Dentista vira réu por morte de gerente de banco em Anta Gorda - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Vale do Taquari11/04/2019 | 21h34Atualizada em 11/04/2019 | 21h37

Dentista vira réu por morte de gerente de banco em Anta Gorda

Ministério Público (MP) havia solicitado a prisão preventiva de Carlos Alberto Weber Patussi nesta quinta-feira, que foi negada

Dentista vira réu por morte de gerente de banco em Anta Gorda reprodução/reprodução
Jacir Potrich (esq.), ao lado da esposa, Adriane (dir.), e do filho, hoje com 26 anos Foto: reprodução / reprodução

A juíza  Jacqueline Bervian aceitou a denúncia e o dentista Carlos Alberto Weber Patussi virou réu pela morte do gerente do banco Jair Potrich, em Anta Gorda, no Vale do Taquari.  A informação é do Ministério Público. O pedido de prisão preventiva do acusado foi negado, segundo o o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS).  O promotor André Prediger disse que vai recorrer da decisão.

A denúncia foi entregue ao Judiciário nesta quinta-feira (11) e apresentada  em coletiva de imprensa no Ministério Público de Encantado. GaúchaZH ainda não teve acesso ao despacho no qual o TJ-RS nega o pedido de prisão.

Leia mais
Para MP, dentista asfixiou gerente de banco e escondeu corpo em Anta Gorda
Sequestro, suicídio e até briga de vizinhos: os passos da investigação do sumiço de bancário em Anta Gorda
VÍDEO: imagens mostram suspeito de matar gerente de banco em Anta Gorda mexendo em câmeras de condomínio

Patussi foi preso em 23 de janeiro em um apartamento em Capão da Canoa, no Litoral Norte, e acabou sendo solto oito dias depois, após solicitação da defesa. 

Segundo o promotor, há elementos suficientes para que o dentista responda preso pelo crime. Entre eles estão imagens em vídeo que mostram Patussi mexendo em câmeras de segurança

Para a Promotoria, o dentista estrangulou a vítima dentro do quiosque no condomínio de alto padrão onde os dois residiam. Depois disso, teria escondido o corpo — até hoje não encontrado. 

  — As provas que temos são suficientes para denunciá-lo. São provas testemunhais, contradições, quebras de sigilo telefônico e imagens de câmeras de segurança. Acreditamos que o crime não foi premeditado. Eles não conviviam. Onde um estava, o outro não ficava, por conta dessa desavença de anos. Mas naquele dia se encontraram no quiosque e o crime aconteceu lá — disse Prediger. 

 O dentista foi denunciado por homicídio triplamente qualificado, por meio que dificultou a defesa, emprego de asfixia – estrangulamento – e motivo torpe. Para o MP, a motivação do crime é a desavença gerada entre os vizinhos depois que o banco no qual Potrich era gerente ter se mudado de imóvel. O prédio antigo pertencia a Patussi e era alugado.   

 A conclusão sobre o emprego de asfixia, segundo o promotor, baseia-se no fato de que nenhum vestígio de sangue ou material genético da vítima foi encontrado. Isso descartaria, por exemplo, o emprego de arma de fogo ou mesmo de uma faca. Ainda segundo Prediger, nenhuma perícia localizou vestígios, tanto na residência do dentista como no local onde o corpo pode ter sido depositado.  

O que diz a defesa

O advogado de Patussi, Paulo Olímpio, disse que recebeu o pedido de prisão preventiva com surpresa por, segundo ele, "não haver prova de autoria e de materialidade" - no caso, o corpo do bancário. 

— Me parece que a denúncia não tem sustentação, que não poderá dar curso a ação penal. Se for recebida denúncia, vamos lutar para que ação penal não prossiga — observou o advogado. 

Ainda segundo o defensor, todas as perícias deram negativas e, por isso, não há como apontar Patussi pelo desaparecimento e morte de Potrich. Para o advogado, o promotor foi precipitado ao apresentar a denúncia, que, segundo ele, "quis apenas atender a cobrança da opinião pública".

— Não há como apontar responsabilidade pelo desaparecimento de Jacir a Carlos.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros