Paula: atropelada e morta a facadas a caminho do trabalho em São Gabriel - Polícia

Versão mobile

 

Feminicídios02/11/2018 | 21h07Atualizada em 02/11/2018 | 21h10

Paula: atropelada e morta a facadas a caminho do trabalho em São Gabriel

Suspeito é o ex-companheiro, atualmente preso, com quem ela tinha um filho e manteve relacionamento por dois anos

Leticia Mendes
Paula: atropelada e morta a facadas a caminho do trabalho em São Gabriel Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Jovem estava separada há dois meses do companheiro, quando foi assassinada Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Katia Schultz Lopes Lacerda queria ser mãe e avó jovem para poder desfrutar da família. Dois meses após se casar, em São Gabriel, soube que estava grávida. Tornou-se mãe aos 17 anos. O nome do bebê, Paula, foi uma homenagem ao marido, Paulo, hoje falecido. Vinte e três anos depois, pensa que o tempo foi curto. Há sete meses, todos os domingos ela segue até o cemitério para visitar o túmulo da única menina entre os três filhos que teve. Quando retorna para casa, agarra-se ao neto, Benjamin, o Ben, para seguir em frente. 

A REPORTAGEM
Casada, mãe e alvo de violência doméstica: o perfil das vítimas de feminicídio no RS
Giulia: aos 16 anos, assassinada a facadas na esquina de casa, em São Jerônimo
Bruna: mesmo com medida protetiva, foi arrastada e morta em Santo Augusto
Agressores anônimos: como funcionam os grupos reflexivos que buscam regeneração

— A gente tem o Ben. 

Era a frase que Paula Estefani Schultz Lopes Lacerda, 23 anos, repetia quando Katia a alertava sobre a possessividade do ex. A criança era a ligação que a mantinha atrelada a ele. Katia não se convencia. Temia que Paula pudesse sofrer alguma violência. Em março, ela foi assassinada enquanto ia para o trabalho

Apenas uma quadra separava as casas de Paula e da mãe, onde a jovem deixava o filho todas as manhãs. Naquele dia, deixou o menino com o padrasto. Ao sair, alertou para que fechasse as janelas porque poderia chover. Katia não estava: acordara cedo para ir ao centro da cidade. 

Segundo a Polícia Civil, o militar da reserva Rogério Biscaglia Righi, 32 anos, que está preso, perseguiu a ex-mulher por duas quadras em um Fiesta. Na Avenida Francisco Chagas, acelerou o carro na direção da jovem, que estava na calçada. Testemunhas relatam que ele saltou do veículo e cortou o pescoço dela. Righi foi detido por outro militar quando ainda estava com a faca na mão. 

 Familiares de Paula, morta pelo companheiro na cidade de São GabrielIndexador: WVL
Família guarda cordão que era usado por Paula no dia em que foi morta em São Gabriel Foto: José Dagoberto Almerom Vaz / Especial

Quando o crime ocorreu, o casal, que havia vivido junto por dois anos, estava separado há dois meses. Após idas e vindas, Paulinha rompeu a relação. Recebeu apoio da família, que não concordava com os episódios frequentes de brigas e ciúmes. 

— Ele não podia ver nada no telefone dela. Se alguém curtia uma foto em uma rede social, já era discussão — recorda Katia. 

Apesar dos desentendimentos, Paulinha não registrou ocorrência contra o ex. Naquela fatídica segunda-feira, segundo uma amiga, pretendia procurar a polícia, porque o tom das ameaças aumentou. 

— Disseram que ela gritava: "Tu não pensa no Ben?". O filho era tudo para ela. Ela ainda lutou. Tinha cortes nas mãos. A corrente que ela comprou com o nome do Ben, ele cortou — recorda Katia. 

O avô de Paulinha, Rubem Araci Souza Lopes, 61 anos, sargento da Brigada Militar aposentado, ainda tenta entender o episódio. Ela planejava seguir a carreira de Rubem e se tornar policial militar. 

Quando acontece com os outros a gente pensa: "Como uma mãe vai sobreviver a isso?". Eu não sei como. Penso que tenho de cuidar do filhinho dela, que ficou sem mãe e também sem pai

KATIA LACERDA

Mãe de Paula

— Nossa família está destruída. Nesses sete meses, a gente não conseguiu assimilar. Não entra na cabeça da gente como uma pessoa faz uma coisa tão brutal — emociona-se o avô da vítima. 

Em poucos meses, Katia envelheceu mais do que nas últimas décadas. Os olhos entristeceram. Levanta todos os dias no mesmo horário em que costumava aguardar a chegada da filha com o neto. Estranha não ter a casa de Paulinha para arrumar e a companhia dela nos jantares do dia a dia. 

— Quando acontece com os outros a gente pensa: "Como uma mãe vai sobreviver a isso?". Eu não sei como. Penso que tenho de cuidar do filhinho dela, que ficou sem mãe e também sem pai — descreve a avó. 

 Familiares de Paula, morta pelo companheiro na cidade de São GabrielIndexador: WVL
Família organizou protestos após morte de jovem em marçoFoto: José Dagoberto Almerom Vaz / Especial

No aniversário de dois anos, completados em 16 de outubro, o pequeno vestia uma camiseta com a fotografia da mãe. Quando vê alguma imagem dela, beija e chama por Paula. Entre as lembranças que Katia guarda da filha, está a correntinha dourada usada pela filha no dia de sua morte. 

OUTROS CASOS
A história de Gabriela, 18 anos, vítima de feminicídio na zona sul de Porto Alegre
Mulher é degolada por ex-companheiro no centro de São Gabriel
Homem confessa que matou cunhada dentro de casa em Cachoeirinha
"É difícil saber que nunca mais ela vai dizer 'tô indo aí'", lamenta mãe de jovem morta por companheiro na Capital

Num último gesto de afeto com a neta, Rubem levou a joia para o conserto. O cordão repousa agora dentro de um pequeno porta-joias que pertencia a Paulinha. Quando Benjamin crescer, será entregue a ele, numa esperança de que os bons momentos permaneçam na memória da família.

Contraponto: 

Os advogados de Righi, Gustavo Teixeira Segala e Tiago Bataglin, se manifestaram por meio de nota enviada à reportagem:

A defesa entende que existe uma série de informações que são exclusivamente do processo e, em respeito a ele, não podemos revelar por meio da imprensa maiores detalhes do caso. Mas queremos adiantar a todos que não façam seu juízo sem conhecer os elementos que circundam o processo, pois, no momento certo, a defesa vai apresentar as provas e a população vai poder entender o real significado de não tomar nenhuma posição sem antes verificar tudo que existe nos autos do processo. 

A defesa, se manifesta, pedindo que a população gabrielense, aguarde, porque vem por ai, um arcabouço de informações e fatos importantes que, podem mudar o que aparentemente parece ser um crime de feminicídio, bem como, o que está sendo ou já foi alardeado tanto pela polícia como pela família da vítima Paula Schultz Lopes Lacerda, pois são pessoas nesta fase processual, alheias a tudo o que foi produzido no processo. De modo que, suas posições, opiniões e informações podem estar dissociadas da realidade dos fatos. 

Leia outras reportagens sobre feminicídios no RS:

Casada, mãe e alvo de violência doméstica: o perfil das vítimas de feminicídio no RS  

 Giulia: aos 16 anos, assassinada a facadas na esquina de casa, em São Jerônimo  

 Bruna: mesmo com medida protetiva, foi arrastada e morta em Santo Augusto  

Agressores anônimos: como funcionam os grupos reflexivos que buscam regeneração  

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros