Polícia já ouviu 60 pessoas e inquérito sobre sumiço de gerente tem mais de 120 páginas  - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Anta Gorda12/12/2018 | 21h21Atualizada em 12/12/2018 | 21h23

Polícia já ouviu 60 pessoas e inquérito sobre sumiço de gerente tem mais de 120 páginas 

Jacir Potrich, 55 anos, foi visto pelo última vez no dia 13 de novembro. Desde então, não há informações sobre o paradeiro do homem

Polícia já ouviu 60 pessoas e inquérito sobre sumiço de gerente tem mais de 120 páginas  Isadora Neumann/Agencia RBS
Rotina do delegado Guilherme Pacífico mudou desde o desaparecimento de Potrich Foto: Isadora Neumann / Agencia RBS

A investigação do desaparecimento de Jacir Potrich, há um mês, em Anta Gorda, no Vale do Taquari, colocou em alerta a Polícia Civil. Inicialmente, trabalhava-se com hipóteses de mal súbito, perda de memória ou suicídio. A possibilidade de sequestro motivado pela atividade profissional chegou a ganhar força, mas, sem pedido de resgate e sem corpo encontrado, os policiais passaram a considerar outras possibilidades, não reveladas à reportagem.

Durante apuração, os investigadores procuraram corpos não identificados em necrotérios e hospitais de pelo menos cem municípios na Serra, no Norte e no Vale do Taquari. Cinco cadáveres foram encontrados, mas nenhum se encaixava com a descrição do bancário.

— Foi encontrado um corpo que estava amarrado em um pedregulho. Choveram ligações aqui na delegacia, mas não era ele — conta o delegado Pacífico.

Leia mais
Desaparecimento de gerente de banco completa um mês e intriga moradores de Anta Gorda
Gerente de banco desaparece de casa após pescaria no Vale do Taquari
Mistério do gerente de banco desaparecido causa aflição em Anta Gorda
"É incrível que não tenha uma pista", diz mulher de gerente de banco desaparecido
Os últimos passos do gerente de banco antes do desaparecimento em Anta Gorda

Os policiais aguardam laudos da perícia feita na casa, último local onde o bancário foi visto. Pacífico espera resultado de auditoria realizada no Sicredi, mas os investigadores já descobriram que não houve movimentação vultuosa de valores no banco, o que pudesse evidenciar um sequestro seguido de extorsão. Sabe-se que Potrich possui seguro de vida.

O inquérito tem mais de 120 páginas, no qual foram ouvidas cerca de 60 pessoas.

Potrich mora com a mulher Adriane Balestreri Potrich, 53 anos, e com o sobrinho Arthur Balestreri, 24. O jovem está na cidade há sete meses. Segundo o delegado, o rapaz veio de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, para trabalhar no escritório de contabilidade da tia, após se formar no curso. O convite do emprego teria partido de Adriane.  

A reportagem foi ao escritório de contabilidade para conversar com Adriane e com o sobrinho. Por mensagem, a mulher do gerente afirmou que não daria entrevista. Ao ser abordado na chegada ao trabalho, o sobrinho disse que não iria se manifestar. 

No dia do sumiço, Adriane tinha ido visitar o filho do casal em Passo Fundo. O sobrinho era o único da família que estava na cidade. Segundo o delegado, ele permaneceu o dia no escritório. Passou em dois lugares antes de ir para casa e perceber a falta do tio.

Desaparecimento mudou a rotina de delegado

O sumiço fez o delegado Guilherme Pacífico mudar radicalmente a rotina. Há um mês, o policial encara diariamente um percurso de 60 quilômetros de Soledade, onde tem residência fixa, até Anta Gorda. O caminho toma mais ou menos duas horas dele por dia. 

— Estou com dedicação exclusiva aqui — garante. 

Antes do desaparecimento, eram raras as idas à cidade. Além de Anta Gorda, Pacífico é titular em Arvorezinha e está respondendo por uma delegacia em Soledade. Desde então, feriados foram postergados e o contato com a família ficou restrito ao turno da noite. 

Acostumado com cidades maiores, Pacífico se surpreendeu com a despreocupação com segurança na cidade, chamada por ele como "europeia". Apesar da bonança, a investigação do desaparecimento acabou comprometida. 

— É uma cidade que não detêm cercamento eletrônico por câmeras, com câmeras de videomonitoramento urbano, circuitos internos de televisão mais espaçados pela cidade. Isso acaba atrapalhando nosso trabalho — garante.  



 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros