Cinco imóveis e 10 veículos avaliados em R$ 5 milhões são apreendidos em operação contra facção - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Tráfico de drogas28/06/2019 | 21h43Atualizada em 28/06/2019 | 21h43

Cinco imóveis e 10 veículos avaliados em R$ 5 milhões são apreendidos em operação contra facção

Ofensiva deflagrada nesta sexta-feira investiga esquema de lavagem de dinheiro envolvendo integrantes do grupo criminoso baseado no Vale do Sinos

 

Após o cumprimento de mais de 80 mandados judiciais nesta sexta-feira (28), em cinco cidades gaúchas, a Polícia Civil divulgou que a facção criminosa alvo de operação contra lavagem de dinheiro seria responsável pelo ingresso de cerca de 10 toneladas de cocaína por ano no Rio Grande do Sul. Dois integrantes do grupo estão presos e somam, juntos, 126 anos de condenações.

Leia mais
Operação desarticula rede de lavagem de dinheiro montada por facção do RS
Operação Duas Faces prende 15 integrantes de facção criminosa
Isolados por um ano em Mossoró, líderes de facções retornam para prisão do RS

Conforme a polícia, a dupla usava uma rede de laranjas para lavar dinheiro com a aquisição de bens. Na ofensiva desta sexta, foram apreendidos cinco imóveis e 10 veículos avaliados em R$ 5 milhões.

Marizan de Freitas, com 70 anos de condenação e detido na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc), e Antônio Marcos Braga Campos, o Chapolin, com 56 anos de condenação e em presídio federal no Rio Grande do Norte, são apontados como gerentes da organização criminosa baseada no Vale do Sinos.

O ingresso de drogas e a movimentação financeira foi confirmada após análise de áudios, vídeos, anotações e também conforme apreensões policiais anteriores.

Investigação

O delegado Adriano Nonnenmacher, da Delegacia de Repressão ao Crime de Lavagem de Dinheiro do Departamento de Investigações do Narcotráfico (Denarc), também obteve 47 quebras de sigilo bancário, fiscal e financeiro de integrantes da organização, além do bloqueio de sete contas bancárias.

— Há três décadas essa é a organização responsável pelo maior ingresso de cocaína no Estado. Eles adquiriam joias e até relógios caros, tudo em nome de laranjas, assim como veículos de luxo e imóveis. Como pode uma senhora que recebe R$ 1,2 mil por mês ser dona de uma casa de R$ 600 mil com piscina no Vale do Sinos? — diz Nonnenmacher.

 PORTO ALEGRE,RS,BRASIL.2019,06,28.Após quatro meses de investigação, a Polícia Civil deflagrou, na manhã desta sexta-feira (28), operação com 175 agentes para desarticular uma rede de lavagem de dinheiro montada por dois integrantes de uma facção gaúcha que tem base no Vale do Sinos. Estão sendo cumpridos 23 mandados de busca e cinco de prisão temporária em cinco cidades do estado.(RONALDO BERNARDI/AGENCIA RBS).
Polícia prende quatro suspeitos Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Os investigados utilizariam rotas aéreas pelo Estado do Amazonas e diretamente do Paraguai, recebendo o apoio de uma grande facção criminosa de São Paulo.

Os mandados judiciais foram cumpridos em São Leopoldo, Novo Hamburgo, Campo Bom, Porto Alegre e Lajeado.  Foram presos quatro suspeitos e apreendidos dois carros e R$ 30 mil em dinheiro.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros