Policial civil é preso e dois PMs são afastados por suspeita de envolvimento com tráfico de drogas - Polícia

Vers?o mobile

 

Em Tapes10/02/2019 | 22h04

 Policial civil é preso e dois PMs são afastados por suspeita de envolvimento com tráfico de drogas

Operação ocorreu na última sexta-feira e só foi divulgada neste final de semana

Dois policiais militares foram afastados e um policial civil foi preso por suspeita de envolvimento com o tráfico de drogas em Tapes, na região sul do Estado. A operação ocorreu na última sexta-feira (8), mas só foi divulgada neste final de semana. Os nomes dos três não estão sendo informados. 

Conforme o corregedor-geral da Polícia Civil, Marcos Meirelles, o agente foi preso temporariamente por suspeita de corrupção com o tráfico de drogas. Ele pode ficar preso por 30 dias, conforme o Código Penal. Testemunhas detalharam o envolvimento dele em depoimento, ainda de acordo com o corregedor.

Leia mais
Policial militar é preso após furtar R$ 18 mil enquanto atendia ocorrência em Esteio
Seis policiais militares são presos por suspeita de envolvimento com facção
Três policiais militares são presos suspeitos de assassinar idoso em Alvorada

— Em princípio, ele fez exigência financeira para que organização financeira vinculada ao tráfico trabalhasse com mais facilidade, vamos dizer assim — observa o corregedor. 

Já o corregedor-geral da Brigada Militar, coronel Marcio Roberto Gaudino, observou que a investigação está em fase inicial e, por isso, não poderia passar detalhes do envolvimento de cada um deles. Além disso, o coronel alegou que ainda não fez a análise das provas.

— Não nos alegra este tipo de ação, mas não compactuamos com esse tipo de conduta — pontuou. 

Segundo o comandante do Batalhão de Polícia Militar, coronel Marcelo Mello da Silva, a investigação começou há cerca de uma semana após o recebimento de uma denúncia. A partir daí, um Inquérito Policial Militar (IPM) foi instaurado para apurar a conduta dos PMs.

— Por enquanto são denúncias e estão atrás da materialidade (provas). Por enquanto não estamos divulgando nada para não dar as partes a possibilidade de esconder provas — observa o coronel. 

Os dois policias militares são soldados e, devido ao afastamento, tiveram o colete e a pistola apreendidos. 

A reportagem procurou a chefe da Polícia Civil, Nadine Anflor, que informou que a investigação é "muito incipiente" e um maior detalhamento do caso poderia atrapalhar as investigações.

— Isso não nos agrada e não vamos permitir corrupção dentro da Polícia Civil.

Investigação teve início após homicídio

Os policiais passaram a ser investigados após a morte do traficante Romário Magalhães Rodrigues, 27 anos, em 29 de janeiro. Na época, dois homens foram presos em flagrante pelo crime. 

Segundo a delegada Fabiane de Vargas Bittencourt, responsável pela investigação, a morte ocorrido por desentendimento da vítima com os líderes da facção, que são de fora da cidade. Entre os motivos para a animosidade estão dívidas com entorpecentes e o fracionamento da droga recebida - o que geraria mais lucros para a facção rival. 

Segundo a delegada, a dupla de atiradores teria vindo de Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre, para executar o traficante. No dia, eles invadiram a casa em que o traficante estava e passaram a atirar. Outras duas pessoas ficaram feridas. 

A delegada nega que os policiais tenham participação no homicídio e salienta que não poderia detalhar o envolvimento deles, com risco de comprometer a investigação da Cogepol.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros