Casal suspeito de mandar matar açougueiro se entrega em Novo Hamburgo - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Vale do Sinos20/08/2019 | 21h19Atualizada em 20/08/2019 | 21h20

Casal suspeito de mandar matar açougueiro se entrega em Novo Hamburgo

Delvio Pinheiro Medeiros, 63 anos, e a esposa dele, Dede Noal Medeiros, 55 anos, estavam foragidos há cinco meses

Casal suspeito de mandar matar açougueiro se entrega em Novo Hamburgo Reprodução/Reprodução
Maycon Douglas dos Santos Michel, 27 anos, foi morto em frente ao mercado da sua família Foto: Reprodução / Reprodução
GaúchaZH
GaúchaZH

O casal apontado pela Polícia Civil como mandante da execução do açougueiro Maycon Douglas dos Santos Michel, 27 anos, em São Leopoldo, no Vale do Sinos, apresentou-se na manhã desta terça-feira (20) na 2ª Delegacia de Polícia, em Novo Hamburgo. Delvio Pinheiro Medeiros, 63 anos, e a esposa dele, Dede Noal Medeiros, 55 anos, tinham mandado de prisão preventiva decretada e estavam foragidos há cinco meses. O crime ocorreu em 5 de setembro do ano passado. 

O CASO
Casal e filho são indiciados por encomendar morte de açougueiro em São Leopoldo
VÍDEO: atirador que matou açougueiro com 12 disparos ainda não foi identificado
Atirador que matou homem com 12 tiros em São Leopoldo foi ao local do crime meia hora antes com outro suspeito

Segundo o delegado Ivair Matos, o casal negou qualquer participação no crime durante o depoimento, assim como havia sido antes da expedição da prisão de ambos. Eles ainda apontaram o envolvimento do filho, Cristian Fernando Medeiros, 31 anos. 

Cristian está preso preventivamente desde 29 de janeiro. O trio foi indiciado por homicídio duplamente qualificado (mediante pagamento ou promessa de recompensa e à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido) e por crime de associação criminosa.

Delvio e Dede se apresentaram espontaneamente, acompanhados de seu advogado. Da delegacia em Novo Hamburgo, o casal foi levado para São Leopoldo, onde a investigação é conduzida pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

O crime


Morto com 12 disparos, o açougueiro foi funcionário do estabelecimento do qual Delvio e Dede eram proprietários. Ele foi executado em frente ao mercado da família dele, no qual trabalhava, por um homem encapuzado, por volta das 8h do dia 5 de setembro do ano passado. Imagens de câmeras de segurança registraram o momento em que o assassino desembarcou de um veículo Montana e efetuou os disparos.

A motivação para o crime seria uma desavença causada por uma ação trabalhista. Os ex-patrões não assinaram a carteira de Maycon. Em razão disso, ele ingressou com uma ação na Justiça do Trabalho no dia 21 de agosto do ano passado. 

Após serem interrogados, em fevereiro, Delvio e Dede saíram da casa onde moravam, fecharam os minimercados e não foram mais encontrados pelos policiais. A DHPP de São Leopoldo concluiu o inquérito em 25 de fevereiro deste ano.

Segundo a investigação, o casal foi o mandante do assassinato, enquanto Cristian levou o atirador até o local do crime. Delvio e Dede teriam pago R$ 2 mil ao autor dos disparos, que ainda não foi identificado.

Contraponto

Procurado pela reportagem de GaúchaZH, o advogado José Lauri da Silva, que defende Delvio e Dede, afirmou que já tem os "elementos necessários" para provar a inocência do casal e que, após analisar o processo, formalizará pedido para que o filho do casal seja interrogado novamente. 

— Eles reconheceram a culpabilidade do filho mas não têm qualquer gerência sobre os atos dele. Eles não tiveram qualquer envolvimento — afirma o advogado.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros