Como a polícia tenta descobrir quem estuprou e matou uma mulher no Túnel da Conceição - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Crime sexual em Porto Alegre11/06/2019 | 21h32Atualizada em 11/06/2019 | 21h32

Como a polícia tenta descobrir quem estuprou e matou uma mulher no Túnel da Conceição

A vítima era identificada apenas como "Carina" e vivia há anos no Centro, de acordo com amigas

Como a polícia tenta descobrir quem estuprou e matou uma mulher no Túnel da Conceição Mateus Bruxel/Agencia RBS
A polícia estava em um vão entre o túnel e um prédio, onde o corpo foi encontrado Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Um assassinato brutal, precedido de um possível estupro e ocorrido em um local de grande circulação de pedestres e veículos, intriga investigadores da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam). O crime foi descoberto por volta das 11h30min desta terça-feira (11), quando as autoridades foram avisadas de que o corpo de uma mulher estava no Túnel da Conceição, no centro de Porto Alegre. 

O CASO
Mulher é encontrada morta no Túnel da Conceição, em Porto Alegre

Ao menos quatro viaturas da Polícia Civil se aglomeraram no local, bloqueando a faixa da direita da Rua da Conceição, no sentido do centro para o bairro, das 12h até a 13h30min. Com isso, longas filas de veículos se formaram no local, com reflexos na Avenida Presidente Castello Branco. 

A polícia estava em um vão entre o túnel e um prédio, onde o corpo foi encontrado. Próximo dali, pessoas que se apresentavam como amigas da vítima reclamavam da violência da região e gritavam "feminicídio". Elas chegaram a bloquear a passagem de veículos em um breve protesto. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 11-06-2019: Feminicídio no Túnel da Conceição, na região central. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)
Amigas da vítima protestaram no túnelFoto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

— Mais uma mulher se foi, estuprada e morta. Choro porque é uma de nós, porque conhecia ela — diz Suzana Nogueira, 40 anos, amiga da vítima.

Segundo Suzana, a mulher era identificada apenas como "Carina" e vivia há anos na região do Centro. Uma outra amiga, Caroline Constante Leites, 23 anos, disse que esteve com a vítima na segunda-feira (10), no Camelódromo. A última lembrança das duas juntas é feliz: 

Leia mais
Casal é preso por suspeita de esfaquear motorista de aplicativo durante roubo de veículo em Estância Velha
Atlas da Violência: Brasil registrou mais de 65 mil homicídios em 2017
RS atinge em 2017 maior taxa de homicídios em 10 anos

— A gente estava junto, conversando, dando risada. Um momento feliz. Aí hoje uma pessoa da rua me encontrou e disse que tinha uma pessoa morta no túnel e vim ver. Não acreditei — diz Caroline, que se lembra de Carina como uma "ótima pessoa".

De acordo com as amigas, a vítima trabalhava como prostituta no Centro e morava em pensões. As duas disseram que ela bebia, mas negaram que consumia drogas. O mesmo relato foi feito à Polícia Civil. 

A delegada Karina Heineck, que assumiu a investigação, diz que encontrou no local do crime uma pedra com sangue, possivelmente usada para assassinar a vítima. O objeto foi recolhido para perícia. 

Os agentes perceberam sinais de que a mulher brigou com o assassino. Por isso, solicitaram que o Instituto-Geral de Perícias (IGP) recolha o material genético embaixo das unhas da vítima, suas roupas, sangue e ainda possíveis digitais pelo corpo. Também será feita análise de um preservativo encontrado no local.

— Enquanto aguardamos os laudos, vamos diligenciando de outra forma. Vamos atrás de câmeras de rua, tentaremos contato com essas pessoas que diziam conhecê-la. Depois que, eventualmente, encontremos um suspeito, vamos fazer confronto com o material (recolhido pelo IGP) —  diz a delegada. 

A polícia ainda tenta determinar o horário em que a mulher foi morta. Imagina-se que tenha sido durante a madrugada, mas ainda não há certeza. 

Região violenta

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 11/06/2019- Engarrafamento no Tunel da Conceição. (FOTOGRAFO: MATEUS BRUXEL / AGENCIA RBS)
Longas filas se formaram no Túnel da ConceiçãoFoto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

O trecho onde o crime aconteceu é apontado por moradores e frequentadores da região como violento. O caminho é muito movimentado e importante para para quem vai a hospitais, faculdades e colégios no centro. 

Zelador de prédio limítrofe ao túnel há 20 anos, José Ribeiro, 60, diz que são comuns casos de moradores e pedestres assaltados nas proximidades do túnel. Da escadaria, ao lado do Hospital Beneficência Portuguesa, vem a maior parte dos relatos. 

— É toda noite. Usuários de droga, prostituição. É raro o dia que não tem assalto na região da escadaria — reclama. 

A própria delegada, questionada sobre a segurança da região, declarou que recebeu nesta terça-feira (11) a informação de que um ponto de venda de drogas funciona próximo ao túnel. No entanto, ela diz não haver relatos recentes de outros ataques a mulheres na região. 

O comandante do 9 º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Luciano Moritz Bueno, diz que o centro de Porto Alegre terá mais policiais em breve em função da Copa América. Além disso, também está previsto o aumento de soldados a partir da formação de agentes que estão em fase final de treinamento o último concurso.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros