Refém morto em assalto a banco morava há três meses em Ibiraiaras - Polícia

Vers?o mobile

 

Crime organizado04/12/2018 | 22h17Atualizada em 04/12/2018 | 22h18

Refém morto em assalto a banco morava há três meses em Ibiraiaras

Subgerente da agência do Banco do Brasil, Rodrigo Mocelin da Silva foi levado no porta-malas de um dos veículos usados por assaltantes. Ainda não se sabe a autoria do disparo que o atingiu

Refém morto em assalto a banco morava há três meses em Ibiraiaras Reprodução/Reprodução
Gremista, Silva posou para foto ao lado da Taça Libertadores da América, conquistada pelo clube no ano passado Foto: Reprodução / Reprodução

Morto após o roubo às agências bancárias de Ibiraiaras, Rodrigo Mocelin da Silva, 37 anos, era um novato no município. Há apenas três meses, foi transferido da agência de Marau do Banco do Brasil para a da cidade em que morreu.

Enquanto trabalhava como subgerente da agência em Ibiraiaras, a esposa e as filhas de 10 e seis anos seguiam a vida em Passo Fundo, distante pouco mais de uma hora, para onde viajava mais de uma vez por semana para ficar próximo da família.

Servidor do banco desde 2005, Silva é descrito como um sujeito quieto e simples. Desde 13 de setembro de 2018, hospedava-se durante a semana no Hotel Perinotto, o mais confortável de Ibiraiaras.

Leia mais
RS registra ao menos 19 ataques a banco com cordão humano em 2018
"Pensei em pular do porta-malas", diz homem levado como refém em assaltos a bancos
VÍDEO: veja o momento da fuga dos assaltantes que atacaram bancos no norte do RS

— Ele era gremista, costumava chegar à tardinha, ficava bastante no quarto. Quando conversávamos, era principalmente sobre futebol — recorda Arnildo Perinotto, proprietário da hospedaria.

Ao meio-dia, Silva costumava almoçar no hotel. Seu hobby preferido na cidade era jogar bola. Por intermédio de colegas de banco, foi apresentado aos grupos que jogavam mais de uma vez por semana na Associação Ibiraiaras de Futebol (AIF), um clube com ampla estrutura de piscinas, gramados esportivos, bocha e espaços de acampamento. Associou-se à agremiação para ter a possibilidade de frequentá-la.

— Ele jogou pelo menos três ou quatro vezes aqui. A gente soube que, um dia, ele jantou com o pessoal no quiosque depois do jogo. É comum sair churrasco — relata Almir Massotti, zelador da AIF.

Após a morte, a mulher de Almir, Marinês Massotti, recebeu em seu celular uma foto em que Silva, orgulhoso, posava ao lado da Taça Libertadores da América conquistada pelo Grêmio no ano passado.

De pele clara e barba cerrada e farta, é descrito pelos vigilantes do Banco do Brasil como um sujeito "paciente". Apesar de trabalhar na rotina bancária, não costumava ter "estouros" de estresse.

Na segunda-feira do ataque (3), ele havia chegado a Ibiraiaras vindo diretamente de Passo Fundo no seu Fiat Stilo. Ainda não havia passado no hotel e tampouco aparecera para almoçar. Estava trabalhando quando, por volta das 13h50min, os bandidos adentraram a agência. Forçado a se despir parcialmente, deixou a camisa sobre a sua mesa de trabalho, que leva o número 3. 

Foi colocado junto de outros dois homens feitos reféns no porta-malas que permaneceu aberto em um dos carros usados na fuga. Há relatos de que ele teria sido atingido — ainda não se sabe por disparo de quem — no primeiro embate entre bandidos e policiais. 

Abalados, colegas de trabalho foram acompanhar o velório em Passo Fundo e evitaram comentar o episódio. Segundo relatos, ele sangrou nos braços do gerente do Banco do Brasil após eles terem sido deixados para trás pelos bandidos.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros