Após um ano desaparecida, corpo de mulher é encontrado enterrado em casa - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Região da Campanha15/05/2019 | 21h29Atualizada em 15/05/2019 | 21h29

Após um ano desaparecida, corpo de mulher é encontrado enterrado em casa

Ex-companheiro é procurado pela Polícia Civil por feminicídio contra Vera Lucia Severo Lemos, 31 anos

Após um ano desaparecida, corpo de mulher é encontrado enterrado em casa Qwerty Portal de Notícias / Divulgação/Divulgação
Policiais cumpriram mandado de busca na casa do suspeito nesta terça-feira Foto: Qwerty Portal de Notícias / Divulgação / Divulgação

Após quase um ano de investigações, a Polícia Civil localizou o corpo de uma mulher que havia desaparecido em abril de 2018 na região da Campanha. Um mandado de busca foi cumprido na casa do ex-companheiro dela, no bairro Santa Teresinha, em Dom Pedrito, no final da tarde de terça-feira (14). Na tarde desta quarta-feira (15), a Justiça decretou a prisão de Leopoldino de Lima Moraes, 49 anos, que é apontado pela Polícia Civil como autor do feminicídio de Vera Lucia Severo Lemos, 31 anos.

Na madrugada, cães farejadores indicaram que o corpo dela estava sob um piso de cerâmica, que se diferenciava do restante da residência. Bombeiros, com apoio do Exército, escavaram camadas de concreto e cerâmica até a meia-noite, quando conseguiram localizar o cadáver — que foi retirado à 1h desta quarta-feira (15).

Leia mais
Casada, mãe e alvo de violência doméstica: o perfil das vítimas de feminicídio no RS
Ex-companheiro de mulher encontrada enterrada dentro de casa tem prisão decretada
Cão farejador que encontrou corpo de mulher enterrada em Dom Pedrito atuou em Brumadinho 

O delegado responsável pelo caso, André de Matos Mendes, disse que o local onde o corpo estava escondido já havia chamado atenção há cerca de um ano, quando policiais foram até a casa após receberem a informação sobre o desaparecimento da mulher. Segundo ele, a vítima foi vista pela última vez em Bagé, em abril do ano passado.

Apesar disso, familiares fizeram a ocorrência sobre o sumiço somente no início de julho. A polícia acredita que a demora ocorreu pelo fato de que eles não eram próximos e não mantinham muito contato.

Vítima não era vista desde abril de 2018Foto: Polícia Civil / Divulgação

Investigação

Após o registro do desaparecimento, os agentes foram até a residência – que fica em um terreno com outras duas casas — mediante autorização judicial. Na época, um anexo — tendo apenas um contrapiso precário — estava sendo construído e, no local, um canivete com marcas de sangue foi encontrado.

O delegado afirma que foi solicitado um exame pericial no material. O Instituto-Geral de Perícias (IGP) confirma que o pedido foi feito no dia 30 de agosto do ano passado e que o laudo da análise ficou pronto no dia 9 de outubro, sendo acessado pela polícia no dia 29 do mesmo mês.  

Vizinhos do casal informaram, à época, que o ex-companheiro de Vera — que ainda não teve o nome divulgado — saiu da região logo após o registro da ocorrência na delegacia e que teria ido para o Uruguai. Posteriormente, teria voltado e passou a trabalhar em estâncias da região.

As famílias que moram nas outras casas do terreno onde residia a vítima relataram também que o casal brigava muito, que ainda estaria em processo de separação e discutiam sobre a guarda do filho — que teria ficado com uma tia. A polícia apura esta informação, mas ainda prefere não falar sobre o assunto para não prejudicar a investigação.

Cova descoberta

Após obter autorização judicial, a polícia voltou ao bairro Santa Teresinha nesta terça-feira. O anexo da casa — que estava em construção quando os agentes estiveram no local pela primeira vez — já estava concluído. A filha do suspeito mora no local.

As escavações começaram e os investigadores descobriram que o contrapiso precário virou um piso reforçado em várias camadas.

LEIA TAMBÉM
Homem mata esposa e comete suicídio em Venâncio Aires
Polícia divulga imagem de foragido que teria matado a ex-namorada em Caçapava do Sul
Jovem de 19 anos é morta com golpes de enxada em Venâncio

— Depois do contrapiso, acredito que durante a noite, já que vizinhos não perceberam a obra, alguém fez um recorte no cimento para uma cova. Colocou o corpo de Vera no local e cobriu com terra, depois colocou mais cimento e mais duas camadas de pisos com lajotas — relatou Mendes.

O corpo estava em avançado estado de decomposição e, segundo moradores do local, não houve relatos de mau cheiro. Mendes destacou que ainda não se sabe como a vítima foi morta e o cadáver foi encaminhado para perícia.

 A investigação agora tenta localizar o suspeito, que não foi mais visto no município.  

Ainda não é assinante? Assine GaúchaZH e tenha acesso ilimitado ao site, aplicativos e jornal digital. Conteúdo de qualidade na palma da sua mão.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros