Seis assaltantes morrem em tiroteio com a polícia após ataque a bancos - Polícia

Vers?o mobile

 

Cerco04/12/2018 | 00h17Atualizada em 04/12/2018 | 00h30

Seis assaltantes morrem em tiroteio com a polícia após ataque a bancos

Forças de segurança seguem busca por outros dois criminosos

Seis assaltantes morrem em tiroteio com a polícia após ataque a bancos Diogo Zanatta/Especial
Carro dos assaltantes foi alvejado em torca de tiros no interior do município de Ibiraiaras Foto: Diogo Zanatta / Especial

Seis assaltantes que roubaram bancos em Ibiraiaras, no norte do Estado, nesta segunda-feira (3), foram mortos durante cerco policial entre o fim da tarde e o início da noite, segundo a Brigada Militar (BM). A informação foi confirmada pelo tenente-coronel Cláudio Feóli, comandante do Batalhão de Operações Especiais (BOE) da BM. Os bandidos teriam sido mortos em meio a tiroteio com o Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate).

Leia mais
Refém morre em ataque a banco em Ibiraiaras
"Eles já entraram na agência atirando", diz mulher que testemunhou ataque a banco em Três Palmeiras
Prefeito de Três Palmeiras diz que é desumano colocar BM no combate a assaltos a banco

— Continuamos avançando na mata, atrás de quem atirou contra nosso grupo. Dois ainda estão escondidos. 

A ação foi registrada no interior do município. Seis tiroteios teriam ocorrido em um período de 45 minutos a uma hora, segundo Feóli. 

— A região é muito remota. Nós cercamos a mata.

Ainda segundo o tenente-coronel, vários fuzis foram encontrados pela polícia após o confronto. Nenhum policial ficou ferido no embate com os criminosos. 

 Seis suspeitos de participação no assalto a bancos em Ibiraiaras, no norte do Estado, nesta segunda-feira (3), foram mortos durante cerco policial entre o fim da tarde e o início da noite, segundo a Brigada Militar (BM). A informação foi confirmada pelo tenente-coronel Cláudio Feóli, comandante do Batalhão de Operações Especiais (BOE) da BM. Os bandidos teriam sido mortos em meio a tiroteio com o Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate).
Um refém foi morto no ataque e a Brigada Militar fez buscas pela mataFoto: Diogo Zanatta / Especial

Refém morto

Fazia apenas alguns meses que Rodrigo Mocelin da Silva, 37 anos, estava trabalhando no Banco do Brasil de Ibiraiaras, no norte do Estado. O gerente adjunto ainda não atuava no local quando a agência do município de pouco mais de 7 mil habitantes foi alvo de assaltantes pela primeira vez neste ano, em maio. Feito refém, Silva foi baleado na fuga. Eles abandonaram a vítima, que chegou a receber atendimento no Hospital São José, mas acabou morrendo.

Ainda não se sabe em que circunstâncias ele foi baleado. A delegada Alexandra Nunes Ferreira, titular da Delegacia de Polícia (DP) de Lagoa Vermelha, que auxilia no caso pretende conversar com os policiais que atenderam à ocorrência:

—  Queremos entender de que forma ocorreu.

O gerente havia sido transferido para a cidade em setembro deste ano. De acordo com o Sindicato dos Bancários do Passo Fundo, Silva é natural de Tapera, também no Norte, e ingressou nos quadros do Banco do Brasil em setembro de 2005. Antes, trabalhava em uma agência de Marau. Ele era casado e deixa, além da mulher, dois filhos.

Confronto

O comandante do 10º Batalhão da Brigada Militar (BPM) de Vacaria, tenente-coronel Fabiano Paim, deu alguns detalhes, em entrevista ao programa Estúdio Gaúcha, de como foram os confrontos que acabaram com a morte dos seis criminosos. Segundo Paim, a ação da polícia ocorreu após os assaltantes investirem contra as forças de segurança. Cerca de sete ou oito embates entre agentes e o bando teriam ocorrido no interior da mata.

— Eles estavam em pontos separados. E quando houve a voz para entregarem as armas, baixarem, eles tentaram alvejar o pessoal que estava na mata. Nosso pessoal, inclusive, sequer tinha localizado um ou dois deles, e acabou conseguindo quando eles disparam em direção ao nosso efetivo.

A localização do bando ocorreu com o auxílio de uma aeronave da polícia que sobrevoava a região São Pio X na busca pela quadrilha.

Os ataques

A ação do bando contra os bancos — um do Banco do Brasil e outra do Banrisul — foi registrada por volta das 14h. O grupo criminoso, portando armas longas, obrigou clientes e funcionários a fazerem um cordão humano.

Um dos criminosos foi preso pela polícia antes dos confrontos que resultaram na morte de seus comparsas. O nome dele não foi divulgado pelas autoridades. Segundo a BM, ele era o motorista de um dos carros usados na fuga de parte do grupo. A polícia conseguiu recuperar valores roubados na ação

O cerco na região na busca pelos dois criminosos segue na região. Na manhã de terça-feira, a polícia deverá realizar novas incursões na mata. 

Ainda não é assinante? Aproveite as ofertas exclusivas de Black Friday e assine agora!   



 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros