"Vamos descobrir quem foi o monstro que fez isso", diz neta de idosa torturada e morta em Canoas - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Região Metropolitana13/11/2018 | 22h03Atualizada em 14/11/2018 | 15h02

"Vamos descobrir quem foi o monstro que fez isso", diz neta de idosa torturada e morta em Canoas

Corpo da mulher de 91 anos foi encontrado pela filha, na tarde do último domingo (11), na casa onde a vítima morava

GaúchaZH
GaúchaZH

Familiares de Maria Pasqua Dall Pra Dall Pizzol, 91 anos, ainda estão perplexos com a morte da idosa, que foi torturada e assassinada na casa onde morava, na Rua Sepé Tiaraju, no centro de Canoas, na Região Metropolitana.

Leia mais
Polícia Civil investiga morte de idosa de 91 anos amarrada dentro de casa em Canoas
VÍDEO: cliente é morto em assalto a padaria em Porto Alegre

O corpo de Maria foi encontrado pela filha, Silvana Dall Pizzol, na tarde de domingo (11). A vítima estava caída no chão, ensanguentada e com as mãos amarradas. A casa estava com a porta e uma janela abertas. Pertences haviam sido revirados. 

— Era muito lúcida, cozinhava, lia jornal, fazia tudo. No domingo, minha mãe chegou mais ou menos 14h em casa, quando viu o portão fechado e a porta da frente da casa aberta — relembra a neta, Ana Carolina Ely.

A casa da vítima ficava ao lado do depósito de uma empresa, cujo alarme teria disparado naquela manhã. De acordo com a neta, o proprietário do estabelecimento chegou a ir até o local para verificar a razão para o o alerta ter sido acionado.

REGIÃO METROPOLITANA - Familiares de  Maria Pasqua Dall Pra Dall Pizzol, 91 anos, ainda estão perplexos com a morte da idosa, que foi torturada na casa onde morava, na Rua Sepé Tiaraju, centro de Canoas.
Maria Pasqua Dall Pra Dall PizzolFoto: Arquivo Pessoal / Divulgação

— Câmeras mostram que, em torno das 11h, um homem pulou da empresa para a casa da minha avó — conta a neta. 

O criminoso levou cerca de R$ 300 e a aliança da vítima. Ainda tentou roubar um aparelho de televisão, mas não conseguiu. 

— No velório, não tivemos como esconder os roxos. Ela deve ter levado socos, as mãos estavam roxas. Ela não tinha inimigos nem briga com vizinhos. A pessoa fez isso de maldade e fugiu pela porta da frente. A polícia está atrás e, se Deus quiser, vamos descobrir quem foi o monstro que fez isso —lamenta Ana. 

Nascida em Guaporé, Maria mudou-se para Canoas com os pais, que vieram da Itália. Eles buscavam oportunidade de trabalho na Região Metropolitana. Viúva há 10 anos, teve três filhos, dois já falecidos, vítimas de câncer.

— Minha avó perdeu a primeira filha de leucemia, aos 15 anos, e o meu tio que morava com ela morreu, no ano passado, de câncer. Todos os dias ela rezava o terço e chorava.

A neta, que mora em Porto Alegre, costumava visitar a avó uma ou duas vezes por semana. Segundo a jovem, não havia carro na garagem, dinheiro ou joias na casa da idosa. 

— Estamos em busca de justiça, não vamos descansar enquanto não encontrarmos quem fez isso.  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros