Policiais em igreja e comunidade mobilizada: como está a rotina em Dom Feliciano duas semanas após assalto - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Apoio19/07/2019 | 21h46

Policiais em igreja e comunidade mobilizada: como está a rotina em Dom Feliciano duas semanas após assalto

Comunidade tem auxiliado policiais alojados em salão de igreja que participam de cerco a bandidos

Policiais em igreja e comunidade mobilizada: como está a rotina em Dom Feliciano duas semanas após assalto Ronaldo Bernardi / Agência RBS/Agência RBS
Nos fundos da casa paroquial, agentes usam corda para estender os uniformes lavados Foto: Ronaldo Bernardi / Agência RBS / Agência RBS

Há duas semanas, o pequeno município de Dom Feliciano, com pouco mais de 14 mil habitantes, vive às voltas com o cerco policial que busca os envolvidos com o assalto a uma agência bancária local. Um número não divulgado de Policiais Militares vive, desde então, alojado no salão da Paróquia Nossa Senhora Czestochowa, no centro.

Usando o que antes era o salão de festas da igreja, os policiais dormem e fazem as refeições no local. Por uma basculante, é possível enxergar os colchões, algumas barracas e as cadeiras de madeira, que fazem as vezes de varal para toalhas. Nos fundos da casa paroquial, uma corda estende os uniformes dos agentes.

Leia mais
Buscas por quadrilha que assaltou banco em Dom Feliciano chegam ao 14º dia
Cerco policial tenta localizar até cinco assaltantes de bancos em Dom Feliciano 
Duas mulheres são mortas em barreira da Polícia Federal em Cristal, no sul do RS

— Temos que agradecer à comunidade, que nos ajuda nas barreiras e nos recebeu muito bem — destaca o major Ferreira.

O administrador Sérgio Luiz Dorneles, morador de Dom Feliciano há 15 anos, se juntou à força-tarefa. Diariamente adentra a cozinha do salão para preparar as refeições dos policiais.

— Desde terça da semana passada, nossa tarefa é cozinhar para a turma. Vim por dois motivos: um por altruísmo e outro, emocional. Gosto de cozinhar e de estar a serviço da comunidade. E meu pai serviu à Policia Militar por 40 anos, então, estou aqui pelo lado emocional também.

Segundo Dorneles, além de preparar a comida, os ajudantes ainda dão suporte emocional aos policiais.

— Existe carência, eles estão longe dos filhos, esposas. Então, a gente tenta passar esse carinho para que eles se sintam em casa, com uma comida quentinha. A comunidade está sendo incansável.

Paróquia Nossa Senhora Czestochowa, em Dom Feliciano. Brigada Militar. Cerco a bandidos. Assalto a banco
Paróquia Nossa Senhora Czestochowa recebe batalhões que estão atrás de assaltantesFoto: Ronaldo Bernardi / Agência RBS

Como estão as buscas

Com barreiras montadas 24 horas por dia, a Brigada Militar trabalha com indícios de que os fugitivos seguem na região. De acordo com o major Ferreira, a inteligência da Polícia Federal repassa informações que o bando está nas redondezas, portanto, a operação deve seguir.

Leia mais
Quem eram as mulheres mortas em confronto com a Polícia Federal em Cristal

— Temos reuniões diárias de avaliação. Por aqui, há muitas áreas abandonadas, galpões, estufas de fumo abandonadas em que eles podem se abrigar. Tanto estão, que um grupo veio tentar resgatá-los — comentou, relembrando o grupo que furou uma barreira policial em Cristal na última terça-feira (14).

Os locais das barreiras não são divulgadas, no entanto, sabe-se que elas estão espalhadas por uma área de cerca de 30 quilômetros, entre Dom Feliciano e Amaral Ferrador.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros