentro de um hospital, na madrugada de sexta-feira (9), voltou a colocar nos holofotes da polícia a cidade de São Leopoldo, a pouco mais de 38km de Porto Alegre. O município, de pouco mais de 214 mil habitantes, vinha apresentando queda de homicídios. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), 36 pessoas foram assassinadas de janeiro a outubro deste ano na cidade. No mesmo período de 2017, foram 88 vítimas. A morte de Gabriel Vilas Boas Minossi, 19 anos, foi o segundo homicídio ocorrido na cidade no mês de novembro. 

MAIS SOBREO CRIME
"Enquanto for entre eles, tudo bem." E quando morre um inocente?
Ao menos 10 pessoas foram assassinadas em hospitais e postos de saúde desde 2014 no RS
"Fuzilaram meu filho na cama por engano, sem saber quem era", diz pai de jovem morto em hospital
Hospital Centenário questiona ronda da BM e afirma que houve falha na segurança
Falta de diálogo e jogo de empurra entre autoridades: bastidores do caso que resultou na morte de jovem em hospital

Horas após o crime, investigadores da delegacia especializada em homicídios refizeram o caminho dos criminosos após a fuga do hospital. Percorreram ruas e avenidas em buscas de câmeras que pudessem flagrar o movimento do Fiesta de cor prata até o local onde foi abandonado, no bairro Vicentina. O veículo foi deixado a pouco mais de 2km do hospital.

— Fizemos todo o trajeto ontem (sexta-feira) para identificar câmeras e ver se gravaram — observa o chefe de investigação da delegacia, Odilei Betanin. 

Já outra equipe tentava detalhes do veículo. Descobriram que o carro foi tomado no dia anterior de uma mulher em Esteio, na região metropolitana de Porto Alegre, especialmente para cometer o crime no hospital. A equipe acabou indo até Esteio para fazer uma varredura por câmeras e, com as imagens, chegar aos autores do assalto. 

GaúchaZH reúne abaixo uma série de pontos sobre o crime conhecidos pela polícia e os que ainda são mistério.

VALE DO SINOS - Alex Junior Abreu Tubiana seria o alvo do ataque no hospital.
Alex Junior Abreu Tubiana, o GordoFoto: Reprodução / Reprodução

Quem era o verdadeiro alvo?

O verdadeiro alvo dos criminosos que invadiram o hospital era Alex Junior Abreu Tubiana, o Gordo, 28 anos. Ele foi sentenciado a 25 anos e seis meses de cadeia pelo assassinato de dois homens, sendo obrigado a cumprir pena até 2034. 

Por que ele estava solto?

Em outubro, ele foi transferido para o regime semiaberto e aguardava em casa a colocação de uma tornozeleira eletrônica — prevista para esta sexta-feira (9) — devido à falta de vagas nos albergues

Tubiana estava no hospital porque, na quarta-feira passada (7), se envolveu em outro assassinato — o de Samuel Lima da Rosa, 19 anos. Segundo a polícia, Tubiana reagiu a disparos efetuados por Samuel, que teria invadido uma oficina no bairro Santos Dumont com dois comparsas para matá-lo. Na troca de tiros, Samuel foi alvejado 10 vezes e não resistiu. Ferido, Alex foi internado no Hospital Centenário.

Alex foi solto por falta de vaga no regime semiabertoFoto: Reprodução / Reprodução

Onde está agora Alex Tubiana, o verdadeiro alvo?

Não se sabe. Tubiana assinou um termo se responsabilizando pela saída do hospital e foi liberado ainda na sexta (9). Conforme o chefe de investigação da delegacia, ele precisava se apresentar naquele dia para colocar a tornozeleira eletrônica. Mas isso não ocorreu e, tecnicamente, pode ser considerado foragido. Porém, como ele ainda estava internado até sexta-feira, ainda pode apresentar um atestado médico e colocar a tornozeleira.

Quantos participaram da ação no hospital?

Quatro pessoas. O grupo chegou à emergência do hospital em um Prisma. Segundo a polícia, os quatro descem do veículo e dois seguem para o interior da casa de saúde. A outra dupla fica na volta do carro — um cuidando o movimento da rua e outro observando o saguão do hospital. Câmeras de segurança flagraram o momento da invasão do hospital. Veja abaixo:

Quantos tiros foram efetuados?

Segundo a polícia, foram disparados 29 tiros. Outras duas pessoas que estavam no local ficaram feridas nas pernas. As vítimas são outro paciente da instituição e a madrinha de Gabriel, que o acompanhava. Os dois passam bem.

Onde estava Tubiana no momento dos disparos?

O verdadeiro alvo dos criminosos havia sido transferido para outro quarto, em um andar superior ao que ocorreu o crime, a pedido de outros pacientes.

Por que ele não estava custodiado pela polícia?

Conforme o comandante da Brigada Militar (BM) em São Leopoldo, tenente-coronel Daniel Coelho, não foi identificado risco de um novo crime. Horas antes dos disparos, um coordenador de serviço da BM foi até o local e conversou com Tubiana.

 São Leopoldo, RS, BRASIL, 09/11/2018  : Atiradores assassinam paciente dentro de hospital em São Leopoldo. Um paciente do Hospital Centenário, em São Leopoldo, foi assassinado a tiros por volta das 4h desta sexta-feira (9). Conforme a assessoria de imprensa da instituição, a vítima estava na ala cirúrgica quando foi alvejada. O ataque deixou mais um paciente e uma acompanhante dele feridos nas pernas.   (Fernando Gomes/Agência RBS)
Brigada Militar afirma ter feito ronda no Hospital Centenário após ofício de que um paciente do semiaberto sofria ameaçasFoto: Fernando Gomes / Agencia RBS

— Ele se mostrou bastante tranquilo e não entendia que tivesse essa situação. Também, mais à noite, mandamos um oficial de serviço no local e não tivemos a informação de risco iminente — salientou o oficial em entrevista ao programa Gaúcha Atualidade.

Os suspeitos já foram identificados?

Segundo o delegado Alexandre Quintão, um dos suspeitos já foi identificado com uso de imagens de segurança. A Polícia Civil e o Departamento de Criminalística encontram dificuldades para reconhecer os envolvidos no crime pelas imagens porque os criminosos estavam usando máscaras típicas de fantasias, bonés e capuzes para cobrir os rostos. Por causa disso, Betanin descarta pedir um retrato falado.

Foram encontradas digitais dos criminosos?

A perícia coletou digitais em todo o caminho dos criminosos dentro do hospital. Nas imagens das câmeras de segurança, é possível perceber que os dois executores encostam na parede da casa de saúde. O material está em análise e o resultado deve chegar às mãos dos investigadores nos próximos dias.

O que teria motivado o crime?

Antes de ser preso, Tubiana era ligado ao tráfico de drogas na região da Vila Brás. Com a saída dele do sistema prisional, era considerado uma ameaça para os traficantes que assumiram o ponto. 

— Como ele era do tráfico antes de ser preso, o atual "patrão" da área pode ter ficado com receio de que o Alex voltaria a atuar, fazendo concorrência. Sentiu-se ameaçado — observa o chefe da investigação da especializada em homicídios, salientando que a hipótese ganha força pelo fato de Tubiana andar armado. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros