Com golpe do falso depósito, homem lesou vítimas em cerca de R$ 900 mil - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Estelionato21/07/2019 | 21h04

Com golpe do falso depósito, homem lesou vítimas em cerca de R$ 900 mil

Em 10 meses, Fernando Costa, 28 anos, preso em Caxias do Sul, aplicou fraude em pelo menos 28 pessoas, em mais de 20 cidades  

Suspeito de ter aplicado pelo menos 28 vezes o golpe do falso depósito, com o qual lesa pessoas que anunciam automóveis para venda, um homem preso em Caxias do Sul, na Serra,  causou prejuízos de cerca de R$ 900 mil, no total, nos últimos 10 meses. A estimativa tem como base a sua própria confissão, feita à Polícia Civil em Rio Pardo, no Vale do Rio Pardo, onde mora uma das vítimas.

Leia mais
Novo golpe no WhatsApp promete o saque do 13° do Bolsa Família
Em novo golpe por telefone no RS, bandidos convencem vítima a entregar cartão e senhas 
Receita alerta para golpes de sites que realizam falsos leilões 
Pessoas solitárias devem ficar mais atentas aos golpes virtuais  

Fernando Costa, 28 anos, foi preso preventivamente na manhã do último dia 11, em Caxias do Sul. Havia um mandado judicial contra ele pela aplicação do golpe no gerente de uma empresa de limpeza e conservação de Rio Pardo, Leandro Pereira Linhares que, em junho, havia anunciado um Gol G6, ano 2014, por R$ 30 mil, no site de vendas OLX. 

Em 24 de junho, Linhares recebeu um primeiro contato de Costa que, dois dias depois, o procurou pessoalmente. Com sotaque interiorano, o suposto comprador demonstrou interesse no carro. Após testá-lo, garantiu que o compraria. Depois, disse que seu pai havia depositado, na conta de Linhares, o valor pedido pelo automóvel. 

O gerente, então, utilizou o aplicativo de seu banco, no celular, para verificar o saldo e percebeu diferença de R$ 30 mil. No mesmo dia, foi a um tabelionato e encaminhou a transferência da propriedade do veículo para o nome de Costa. Dois dias depois, em novo extrato bancário, deu-se conta de que havia caído em um golpe, pois o depósito havia sido feito com cheque sem fundos.

Para a realização da transferência, Costa revelou alguns dados pessoais, e foi por meio deles que a Polícia Civil o localizou em Caxias do Sul.

— Até pela natureza de seus crimes, ele (Costa) tem mais de 20 endereços cadastrados, mas o localizamos. Em três horas e meia de carro, ele falou bastante sobre os golpes e que usa sempre o mesmo modus operandi (forma de agir) — revela o delegado de Rio Pardo, Anderson Faturi.

De acordo com o delegado, Costa afirmou que escolhe suas vítimas aleatoriamente, consultando o site de vendas OLX. Desta forma, entre suas vítimas, há desde vendedores de carros populares, em torno de R$ 30 mil, a anunciantes de automóveis de maior valor, como um Sonata, em torno de R$ 60 mil.

Em depoimento, o autor dos golpes alegou que é usuário de drogas e aplica as fraudes para sustentar o vício. Disse ainda que age em parceria com outras pessoas, mas não revelou os nomes delas. O delegado afirma que as investigações serão mantidas. 

Carro havia sido revendido

Os golpes de Costa, de acordo com o delegado, foram aplicados em mais de 20 municípios gaúchos.

— Ele não costumava repetir a cidade. Em uma vez que tentou, na segunda vez em que foi a Serafina Corrêa acabou preso em flagrante, mas depois foi liberado. Ele também contou que uma vez, ao descobrir que a vítima em potencial era um policial, desistiu — revela Faturi.

De acordo com o delegado, o carro de Leandro Pereira Linhares, havia sido revendido pelo golpista.

— É uma situação em que a pessoa comprou o carro sem saber que era fruto de golpe. Foi um terceiro que agiu de boa fé e que infelizmente também terá prejuízo.

O gerente que anunciou o carro para venda está na expectativa de recuperá-lo, mas sabe que, mesmo assim, também terá prejuízo.

— Está tudo andando para eu recuperar. A polícia foi eficiente. Sei que tiraram as rodas, o capô, vou ter gastos com guincho, mas, mesmo assim considero uma vitória — diz o gerente.


Com evitar

— Só entregue ou transfira o bem negociado depois da confirmação do pagamento (compensação do cheque ou confirmação da Transferência Eletrônica Disponível – TED).
Fonte: delegado Anderson Faturi


CONTRAPONTO

O que diz a OLX 

—  A OLX esclarece que não teve acesso a detalhes deste caso e, por isso, não foi possível investigar ou tomar as devidas providências com relação a este caso em específico. A empresa disponibiliza espaços para que usuários possam anunciar e comprar produtos e serviços de forma rápida e simples. 

— Por mais que as transações sejam realizadas fora do ambiente do site e aplicativo, a empresa preza em proporcionar uma boa experiência aos seus usuários. Para isso, oferece dicas para o momento da compra  ou da venda e disponibiliza ferramentas para aprimorar a plataforma constantemente.

— Em parceria com o Itaú Unibanco, a plataforma oferece a ferramenta Compra e Venda Protegida, um serviço que guarda o sinal da transação de um veículo até que as partes envolvidas autorizem o pagamento para o vendedor. Isso proporciona um prazo para que as partes façam as conferências necessárias _ documentos, verificação mecânica no automóvel etc. _ antes de finalizar a transação.

— Vale ressaltar que a empresa disponibiliza um botão de denúncia em todos os anúncios publicados, possibilitando que qualquer pessoa denuncie eventuais práticas irregulares ou conteúdos indevidos.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros