Mãe de três filhos e moradora do Brasil há quatro anos: quem era a haitiana assassinada em motel de Gravataí - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Região Metropolitana12/08/2019 | 22h19Atualizada em 12/08/2019 | 22h19

Mãe de três filhos e moradora do Brasil há quatro anos: quem era a haitiana assassinada em motel de Gravataí

Germanie Paul, 29 anos, trabalhava no estabelecimento havia um ano e oito meses. Ela teve o celular roubado pelo autor do crime 

Mãe de três filhos e moradora do Brasil há quatro anos: quem era a haitiana assassinada em motel de Gravataí Arquivo Pessoal/Divulgação
Germanie Paul tinha três filhos e morava em Gravataí Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

Há quatro anos, Germanie Paul decidiu deixar o Haiti e tentar uma nova vida no Brasil. No novo país, casou com o namorado com quem se relacionava há mais de 15 anos. O casal teve dois filhos — uma menina atualmente com dois anos e um menino de quatro anos. Juntos, decidiram adotar uma adolescente, hoje com 13 anos. 

Na madrugada de sábado (10), Germanie, 29 anos, foi encontrada morta em um motel de Gravataí, na Região Metropolitana, onde trabalhava como recepcionista. Para a polícia, a haitiana foi asfixiada. O marido, que preferiu não se identificar, ainda tenta entender o que aconteceu.

Leia mais
Haitiana é morta dentro de motel em Gravataí
A história do senegalês que morreu no Rio Grande do Sul e mobilizou uma corrente de solidariedade para ser sepultado no país de origem
"Perdeu a vida trabalhando", diz familiar de senegalês motorista de aplicativo morto durante assalto em Porto Alegre

— Era uma pessoa que sempre estava feliz, nunca falava mal de ninguém, nunca estava braba com ninguém — disse. 

A estrangeira trabalhava no estabelecimento há um ano e oito meses. Começou no local por indicação de uma amiga, que sabia da necessidade dela de conseguir um emprego. Ganhava R$ 1,2 mil. Segundo o marido, no local ela fazia de tudo: limpeza, arrumação dos quartos e cumpria função até de cozinheira. 

— O motel não tinha segurança — reclama o marido.  

Na noite do crime, o companheiro estranhou que a mulher parou de responder as mensagens que ele enviava pelo WhatsApp e não atendeu mais as ligações. Também haitiano, foi às pressas para o motel, mas o corpo dela já havia sido retirado.

— Cheguei e me disseram: "tua esposa morreu". Ninguém tinha me avisado de nada.

Após a morte da companheira, ele pensa em fechar o comércio de venda de pneus e deixar o Brasil. Pretende ir para um lugar mais seguro para viver com os filhos. A intenção é pedir asilo político para morar no Canadá. Além da esposa, já perdeu três amigos desde que chegou aqui. O último, há quatro meses, ocorreu durante um assalto. 

— Não quero ficar mais aqui. Mas não vou voltar para o Haiti, está muito difícil por lá. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros